Escritório de Relações Internacionais

Gestores, professores e alunos discutem a internacionalização da Unesc

Gestores, professores e alunos discutem a internacionalização da Unesc
Universidade promoveu primeiro fórum sobre o tema nesta sexta-feira (5/10) (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

O Escritório de Relações Internacionais da Unesc promoveu, nesta sexta-feira (5/10), o primeiro Fórum de Internacionalização da Instituição. Neste primeiro encontro, o foco foi voltado ao tema “Internacionalização em casa”, reunindo gestores, professores e alunos para debater e aprender sobre o tema. No mesmo evento, realizado no Auditório Edson Rodrigues, foi empossado o Comitê Gestor da Internacionalização da Universidade.

Conforme a Pró-Reitora Acadêmica, Indianara Reynaud Toreti, o momento representa um passo de extrema importância para a Universidade. “Nós já temos um movimento de internacionalização, que precisa avançar e ser potencializado. Por aqui, já estão sendo realizados encaminhamentos, como a aprovação da Política de Internacionalização, que prevê a criação do Comitê Gestor. Este grupo tem o desafio de, junto com a comunidade acadêmica, pensar estratégias e definir ações para que possamos ampliarmos essa atuação”, destacou.

De acordo com o coordenador do Escritório de Relações Internacionais, Emílio Streck, a realização do Fórum teve o objetivo de apresentar conceitos novos para alguns profissionais e aspectos para reflexão em conjunto para que a internacionalização vá muito além da mobilidade acadêmica.

Fazem parte do Comitê junto ao coordenador do setor Emilío Streck os pró-reitores Indianara Reynaud Toreti e Thiago Fabris; o diretor de Pesquisa e Pós-graduação, Oscar Montedo; a diretora de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, Fernanda Sônego; o diretor de Ensino de Graduação, Marcelo Feldhaus; o coordenador do curso de Design, João Luiz Rietti, representando os coordenadores dos cursos de graduação; a professora Birgit Harter Marques, representando o corpo docente dos Programas de Pós-graduação; a estudante Carina de Oliveira Teixeira, representante indicada pela APG (Associação de Pós-graduandos) e o acadêmico Alexandre Back, representando os alunos de graduação e indicado pelo DCE (Diretório Central dos Estudantes).

Para a reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta, ver o auditório lotado com profissionais e professores dos mais diversos setores e acadêmicos dialogando e buscando conhecimento, é o caminho para abrir ainda mais as portas para o mundo. “É isso que a gente precisa. Dialogar com essa temática em diferentes lugares da nossa Universidade, de modo que não se torne um setor fechado que vai tratar da comunidade acadêmica e apenas um ou outro assunto ligado às relações internacionais. Esse encontro me dá a tranquilidade de que nós estamos começando a trilhar um caminho ainda mais bacana nesse sentido”, destacou.

Bons exemplos apresentados

O Fórum desta sexta-feira contou com a valiosa troca de conhecimentos, a partir das explanações da jornalista e especialista em Business Enterprise da PUC Paraná, Viviam Escordin do Nascimento, e da ex-coordenadora de Assuntos Internacionais da Univali e integrante da Comissão responsável pela elaboração da Política de Internacionalização na Universidade, professora Maria Elizabeth da Costa Gama.

As duas profissionais, cada uma a sua maneira, puderam contribuir de forma significativa apresentando detalhes do trabalho realizado nas instituições nas quais atuam. Viviam destacou as atividades ligadas ao assunto que estão sendo realizadas há alguns anos na PUC e que passam por constantes melhoramentos. Conforme ela, a questão central a ser pensada ao implantar a internacionalização verdadeira em uma Universidade é o que se pode fazer com o aluno que não tem a oportunidade de fazer uma mobilidade acadêmica, focando, então, no trabalho realizado dentro da própria instituição. “Tudo isso não é algo simples e apresento vários conceitos para o que chamamos de ‘Internacionalização em Casa’. Costumo dizer que isso não é um ato apenas, é um hábito, um processo”, garantiu.

Na visão da professora Maria Elizabeth, buscar meios de internacionalização para a academia permite que todos fujam do perigo de conhecer apenas uma única perspectiva das coisas. “E nisso incluo também as aulas dentro da Universidade e ministradas na Língua Portuguesa, inclusive. Não são só as aulas em outros idiomas que fazem parte desse processo. Se você utilizar recursos pedagógicos, referências entre tantas outras questões, que tragam a ligação internacional, já está de alguma forma cumprindo esse papel”, salientou.

Muito além do idioma e dos conteúdos teóricos, conforme a professora, o objetivo deve ser também abordar crenças, valores, habilidades e culturas. “Assim esse aluno será um cidadão realmente apto a trabalhar naquela área, conhecendo tudo o que envolve o contexto no qual está se inserindo e sempre levando em consideração a adaptabilidade e o respeito com as tradições”, completou.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 05 de outubro de 2018 às 19:40
Compartilhar Comente

Unesc promove Fórum de Internacionalização

Unesc promove Fórum de Internacionalização
Evento tem como tema “Internacionalização em casa” (Foto: Divulgação) Mais imagens

A Unesc promoverá na próxima sexta-feira (05/10) o I Fórum de Internacionalização, que acontecerá no auditório Edson Rodrigues, localizado no Bloco P da Unesc, das 14h às 17h30 e terá como tema a “Internacionalização em casa”. A atividade é considerada estratégica pelo Escritório de Relações Internacionais da Unesc, pois tem como objetivo estimular a comunidade acadêmica realizar ações que podem trazer o mundo para dentro do campus. No evento, também será apresentada a política de internacionalização da universidade.

O Fórum contará com duas palestras, sendo a primeira com a presença da Jornalista e especialista em Business Enterprise, Viviam Escordin do Nascimento, apresentando como tema: A experiência de Internacionalização em casa. A segunda palestra será com Maria Elizabeth da Costa Gama, com o tema: Internacionalização para todos: do discurso à prática. Maria Elizabeth foi coordenadora de Assuntos Internacionais da Univali e foi integrante da Comissão responsável pela elaboração da Política de Internacionalização na Univali, aprovada em 2016.

O diretor de internacionalização da Unesc, Emilio Streck, explica que a ideia é realizar esse evento anualmente, reforçando as estratégias de internacionalização e trazer especialistas para discutir a temática na universidade.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Ana Sofia Schuster 02 de outubro de 2018 às 10:20
Compartilhar Comente

Estudantes da Unesc entre os vencedores do Startup Weekend Criciúma

Acadêmicos dos cursos de Ciências da Computação, Administração, Design, Engenharia Química e Engenharia Civil da Unesc participaram da terceira edição do Startup Weekend Criciúma, realizado de 28/9 a 30/09 na Plurall Coworking. O case Biscato, um aplicativo que localiza prestadores de serviços, desenvolvido para o mercado de Angola, ficou em segundo lugar entre as 13 equipes formadas pelos 100 participantes do evento. Entre os integrantes do grupo estavam os estudantes angolanos Edmundo Nascimento e Aristóteles Lopes. Também integraram o grupo: Bruno Girardi, André Felipe Fraga e Thiago Águida. "A Biscato é uma ideia que surgiu aqui no Brasil devido a atual realidade que Angola se encontra: altíssima taxa de desemprego. Por esse motivo, a maior parte das pessoas necessitam fazer trabalhos autônomos (bicos ou biscato em Angola) para complementarem sua renda familiar", explica Bruno Girardi. O produto criado auxilia a conexão das pessoas que sabem realizar determinado biscato com alguém que necessita fazê-lo. Em apenas 24 horas houveram mais de 60 inscritos com 7 conexões e 1 negócio fechado. Parte da renda obtida será destinada a instituições de ensino técnico em Angola para capacitar jovem. A Unesc também teve seus acadêmicos premiados com a 3ª colocação, com a ideia "Surfwend". Neste grupo, participaram João Paulo Martins, Victor Pedro Moretti, Caio Canarin Mroninski, Gustavo Perito, Gabriel de Bona, Alef Emerich Vieira e Leonardo Salvaro. Outros acadêmicos e egressos da Unesc também estiveram participando, como o Engenheiro Civil, Vitor Pirolla e o aluno da Engenharia Química, Hyan Dias Tavares, com o projeto Retorno Rápido, que ficou com a menção honrosa. Vitor explica que prestigia os eventos buscando pensar e desenvolver ideias que atendam alguma necessidade da sociedade.  

O SW segue uma sistemática desenvolvida pela Techstars, em parceria com o Google, que é aplicada no mundo todo simultaneamente. Na sexta-feira foram apresentadas ideias, sendo 13 validadas e escolhidas para serem trabalhadas no final de semana, finalizando em um MVP (produto mínimo vendável). No final da tarde de domingo foi feito o pitch, que consiste de uma apresentação curta (no caso da SW 3 minutos) com a finalidade de explicar o negócio para os jurados e para o público presente, incluindo os próprios concorrentes e organizadores.

O SW premiou os três primeiros colocados e ainda fez uma menção honrosa. Para o diretor da Plurall Coworking (empresa que sediou o evento no final da semana e é uma das organizadoras), Claiton Pacheco Galdino, a SW é um evento que permite os jovens testarem todas as etapas de construção de um negócio, tendo como base a metodologia disponível e a criação de um negócio do zero. “Eles podem entender exatamente quais são as complexidades que cada uma dessas etapas têm, principalmente, a validação com o mercado e de ter um MVP." explica.

Essa foi a 3ª edição da SW em Criciúma. O evento foi acompanhado pelo Gestor de Inovação da Unesc, Evanio Nicoleit; pelo Diretor de Pesquisa e Pós-Graduação, Oscar Montedo; pela Coordenadora do curso de Ciências da Computação da Unesc, Ana Claudia Garcia Barbosa; pelo professor do curso de Design, Igor Drudi; egressos e acadêmicos da Unesc.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Ana Sofia Schuster 01 de outubro de 2018 às 09:54
Compartilhar Comente

Mobilidade Acadêmica: Estudantes da Unesc podem estudar fora do Brasil

Mobilidade Acadêmica: Estudantes da Unesc podem estudar fora do Brasil
Oportunidade oferece 19 vagas até o dia 5 de outubro (Foto: Divulgação) Mais imagens

França, Espanha, México, Portugal, Uruguai e Perú. Os destinos são muitos e os estudantes da Unesc podem aproveitar o programa de Mobilidade Acadêmica para estudar fora do Brasil. As inscrições podem ser feitas no Escritório de Relações Internacionais até 5 de outubro, de segunda a quinta-feira, das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas, e na sexta-feira das 8 às 12 horas. O espaço fica localizado na sala 1 do Bloco do Estudante e atende pelo telefone (48) 3431-2660.

A oportunidade oferece 19 vagas para os cursos: Arquitetura e Urbanismo, Administração, Comércio Exterior, Engenharia Ambiental e Sanitária, Ciências Contábeis, Direito, Biomedicina, Farmácia, Odontologia, Ciências Econômicas, Fisioterapia, Letras, Artes Visuais, Enfermagem, Geografia, História, Nutrição, Ciências Biológicas, Psicologia e Matemática.

Os estudantes selecionados iniciam os estudos no primeiro semestre de 2019. Confira os destinos e normas de participação clicando aqui.

Seleção

Para realizar a inscrição, o candidato deve ter em mãos uma cópia do RG e do CPF, o histórico escolar original emitido pela Centac e preencher o cadastro no Escritório de Relações Internacionais.

O processo seletivo é realizado pela análise da média geral do histórico escolar do acadêmico. Os estudantes selecionados são submetidos a um novo processo seletivo na Universidade de destino. O resultado final será divulgado em edital no portal Unesc, no dia 9 de outubro.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 21 de setembro de 2018 às 18:32
Compartilhar Comente

Unesc e EF Education First lançam programa de intercâmbio de férias

Unesc e EF Education First lançam programa de intercâmbio de férias
Projeto está entre as ações com a intenção de qualificar alunos e professores (Fotos: Divulgação) Mais imagens

Alunos e professores da Unesc foram apresentados, na noite desta terça-feira (21/8), ao programa de intercâmbio de férias lançado por meio da Unesc e EF Education First. O projeto será colocado em prática a partir do dia 28 de janeiro de 2019, quando o grupo formado na Universidade iniciará a viagem que, conforme os organizadores, promete mudar as suas vidas. O destino será a Inglaterra para estudos na escola EF Brighton.

Conforme o representante da EF Santa Catarina, Marcelo Zarur, o pacote oferecido ao grupo da Unesc é especial e pensado especialmente para ser um programa acessível do ponto de vista econômico financeiro e com conteúdo em quantidade interessante. “Serão 17 horas de aula por semana, totalizando 34 horas, o que é equivalente a um semestre de aulas semanais de idioma, por exemplo. É uma carga horária expressiva e que possibilita, com engajamento do aluno, é claro, um grande avanço”, explica.

Estar totalmente imerso na cultura e no idioma diferentes por aproximadamente 15 dias, conforme o coordenador do Escritório de Relações Internacionais da Unesc, professor doutor Emílio Streck, representa um crescimento muito significativo no aprendizado. “Isso é o grande diferencial de estar lá vivendo todo esse universo. O ambiente e a necessidade de se comunicar fazem com que o desenvolvimento na nova língua seja bem expressivo. É uma forma de expandir os horizontes”, comenta.

Para que alunos e professores da Universidade possam participar basta que realizem um teste de nivelamento, que dividirá as turmas em seis níveis de domínio em cada uma das subdivisões: iniciante, intermediário e avançado. “Não é necessário que o aluno já tenha bom domínio da língua. Estudantes de todos os níveis mostram aproveitamento muito bom, cada um da sua forma”, comenta Zarur.

A experiência

De acordo com representante da EF, além de todas as possibilidades de ensino dentro da escola, que também é referência internacional, o projeto possibilitará que os participantes aproveitem o que a cidade e a região terão a oferecer. “Dentro das escolas os estudantes ficarão aproximadamente quatro horas por dia, então o restante do tempo poderá ser utilizado também para conhecer a cidade e a cultura local na prática”, completa.

A residência estudantil oferecida no pacote especial da Unesc, a EF International House, conforme Zarur, foi reformada recentemente e oferecerá muito conforto para os dias de intercâmbio. “Isso sem contar que é um espaço exclusivo para alunos EF e é muito bem localizado”, explica.

O domínio do idioma

Estar preparado para se comunicar por meio da língua inglesa, de acordo com Streck, é considerado fundamental e tudo o que venha a somar no objetivo de dominar o idioma é extremamente válido. “Isso é um dos critérios básicos de seleção para muitos projetos. Na Unesc temos a intenção de ampliar, já em um futuro próximo, os investimentos no que diz respeito ao ensino em inglês. Precisamos estimular cada vez mais esse aprendizado, pois esta é a língua franca”, comenta.

A oportunidade ofertada pela EF em parceria com a Unesc, para Zarur, é um empurrão perfeito para quem tem a vontade de estar bem qualificado. “O aprendizado do idioma já é algo básico para os profissionais. De alguma forma as pessoas precisam começar a ir em busca disso e esse é um tiro certo para esse começo”, completa.

Saiba mais

Os valores e detalhes do pacote completo podem ser conferidos diretamente com o Escritório de Relações Internacionais da Unesc no telefone (48) 3431-2660 ou com a empresa LinkTur no telefone (48) 3439-3994.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 22 de agosto de 2018 às 15:26
Compartilhar Comente (1)