AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Simulado realístico na Unesc coloca estudantes de Enfermagem frente a frente com situações extremas da profissão

Simulado realístico na Unesc coloca estudantes de Enfermagem frente a frente com situações extremas da profissão
Foram quatro dias de ação no campus da Universidade (Fotos: Leonardo Ferreira/Mariana Comin) Mais imagens

Você está preparado para salvar uma vida? Na Unesc 44 estudantes da 6ª fase de Enfermagem foram levados ao extremo dentro da disciplina de APH (Atendimento de Pré-Hospitalar). Eles foram colocados em situações de reação rápida, atenção aos detalhes, técnica profissional e respeito ao paciente no 7º Simulado Realístico de Atendimentos Emergenciais. A atividade foi desenvolvida em todo o campus desde a última quinta-feira (15/8) e teve sua conclusão nesta terça-feira (20/8).

A proposta da disciplina, ministrada desde o segundo semestre de 2016, foi inserir o estudante dentro do contexto de atuação profissional. A cena, com a maior realidade possível, é construída sem que os participantes tenham contato com o que vão encontrar. Ao chegar no local a equipe é cronometrada e avaliada pelas professoras, que se atentam a detalhes como o atendimento, postura física e psicológica do estudante. “É uma situação que será recorrente no dia a dia da profissão, o que torna de grande importância estar presente na graduação. Tudo aqui é o mais real possível e nos faz lidar com a adrenalina e sentimentos que moldarão aquele profissional que estará pronto para salvar vidas”, afirma a líder de turma, Gabriela Rafael Nazário.

Dentro desta proposta os estudantes são divididos em grupos logo no primeiro encontro do semestre e são preparados para enfrentar situações como trauma raquimedular, quando a medula espinhal sofre um dano por trauma; choque elétrico; traumatismo crânio-encefálico, uma lesão na cabeça; acidente vascular encefálico, quando há danos cerebrais devido à interrupção sanguínea; crise convulsiva, e agressão física. Após o pré-atendimento o paciente é levado a um espaço hospitalar e outra equipe é acionada para dar continuidade ao processo.

A professora da disciplina, Mariana Freitas Comin, relatou a importância da atividade para a preparação do futuro profissional e apontou um avanço no desempenho dos participantes durante os quatro dias de atividades. “O objetivo é realizar o pré-atendimento, desde o acionamento da equipe até o os encaminhamentos no hospital, em 15 minutos. No primeiro dia a média de atuação foi de mais de 20 minutos. Agora, nos dias finais, eles atingiram boas marcas como atendimentos na casa dos 11 minutos. É uma disciplina empolgante, mas que ao mesmo tempo impacta os participantes com realidades que fomentam o conhecimento”, destacou. A disciplina também é ministrada pela docente Zoraide Rocha.

Contribuição de quem já passou pelo Simulado

As realidades das ocorrências são potencializadas pela participação de estudantes de outras fases, que atuam como vítimas ou familiares. O estudante da 8ª fase Elisandro Raupp Prestes participou da atividade há mais de um ano e nesta segunda-feira esteve do outro lado. Seu personagem caiu do segundo andar do Bloco XXI B da Universidade, após uma crise de labirintite, e recebeu o atendimento e no local em 12 minutos. “No lugar da vítima tudo muda. Se vê a situação com outros olhos, somos mais criteriosos, conseguimos contribuir com o momento e até aprender com quem está ali atuando”, afirma Raupp.

A acadêmica Bruna Mendes avaliou como importante a contribuição dos colegas que já vivenciaram a situação e destacou a oportunidade de aprender com erros e acertos. “Nos sentimos em uma situação real. Quando acertamos quer dizer que salvamos uma vida, então comemoramos. Quando erramos temos a possibilidade de rever o que fizemos e levar aquele aprendizado para a vida, nos dando mais segurança para atuar no futuro”, destacou.

Leonardo Ferreira - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 20 de agosto de 2019 às 14:23
Compartilhar Comente

Projeto “Educação e saúde na infância” é apresentado à comunidade

Projeto “Educação e saúde na infância” é apresentado à comunidade
Ideia é envolver crianças, familiares e colaboradores de Centros de Educação Infantil (Fotos: Leonardo Ferreira) Mais imagens

Uma parceria entre Unesc e Afasc (Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma) vai mobilizar estudantes do curso de Odontologia para contribuir com as comunidades da Santa Luzia e Pinheirinho. O projeto “Educação e saúde na infância”, lançado oficialmente na tarde desta quarta-feira (14/8), vai propor estudos e ações sobre saúde bucal nos CEIs (Centros de Educação Infantil) Carlos Piazza e Santa Luzia.

Conforme o professor Diego Anselmi Pires, a ideia é que o envolvimento da comunidade vá além das crianças, integrando familiares e colaboradores dos Centros. No primeiro momento as atividades serão focadas em análises, com a implantação de um questionário, atividades em sala de aula, palestras e ações comunitárias de orientação.



Para a coordenadora do curso de Odontologia, Morgana Francisco Machado Guzzati, o projeto reforça o caráter comunitário da Universidade. “Hoje é um dia especial, quando mais uma vez colocamos nossos estudantes em contato com a comunidade. A Unesc e a Afasc entenderam a importância de aprender cedo como cuidar da saúde e se uniram em mais esta parceria”, destaca.

A vice-dama de Criciúma e professora da Universidade, Robinalva Ferreira, avaliou o projeto como um investimento para o futuro e para a educação da região. “Quando ensinamos as crianças o resultado é perceptível dentro de casa. A escola ganha, suas famílias ganham e a comunidade se torna um lugar mais saudável”, afirma.

O objetivo do curso de Odontologia é avaliar os resultados iniciais da parceria ao fim do semestre e expandir a atuação do projeto para outros Centros de Educação Infrantil de Criciúma.

Leonardo Ferreira – Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 14 de agosto de 2019 às 17:42
Compartilhar Comente

Projeto Viver SUS: dia de embarcar em uma grande experiência

Projeto Viver SUS: dia de embarcar em uma grande experiência
Estudantes da área da saúde e residentes estarão em sete municípios até sexta-feira (19/7) (Fotos: Leonardo Ferreira) Mais imagens

O campus da Unesc foi tomado pelo desejo de fazer a diferença e os 70 participantes do Viver SUS (Projeto Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde) embarcaram em mais uma jornada. A segunda-feira (15/7) amanheceu fria e chuvosa, mas logo foi aquecida pelos estudantes da área da saúde e residentes do Programa de Residência Multiprofissional da Universidade. Eles estarão em sete municípios do Sul catarinenses até sexta-feira (19/7), para aprender e colaborar com os processos voltados ao SUS. Nesta edição, o evento será marcado pelo aniversário de 25 anos da Estratégia Saúde da Família. 

A animação dos participantes é resultado do novo formato do Projeto Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde, com foco na prática e na inserção comunitária. “A ideia é aproximar os integrantes e a comunidade, em uma forma mais atuante de atendimento. Este novo olhar proporcionará momentos de observação das demandas em saúde e de construção para atende-las. Nos dias finais de experiências, o que foi pensado resultará em ações práticas que farão diferença na realidade local”, conta o assessor de Ações Comunitárias e atual coordenador do projeto, Rafael Amaral.

A residente Nayara Moraes está participando pela primeira vez. Ela viu no Viver Sus a possibilidade de colaborar. “Estou muito entusiasmada com a experiência de vivenciar a realidade e poder auxiliar nos assuntos de necessidade local. É uma oportunidade única e espero contribuir com melhorias para as problemáticas do município”, afirma.

Já Taira de Oliveira, também residente, está participando pela terceira vez. Para ela, o Viver Sus vai além de um projeto de extensão. “É um paradigma na vida profissional de quem participa. Quando participei em 2016, a primeira vez, não imaginava os efeitos que causaria em minha trajetória. Hoje sou psicóloga. Minha profissão é voltada, em grande maioria, para um público particular. Assim o Viver SUS me fez ver além do consultório, e me mostrou uma rede de atenção que funciona, e pode proporcionar qualidade de vida aos usuários”, destaca.

Para a diretora de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, Fernanda Sônego, histórias como as Taira e Nayara se completam e dão vida ao Projeto. “A troca de conhecimentos resulta em contribuições para o município, para a trajetória profissional dos participantes e para a integração dos colegas e das áreas de conhecimento. É um novo olhar, que transforma realidades e relações ao aproximar a Universidade da comunidade”, afirma.

Nesta edição, os representantes da Unesc estarão presentes em Criciúma, Nova Veneza, Sangão, Jaguaruna, Turvo, Sombrio e Balneário Gaivota, comtemplando as regiões da AMREC (Associação dos Municípios da Região Carbonífera), AMUREL (Associação dos Municípios da Região de Laguna) e AMESC (Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense).

Estão presentes no Projeto acadêmicos dos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Educação Física - Bacharelado, Farmácia, Fisioterapia, Medicina, Nutrição, Psicologia e Odontologia da Universidade, e os residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica, Saúde da Família e Saúde Mental. Antes de os municípios receberem os visitantes, os integrantes participaram de uma capacitação.

Leonardo Ferreira - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 15 de julho de 2019 às 10:40
Compartilhar Comente

Professor da Unesc contribui para pesquisa em âmbito nacional

Professor da Unesc contribui para pesquisa em âmbito nacional
Trabalho é realizado de forma colaborativa entre pesquisadores (Foto: Divulgação) Mais imagens

O professor da Unesc Jacks Soratto, tem contribuído com pesquisas sobre saúde do trabalhador em nível nacional. Na última sexta-feira e sábado (5 e 6/7), o pesquisador esteve na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) participando de encontro do grupo Práxis (Laboratório de Pesquisa sobre Trabalho, Ética, Saúde e Enfermagem), sobre “Inovação tecnológica não material em saúde: cargas de trabalho e satisfação”.

Soratto é pesquisador colaborador do grupo, também integrado pela UEA (Universidade Estadual do Amazonas), UnB (Universidade de Brasília), UFRN (Universidade Federal do Rio Grande Norte) e UFSC.

“A pesquisa feita de forma colaborativa em âmbito nacional, promove uma reflexão sobre carga de trabalho e satisfação, no contexto da tensão climática da saúde dos trabalhadores e dos gestores”, explica.

Leonardo Ferreira - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 08 de julho de 2019 às 10:30
Compartilhar Comente

Programa de Exercícios para Idosos na Unesc com inscrições abertas

Programa de Exercícios para Idosos na Unesc com inscrições abertas
Matriculas serão realizadas em 1º de julho (Foto: Arquivo) Mais imagens

O Programa de Exercícios para Idosos, desenvolvido na Unesc, vai levar mais qualidade de vida a quem tem entre 60 e 70 anos. A iniciativa é resultado de uma dissertação do Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Universidade e vai proporcionar, gratuitamente, momentos com prática da musculação, de Yoga e exercícios aeróbicos. O foco é a melhora na cognição, memória e imunidade do participante.

Segundo Beatriz Giusti Furtado, pesquisadora responsável pelo projeto, já existem resultados concretos sobre a eficácia da proposta. Ao longo das atividades, com duração de três meses e frequência de três dias semanais, serão realizados monitoramentos e análises da evolução do participante.

“Com o acompanhamento dos diferentes modelos de exercício físico, com foco em funções cognitivas, psicológicas, imunológicas e de autonomia funcional de idosos saudáveis, é possível validar a eficácia do projeto e adequar as atividades para proporcionar uma melhor qualidade de vida”, conta Beatriz.

A pesquisadora também explica que os dados gerados durante os exercícios vão contribuir com o segmento cientifico do projeto, que busca ilustrar a importância da prática do exercício físico para a saúde, destacando a relevância da atuação do profissional de educação física – bacharel.

Inscrições

Para participar do projeto, as inscrições serão realizadas em 1º de agosto na sala 11 do Complexo Esportivo da Universidade. É necessário apresentar liberação médica para praticar exercícios e um documento com foto.

Leonardo Ferreira - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 04 de julho de 2019 às 13:12
Compartilhar Comente