Laboratório de Psiquiatria Translacional

Evento na Unesc aborda os avanços no tratamento e no diagnóstico do transtorno bipolar

Evento na Unesc aborda os avanços no tratamento e no diagnóstico do transtorno bipolar
Simpósio de Psiquiatria reúne estudantes e pesquisadores de diversos estados brasileiros (Fotos: Milena Nandi) Mais imagens

Para dialogar sobre os avanços no tratamento e no diagnóstico do transtorno bipolar, a Unesc iniciou nesta sexta-feira (26/9), a 17ª edição do Simpósio de Psiquiatria Translacional na Interface Cérebro e Mente. No evento, pesquisadores, profissionais, professores e estudantes poderão debater e compartilhar conhecimentos sobre estudos que abrangem os mais diferentes aspectos relacionados ao transtorno bipolar, a terceira doença mental mais incapacitante.

Realizado anualmente pelo Laboratório de Psiquiatria Translacional, ligado ao PPGCS (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde) da Unesc, o Simpósio promoverá até sábado (27/9), mais de 20 atividades, entre palestras, rodas de conversa e sessão de perguntas.

Segundo a coordenadora do Simpósio, o evento já é referência para a região Sul na área de psiquiatria. Segundo Samira, muitos pacientes são diagnosticados e tratados erroneamente, o que por muitas vezes acaba gerando complicações no quadro. “A ideia é dar a oportunidade para que estudantes e profissionais da área da saúde tenham acesso a informações relevantes e que colaborem para aprofundar o conhecimento da doença e como consequência, a melhoria do diagnóstico e tratamento”, afirma.  

A abertura oficial do evento ocorreu na noite desta sexta-feira, e contou com a presença do coordenador do PPGCS, Felipe Dal Pizzol, da coordenadora do Simpósio, Samira Valvassori, da representante do Laboratório de Psiquiatria Translacional, Alexandra Zugno e da professora e pesquisadora do PPGCS, Gislaine Réus – que apresentou a segunda rodada de palestras.

Programação extensa e rica

As atividades tiveram início na tarde desta sexta-feira, com duas rodadas de palestras e sessões de perguntas. No período, o tema “Psicopatologia do Transtorno Bipolar”, foi abordado pelo médico psiquiatria Marcelo Daudt Von Der Heyde e “Evidências Orgânicas do Transtorno Bipolar”, pelo também psiquiatra Alexandre Bello. Além disso, o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e diretor técnico adjunto da Hospital Psiquiátrico São Pedro, Eduardo Daura Ferreira, falou sobre “Pródromos e Estados de Risco para Transtorno Bipolar: Oportunidades para Prevenção”.

Na segunda rodada de palestras, Ferreira abordou o tema “Alterações da Microbiota Intestinal no Transtorno Bipolar”. “Microbiota é o que temos dentro de nós de bactérias e vírus. Temos 100 trilhões disso dentro do organismo e 95% está no trato gastrointestinal. E a microbiota intestinal está associada a doenças que afetam diversos órgãos do ser humano. Ela vai mudando a constituição ao longo dos anos e a relação que se estabelece diferente é que é problemático para a sinalização para o cérebro e o desenvolvimento de doenças”, comenta.

Já o médico psiquiatra e membro internacional da Associação Europeia de Psiquiatria e da Associação Americana de Psiquiatria, Luiz Henrique Junqueira Dieckmann, falou sobre “Aspectos Genéticos e Epigenéticos do Transtorno Bipolar”. Segundo o palestrante, o transtorno bipolar é uma doença que até hoje intriga a comunidade científica, que em função das diferentes formas de manifestação, está, assim como as demais doenças mentais, passando por uma reclassificação.

De acordo com Dieckmann, a doença acomete de 0,5% a 2% da população mundial e se caracteriza por fases. É um dos principais transtornos da psiquiatria e é caracterizado por períodos de humor, atividades, energia elevados, que em sua forma grave são chamados de mania e na mais branda, de hipomania. Normalmente, alternam-se com período de baixo humor atividades e redução de prazer chamados depressões, sendo essas fases mais frequentes ao longo de sua evolução.

“Antigamente se achava que era evolução benigna, já que parecia que depois que o paciente saia da crise, ele voltava aí normal. Mas quanto mais ocorre a crise, menos intervalos entre um quadro e outro vai ocorrendo. E vai cada vez menos elas vão dependendo de fatores externos para acontecer. E cada vez que ela ocorre, vai causando danos ao cérebro. Por isso, quanto mais se conseguir evitar a progressão da doença, melhor para o cérebro da pessoa com transtorno bipolar”.  

O pesquisador afirma que em geral, o transtorno bipolar vai eclodir no final da adolescência e no início da fase adulta e que o uso de drogas lícitas e ilícitas parecem ser fatores epigenéticos para o desenvolvimento de doenças mentais, incluindo o transtorno bipolar. Além disso, estudos apontam que episódios de abuso, traumas, e estresse na infância são importantes no desenvolvimento de doenças mentais no futuro, como a depressão. “A mensagem que posso deixar aos pais é que cuidem de seus filhos. Mais que pensar no que ele vai ser no futuro profissional, se preocupem com a saúde mental deles. Estamos delegando a educação dos filhos para outras pessoas. Trabalhando muito e deixando nossos filhos serem criados com a nossa ausência. Isso tido pode causar problemas sérios na saúde mental das crianças”, alerta.

Após a segunda rodada de palestras, ocorreu a abertura oficial do evento e a palestra que marcou o encerramento do primeiro dia das atividades. “O Céu da Pseudofelicidade, O Inferno da Tristeza Profunda: Como é ter o Transtorno Bipolar” foi o tema tratado pela escritora, palestrante e estudante de Psicanálise, Manoela Serra.

Em sua fala, Manoela, que tem transtorno bipolar e relatou a sua experiência com a doença nas obras “O Diário Bipolar” e o e-book “Os Olhares de Letícia: Uma Vida em Duas Cores”, contou como foi o período antes de ter o diagnóstico médico correto e tratamento compatível com a doença que possui, as dificuldades na vida familiar e profissional, o preconceito vivido e como falar sobre a doença a ajudou.

A palestra de Manoela teve a mediação da doutoranda em Ciências da Saúde da Unesc, Daiane da Rosa e a participação dos palestrantes do evento, Marcelo Daudt Von Der Heyde, Eduardo Daura Ferreira e Marcelo Basso de Sousa.

Saiba mais

Milena Nandi - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing 

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

27 de setembro de 2019 às 21:43
Compartilhar Comente

Deixe um comentário

Ouça o que está escrito