imagem do site

Apresentação

Por Direitos Humanos compreendem-se os direitos básicos de todos as pessoas, entre eles os direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais. No entanto, apesar de todo aparato teórico, ainda vivenciamos situações que demonstram violações destes direitos fundamentais, através da violência e da discriminação.

E neste cenário a Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, enquanto universidade comunitária tem o comprometimento de intervir positivamente nesta realidade, de forma transversal, no âmbito do ensino, da pesquisa e da extensão. Neste contexto percebe-se a necessidade de construirmos um olhar com a comunidade acadêmica para a temática dos direitos humanos, vinculado as populações vítimas de discriminação, através do racismo, lgbtfobia, capacitismo e de todos os tipos de discriminação e preconceito, aliado a articulação com os movimentos sociais e os conselhos de direitos.

Assim nasce coletivamente a ideia da construção do Programa DIDH, pois a Universidade, do importante local que ocupa enquanto espaço de construção do conhecimento tem muito a contribuir nestas questões, e a sistematização deste trabalho está posto aqui.

Objetivo Geral

Articular e estimular iniciativas universitárias para a promoção dos direitos humanos e para a inclusão das diversidades das populações vítimas da discriminação, no âmbito do ensino, pesquisa e extensão, bem como com os movimentos sociais da região (AMREC e AMESC), colaborando com a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Objetivos Específicos

a) Abordar o tema dos direitos humanos e da cidadania como tema transversal junto a comunidade acadêmica promovendo a discussão no âmbito do ensino, da pesquisa e da extensão, bem como na qualificação (ou educação permanente) das/os profissionais;
b) Dialogar com os movimentos sociais e com a sociedade em geral através da realização de ações de promoção e prevenção em direitos humanos, proporcionando maior qualidade de vida das pessoas vítimas de discriminação, inclusive a discriminação interseccional (negros/as, pessoas com deficiência, pessoas LGBTs, crianças, pessoas idosas, dentre outras)
c) Construir um espaço coletivo de diálogo com a comunidade acadêmica, de acordo com a proposta de educação popular de Paulo Freire, estimulando a pesquisa e a extensão, relacionando-as a práxis, contribuindo para a superação de preconceitos e a promoção de uma cultura de paz;