Newsletter Newsletter RSS RSS

Unesc realiza Colóquio História e Memória da Educação

Unesc realiza Colóquio História e Memória da Educação
Evento tratou sobre a vida e obra de Paulo Freire (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

O Auditório Edson Rodrigues esteve completamente lotado de estudantes sedentos por conhecimento na quinta edição do Colóquio História e Memória da Educação: 50 anos após a Pedagogia do Oprimido - um tributo a vida e obra de Paulo Freire. O evento ocorreu na noite desta quarta-feira (15/8) e reuniu acadêmicos e professores dos cursos de Pedagogia, Psicologia, Mestrado em Educação e História, contando com mais de 100 participantes.

O colóquio é fruto de uma parceria entre o Grupehme (Grupo de Pesquisa História e Memória Da Educação), Grupo de Pesquisa Patrimônio Cultural Histórias e Memórias, Esma (Grupo de Pesquisa Educação, Saúde, Meio Ambiente), Cedoc (Centro de Memória e Documentação) e curso de Pedagogia da Unesc, com o apoio do PPGE (Programa de Pós-Graduação em Educação) da Universidade.

A programação do evento foi dividida entre três turnos, sendo iniciada com a apresentação do documentário Alfabetização em Angicos - A Pedagogia de Paulo Freire, pela manhã. Durante a tarde foi realizada uma mesa-redonda com o tema “Educação Libertadora e compromisso social”, tendo como participantes os professores doutores do PPGE Carlos Renato Carola e Giani Rabelo, sendo mediados pela professora doutora do PPGE Janine Moreira. Já durante a noite o auditório recebeu a conferência “A atualidade do pensamento pedagógico de Paulo Freire”, ministrada pelo professor doutor Thiago Ingrassia Pereira da Universidade Federal da Fronteira Sul.

O foco da conferência foi abordar os conceitos-chave da proposta pedagógica de Paulo Freire, sendo eles inacabamento, dialogicidade e transformação social, considerando sua perspectiva educacional emancipatória. Por meio das explicações trazidas pelo conferencista foi possível ainda levantar informações das obras de Freire fazendo uma analogia com a atualidade.

Informações valiosas


Para a psicóloga, professora e mestra em saúde coletiva, Dipaula Minotto da Silva, a temática levantada ao longo do evento traz esperança em um momento em que existe tanta dificuldade na diferenciação do que é conscientização e o que é doutrinação. “Como docente vejo essa questão como um constante desafio: transformar conversas em diálogos. Acredito que isso seja algo que precisa ser construído dentro da nossa atribuição. Vejo que meu papel é principalmente o de gerar reflexões, isso que Freire nos convida e traz tanto conhecimento”, comentou.

Conforme o professor Thiago, entre os diferenciais de Paulo Freire está a autocrítica, ação que poucos pensadores fazem. “Ele pensa no que dá para mudar em algo que escreveu no passado. Se percebe uma evolução de pensamento ao longo de suas obras e isso é uma das coisas que chama muito a atenção. Um exemplo é a questão da ideologia de gênero. Em seus últimos livros ele tem o cuidado com a linguagem de gênero. Isso é muito interessante. Ele mesmo se avalia, percebe onde poderia estar pecando e muda, evolui”, explica.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 17 de agosto de 2018 às 09:24
Compartilhar Comente

Atividades de programas de incentivo à formação de novos professores iniciam na Unesc

Atividades de programas de incentivo à formação de novos professores iniciam na Unesc
Alunos de Licenciatura vivenciarão experiências em escolas (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

Os estudantes dos cursos de Licenciatura da Unesc têm a oportunidade de vivenciar o cotidiano do professor ainda durante o período em que estão na Universidade. Por meio dos programas de incentivo à formação de novos docentes Pibid (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência) e Residência Pedagógica, os acadêmicos vão até escolas da região onde interagem com professores e alunos, vivenciam os desafios e as alegrias da docência e recebem bolsas de estudo para desenvolverem as atividades. Os programas oferecem bolsas também para os professores das escolas que irão supervisionar as atividades.

Nesta semana, o grupo de alunos dos cursos de Artes Visuais, Ciências Biológicas, Educação Física, Geografia, História, Letras, Matemática e Pedagogia de cada programa iniciou as atividades com um encontro na Unesc. O cronograma prevê, além da ida às escolas, encontros regulares com professores da Instituição, nos quais os acadêmicos irão repassar as experiências, tirar dúvidas e receber orientações.

Pibid e Residência Pedagógica são programas da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), fundação vinculada ao Ministério da Educação. Na Unesc, os programas são desenvolvidos pela Diretoria de Ensino de Graduação e serão desenvolvidos por 18 meses. Estão envolvidos nestes dois projetos escolas de sete municípios das regiões de Criciúma e Araranguá.

Segundo o diretor de Ensino de Graduação da Unesc, Marcelo Feldhaus, serão mais de 250 bolsistas nos dois programas que, além de realizar atividades de relevância em seu processo de formação docente, têm uma política de permanência nos cursos de graduação com o recebimento de bolsas de estudo. “O Pibid e o Residência Pedagógica são programas que certamente aproximarão nosso acadêmico com a cultura da escola em suas diferentes dimensões, dentro e fora da sala de aula. São experiências formativas que se constituem como um importante espaço de formação inicial (acadêmicos das Licenciaturas) como de formação continuada (professores das escolas campo e da Unesc)”, afirma Feldhaus.

Pibid

O Pibid existe na Unesc desde 2012 e é voltado para estudantes de Licenciatura que tenham completado no máximo 50% do curso. “O objetivo é que se possa oportunizar melhor comunicação e compreensão da dimensão teórica e dos limites e possibilidades de reelaboração contínua da prática docente no cotidiano das escolas, proporcionando momentos de reflexão e de valorização do magistério. Pretende-se, ainda, ampliar o diálogo com mais escolas da região, oportunizando aos docentes condições de realizar avaliações periódicas de suas práticas pedagógicas”, afirma um dos coordenadores institucionais do Pibid, Jéferson Luís de Azeredo.

A aluna da quarta fase do curso de Artes Visuais, Francine Nazário da Silva, faz parte do grupo de estudantes que vai agregar conhecimento para a sua formação por meio do Pibid e se diz entusiasmada com a possibilidade. “O principal motivo que me fez querer participar não foi a bolsa, mas a oportunidade. Ouvi relatos muito positivos de colegas que já participaram. Eles falavam do Pibid com um brilho diferente nos olhos”, conta Francine. “Vejo no Programa é uma oportunidade de estar do lado de fora, na escola, enquanto ainda estou dentro da Universidade. Terei a possibilidade de trocar experiências e aprender muito, ampliar o meu repertório e meu olhar enquanto estudante e futura professora”, complementa.

Residência Pedagógica

O Residência Pedagógica é a novidade na Unesc e é voltado para acadêmicos que já tiverem cursado 50% ou mais da graduação. Em 2018 o programa do Governo Federal realizará suas primeiras atividades no Brasil com universidades federais e algumas comunitárias – no rol das Universidades Comunitárias, a Unesc foi escolhida na seleção pela nota do CPC (Conceito Preliminar de Curso) e pelo currículo dos professores inscritos para o programa.

Segundo um dos coordenadores institucionais do Residência Pedagógica da Unesc, Aurélia Regina Honorato, o programa quer oportunizar ao estudante a vivência no processo de gestão de sala de aula, estabelecendo a necessária relação teoria/prática na abordagem da realidade escolar. “Ele qualifica a iniciação à docência e é um importante instrumento para a formação de professores”, considera.

Já Isadora da Silva Lemos, acadêmica da sexta fase do curso de Pedagogia, faz parte do primeiro grupo da Residência Pedagógica. A aluna já fez parte do Pibid quando estava nas primeiras fases do curso e gostou tanto da experiência que quando soube do novo programa da Universidade, não pensou duas vezes para se inscrever no processo seletivo. “A oportunidade de colocar em prática o que aprendemos na Universidade é importante para a nossa formação. Minhas expectativas são as melhores possíveis no sentido de aprimorar meu conhecimento e vivenciar experiências agregadoras”.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 16 de agosto de 2018 às 12:37
Compartilhar Comente

Necessidades e desafios para a Universidade são debatidos por acadêmicos e Reitoria no Diálogos Unesc

Necessidades e desafios para a Universidade são debatidos por acadêmicos e Reitoria no Diálogos Unesc
Acadêmicos apresentaram as reivindicações dos estudantes para a reitoria (Fotos: Vitor Netto) Mais imagens

Avaliar e debater as realizações da Universidade. Esses eram alguns dos objetivos do segundo encontro do Diálogos Unesc. O segundo momento da ação ocorreu na tarde desta terça-feira (14/8) no auditório Ruy Hülse e contou com a participação de alunos e gestores da Unesc.

De acordo com a reitora da Universidade, Luciane Ceretta, o objetivo do encontro é de ampliar a relação entre a gestão e os acadêmicos. "Aqui estamos dialogando e escrevendo a Universidade. Avaliar o andamento da Instituição e o olhar do estudante é fundamental, pois estes são os olhares dos que estão em todos os lados da Unesc", enfatiza.

Segundo o vice-reitor, Daniel Preve, um dos objetivos da gestão é o relacionamento próximo com os alunos. "A partir de momentos como esse, poderemos construir com várias mãos uma grande Universidade, apontando as necessidades e desafios dos estudantes", ressalta.

Espaço de fala

O Diálogos Unesc tem por temática principal abrir o espaço de fala entre os acadêmicos e a gestão. Segundo a reitora, a proposta é realizar até dois debates como este durante o ano com os acadêmicos, além de encontros com colaboradores e docentes da Instituição. "Queremos abrir o debate para entendermos como está a Universidade e assim melhorá-la", comenta.

Entre os temas debatidos estiveram a evasão e a permanência dos alunos dentro da Universidade, as ações e participações da Unesc para com os cursos de Licenciatura, os desafios da graduação Ead (Ensino à Distância), o atendimento ofertado nas cantinas e no restaurante universitário e os programas e as bolsas de estudo oferecidas para os acadêmicos.

Para o vice-presidente do DCE (Diretório Central dos Estudantes), Luccas Gonçalves, o encontro representa um momento rico para os acadêmicos. "Aqui podemos expor o que pensamos e o que esperamos da Universidade", comenta.

Além da reitora e do vice-reitor, a pró-reitora acadêmica, Indianara Reynaud Toreti, o pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional, Thiago Fabris, o diretor de Pesquisa e Pós-Graduação, Oscar Montedo, o diretor de Ensino de Graduação, Marcelo Feldhaus, a diretora de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, Fernanda Sônego, o gerente do Escritório de Negócios, Henrique Vargas, o gerente do Escritório de Inovação, Evânio Nicoleit, a gestora da Gerência de Atendimento ao Estudante, Mira Dagostin, e a chefe de Gabinete da reitoria, Gisele Coelho Lopes, também participaram do encontro.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 14 de agosto de 2018 às 18:52
Compartilhar Comente

Diálogos Unesc: Acadêmicos e Reitoria discutem sobre necessidades, anseios e reivindicações

Diálogos Unesc: Acadêmicos e Reitoria discutem sobre necessidades, anseios e reivindicações
Momento foi produtivo com a grande participação dos alunos (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

Acadêmicos e equipe da Reitoria estiveram reunidos na noite desta segunda-feira (13/8) para o primeiro momento da ação Diálogos Unesc, no Auditório Ruy Hülse. A proposta, levantada pela Reitoria, foi de proporcionar uma noite especial com a equipe a postos para ouvir comentários, anseios, reivindicações e até apontamentos de ações que tenham bom resultado dentro de cada curso ou setor. Conforme a Reitora Luciane Ceretta, o objetivo é realizar a ação a cada semestre, proporcionando também o momento aos professores, gestores e coordenadores de curso da instituição como forma de dar respaldo e continuidade a proposta, já levantada ao longo da campanha realizada em 2017, de estar próximos da comunidade acadêmica.

O primeiro contato foi de apresentação da própria Reitoria e a equipe que a compõe, salientando a forma com que cada setor se relaciona com os acadêmicos. Após as apresentações os estudantes puderam ficar à vontade para realizarem seus questionamentos, o que rendeu uma conversa de mais de duas horas e meia e uma grande lista de reivindicações e sugestões montada para ser aprofundada posteriormente. “Viemos ouvir muito mais do que apresentar números ou explicações. A Unesc é uma universidade comunitária e esse é um espaço do qual não abrimos mão. Esse contato não tem preço e a lista que montamos hoje será muito importante”, declarou a reitora.

Para o vice-reitor, Daniel Preve, o debate com os alunos é um dos compromissos da chapa, que levantou a campanha "A Unesc que a gente quer" e agora trabalha todos os dias para melhorar cada vez mais os serviços oferecidos. "Todas as decisões que tomamos são analisadas com extremo cuidado pelo compromisso que temos de manter e ampliar a excelência acadêmica da Universidade. Esse contato vem a somar com os nossos objetivos", afirmou.

Grande participação

Entre os assuntos levantados ao longo do diálogo esteve a possibilidade de realização de mais projetos que possam integrar acadêmicos dos mais variados cursos. A universitária Vitoria Maria Vito, do Curso de Biomedicina, foi quem levantou a questão, afirmando que gostaria de poder conviver mais com colegas que, no mercado de trabalho, poderão de alguma forma ter contato com sua função.

“Muitas vezes o aluno não entende o que o seu curso pode ter a ver com o outro, mas tem sim muita coisa. Nós somos todos colegas e acho importante que ações promovam mais envolvimento até para incentivar um maior respeito com relação a outras profissões por meio do entendimento do valor que o colega também vai ter também na sociedade”, comentou. Vitoria aproveitou ainda para agradecer pela possibilidade de poder falar abertamente sobre tantos assuntos pessoalmente com a equipe da Reitoria e levar anseios diretamente para as lideranças da Universidade.

Ainda entre os temas levantados estiveram a possibilidade de criação de uma Pós-Graduação na área de computação dentro da Universidade; a maior utilização da ampla estrutura do Iparque; o incentivo para que mais projetos de extensão possam ser realizadas nas cidades da região; a possibilidade da volta do projeto de Feira das Profissões e as atuais ações realizadas dentro do campus com a intenção de atrair alunos do Ensino Médio para a Unesc; a valorização dos cursos de Licenciatura por meio de ações voltadas ao incentivo para que os adolescentes conheçam mais as possibilidades da formação; uma conversa franca sobre as ações tomadas pela atual gestão para uma contenção de gastos necessária para as finanças da Universidade e os resultados disso nos números atuais; a possibilidade de criar novos critérios para escolha de acadêmicos para os projetos de extensão; entre outras pautas.

O diretor de Ensino de Graduação, Marcelo Feldhaus, o diretor de Pesquisa e Pós-Graduação, Oscar Montedo, a diretora de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, Fernanda Sônego, e a gestora da Gerência de Atendimento ao Estudante, Mira Dagostin, também participaram do encontro. Conforme a Reitora, todas as situações levantadas serão discutidas com a equipe com a intenção de avaliar novas possibilidades e de tornar realidade o máximo de reivindicações possível. 

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 13 de agosto de 2018 às 22:32
Compartilhar Comente

Unesc traz debates sobre os 50 anos da obra Pedagogia do Oprimido

Unesc traz debates sobre os 50 anos da obra Pedagogia do Oprimido
Legado de Paulo Freire norteará os debates nesta quarta-feira (Foto: Divulgação) Mais imagens

Unesc recebe nesta quarta-feira (15/8), professores, estudantes de graduação e de pós, pesquisadores e pessoas da comunidade para debater a vida e a obra do educador Paulo Freire no 5º Colóquio História e Memória da Educação: ​50 anos após a Pedagogia do Oprimido. O evento vai contar com atividades nos três períodos e terá a presença de palestrantes como o professor doutor da ​Universidade Federal da Fronteira Sul, Thiago Ingrassia Pereira​, que vai falar sobre “A atualidade do pensamento pedagógico de Paulo Freire”. O evento ocorre às 19 horas, no Auditório Edson Rodrigues.

A conferência tem como objetivos tratar de conceitos-chave (inacabamento, dialogicidade e transformação social) da proposta pedagógica de Paulo Freire, considerando sua perspectiva educacional emancipatória, além de discutir a atualidade do pensamento pedagógico de Paulo Freire.

Ao longo do evento, os participantes terão acesso às obras de Paulo Freire para a compra e a exposição sobre a vida e obra do autor, bem como a exibição de documentários.

O Colóquio é fruto de uma parceria entre o Grupehme (Grupo de Pesquisa Patrimônio Cultural Histórias e Memórias), Esma (Grupo de Pesquisa Educação, Saúde, Meio Ambiente), Cedoc (Centro de Memória e Documentação da Unesc) e do curso de Pedagogia da Universidade, com o apoio do PPGE (Programa de Pós-Graduação em Educação).

O evento ocorre a cada dois anos e já abordou os temas: História da Infância (2007); História e a Memória Docente (2009); Patrimônio e Cultura Escolar, Cidadania e Desenvolvimento (2011) e Experiências de Preservação do Patrimônio Cultural: Lugares, memórias e Identidades (2016).

Construção coletiva

Segundo a professora do PPGE da Unesc, Giani Rabelo, é preciso fortalecer pensamentos e ações em prol de melhorias para a educação e para o país. “Em 2018 o livro de Paulo Freire, "Pedagogia do Oprimido", completa 50 anos de sua publicação. Esta grande obra, significa para nós educadoras e educadores orgulho e a certeza de que é possível construir algo novo diante de tantos retrocessos sociais que têm roubado a humanidade de brasileiros e brasileiras. Seus escritos nos encorajam para seguirmos na luta em busca de uma escola justa e inclusiva, que alimente a esperança em seus educadores e educandos”, afirma.

Grupehme

Os membros do Grupehme vêm ao longo de suas trajetórias dedicando-se à pesquisa e preservação das variantes do patrimônio histórico educativo de Santa Catarina. Como forma de devolver à sociedade os resultados destes estudos, oferecem palestras, cursos, exposições, publicações, eventos científicos, bem como o Centro de Memória da Educação do Sul de Santa Catarina, no ambiente virtual.

Programação do Colóquio


8h30
Auditór​io Edson Rodrigues (sala 19, Bloco P)
Vídeo e debate sobre Alfabetização em Angicos.
Mediadora​: professora da Unesc Gislene Camargo

13h30
Auditór​io Edson Rodrigues (sala 19, Bloco P)
Mesa-redonda “Educação Libertadora e compromisso social”
Participantes​: professores da Unesc Carlos Renato Carola e Giani Rabelo Mediadora​: Mediadora: professora Janine Moreira

19 horas
Auditór​io Edson Rodrigues (sala 19, Bloco P)
Conferência “A atualidade do pensamento pedagógico de Paulo Freire”
Conferencista: professor da Universidade Federal da Fronteira Sul Thiago Ingrassia Pereira

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 10 de agosto de 2018 às 17:39
Compartilhar Comente