Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais

imagem do site
Newsletter Newsletter RSS RSS

Estudante mexicano desenvolve pesquisa no Mestrado em Ciências Ambientais

Estudante mexicano desenvolve pesquisa no Mestrado em Ciências Ambientais
Pró-reitor recepcionou Luis Alberto Chaves nesta segunda-feira (Foto: Divulgação) Mais imagens

A Unesc tem sido cada vez mais procurada por estudantes estrangeiros de mestrado e doutorado para a realização de atividades. O PPGCA (Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais) recebeu neste semestre o mestrando mexicano Luis Alberto Jorge Lopez Chaves do Centro Interdisciplinar de Pesquisa para o Desenvolvimento Integral Regional, da Unidade de Durango do Instituto Politécnico Nacional. E nesta segunda-feira (13/11), o estudante recebeu as boas-vindas da Reitoria, durante encontro com o pró-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, Oscar Montedo.

Chaves desenvolve a pesquisa “Efeitos ambientais relativos a segurança humana, devido a população de cães (Canis lupus familiaris) em situação de rua na cidade de Durango, México” no Laboratório de Meio Ambiente e Psicologia Ambiental sob orientação da professora doutora Teresinha Maria Gonçalves.

No encontro, o mestrando foi acompanhado pela orientadora e pela coordenadora do PPGCA, Patrícia do Amaral.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 13 de novembro de 2017 às 21:53
Compartilhar Comente

Alunos de graduação e Mestrado participam de evento sobre comunidades Quilombolas

Alunos de graduação e Mestrado participam de evento sobre comunidades Quilombolas
Luiz Marcos de França Dias fez palestra na Universidade (Fotos: Milena Nandi) Mais imagens

“Povos e comunidades tradicionais Quilombolas: meio ambiente, território e biodiversidade” foi o tema da palestra na noite desta segunda-feira (30/10), que reuniu alunos de cursos de graduação, do Mestrado em Ciências Ambientais da Unesc e pessoas da comunidade. O evento teve a participação do vice-presidente da Associação Quilombo São Pedro, de Eldorado, São Paulo, Luiz Marcos de França Dias.

Graduado em Letras e Pedagogia e professor na Escola Estadual Quilombola Maria Antônia Chules Princesa, o palestrante falou sobre realidade dos povos Quilombolas e a a luta pelo reconhecimento e respeito aos seus direitos, história e cultura.

A palestra foi promovida pelo curso de Ciências Biológicas, pelo PPGCA (Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais) e pelo NEAB (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Minorias) da Unesc.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 30 de outubro de 2017 às 22:16
Compartilhar Comente

Comunidades Quilombolas é tema de palestra na Unesc

Comunidades Quilombolas é tema de palestra na Unesc
Meio ambiente, território e biodiversidade serão abordados (Foto: Carlos Penteado) Mais imagens

Povos e comunidades tradicionais Quilombolas: meio ambiente, território e biodiversidade” é o tema da palestra da próxima segunda-feira (30/10) na Unesc. O evento ocorre às 19h15 na sala 13 do Bloco S, é gratuito, aberto ao público em geral e vai ter a participação do vice-presidente da Associação Quilombo São Pedro, de Eldorado, São Paulo, Luiz Marcos de França Dias. Graduado em Letras e Pedagogia e professor na Escola Estadual Quilombola Maria Antônia Chules Princesa, o palestrante vai falar sobre realidade dos povos Quilombolas e a sua luta pelo reconhecimento e respeito aos seus direitos, história e cultura.

A palestra é promovida pelo curso de Ciências Biológicas, pelo PPGCA (Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais) e pelo NEAB (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Minorias) da Unesc.

Segundo a professora do PPGCA da Unesc Márcia Cristina Américo, os quilombos e suas formas de existência só foram reconhecidos a partir da Constituição Federal de 1988, e por isso, a reflexão sobre esse movimento histórico, social, político e econômico ainda está em construção. “A compreensão do conceito de comunidades Quilombolas está pautada na história de grupos culturalmente diferenciados e que se reconhecem como tais, possuem forma própria de organização social e territorial, utilizam conhecimentos e práticas da agricultura, da pesca, da edificação das casas, modos de vida, crença, entre outras, se autodeclaram e se identificam como descendentes de africanos escravizados e mantêm laços de parentesco, conservam suas tradições culturais, suas histórias e seu código de ética, que são transmitidos oralmente de geração a geração”, explica Márcia.

A professora ainda chama a atenção para o fato de que essas comunidades tradicionais no Brasil têm função importante na conservação dos recursos ambientais necessários não só para eles, mas para toda a população e para a busca dos Quilombolas pelo reconhecimento e legalização de suas terras e para que a sua memória não desapareça. Para Márcia, o debate do assunto no meio acadêmico é importante uma vez que se trata de um ambiente de formação profissional que se preocupa também com a formação de cidadãos conscientes de seu papel na sociedade.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 26 de outubro de 2017 às 20:00
Compartilhar Comente

Edital 04/2017/PPGCA - PNPD/CAPES

Edital 04/2017/PPGCA - PNPD/CAPES
Mais imagens

O Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, torna público, nos termos do item 9 do Edital n. 01/2017/PPGCA, o resultado final no processo de seleção e admissão de doutor para o Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) MEC/CAPES, conforme instituído pela Portaria nº 86, de 03 de julho de 2013.

Mais informações: https://www.unesc.net/portal/resources/official_documents/14982.pdf?1507554817

Postado por: Diane Machado 09 de outubro de 2017 às 10:20
Compartilhar

Qualidade dos Mestrados e Doutorados da Unesc é reconhecida nacionalmente

Qualidade dos Mestrados e Doutorados da Unesc é reconhecida nacionalmente
Três Programas de Pós-Graduação aumentaram suas notas na Capes (Foto: Arquivo) Mais imagens

A Unesc vem colhendo os frutos do trabalho nas áreas de ensino, pesquisa, extensão e inovação e recebeu mais um resultado positivo de avaliações em âmbito nacional. Desta vez foram seus PPGs (Programas de Pós-Graduação), que tiveram as notas aumentadas na avaliação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). O resultado foi divulgado na última semana de setembro e revelou que a Unesc figura no seleto grupo formado por 22% das 4.175 IES (Instituições de Ensino Superior) brasileiras que obtiveram aumento no conceito de qualidade de seus PPGs.

A Capes realiza uma avaliação quadrienal dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu (Mestrado e Doutorado) de todo o Brasil. A última análise, feita de 2013 a 2016 apontou que a Unesc teve três de seus PPGs, o conceito de qualidade maior que no comparativo com a avaliação anterior.

Para a reitora da Unesc, Luciane Ceretta, o resultado é reflexo do trabalho sério realizado pelos professores, pesquisadores e alunos dos PPGs e do investimento que a Instituição tem feito em seus cursos. “A avaliação positiva da Capes avaliza os esforços feitos há anos no sentido de buscar a excelência dos nossos cursos de pós-graduação stricto sensu. É um orgulho para a Universidade ser referência nacional também nesta área”, afirma Luciane. “O resultado também é positivo para a região, que se beneficia com a pesquisa desenvolvida e com profissionais ainda mais capacitados e que vão fazer a diferença na sociedade”, complementa.

Conceitos maiores

Após esta última avaliação da Capes, o PPGE (Programa de Pós-Graduação em Educação), o PPGDS (Programa de Desenvolvimento Socioeconômico) e o PPGCEM (Programa de Pós-Graduação em Ciências e Engenharias de Materiais) passaram do conceito 3 para 4 - quando o PPG possui Mestrado, como no caso do PPGE, PPGDS e PPGCEM o conceito máximo que pode alcançar é 5. Desse modo, estão credenciados a submeterem à Capes programas de doutorado para o ano que vem, se assim a Instituição avaliar como pertinente.

“A Unesc tem sete programas atualmente. Dois são muito jovens e não completaram o período de avaliação e, portanto, mantiveram a sua nota. Considerando apenas os cinco que poderiam aumentar o conceito, três deles passaram de 3 para 4. Essa é uma conquista importante para a Unesc porque consolida todo o trabalho e investimento feito pela Instituição nos últimos anos”, afirma o pró-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, Oscar Montedo.

Além disso, dois programas que já possuem cursos de doutorado mantiveram seus conceitos. O PPGCA (Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais) manteve seu conceito 4, enquanto que o PPGCS (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde) continua sendo um programa de excelência aos olhos da Capes, mantendo seu conceito 6.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 08 de outubro de 2017 às 08:00
Compartilhar Comente