PPGCS - Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde

Meleiro tem Plano de Desenvolvimento Socioeconômico lançado com grandes expectativas

Meleiro tem Plano de Desenvolvimento Socioeconômico lançado com grandes expectativas
Fotos: Mayara Cardoso/Agecom/Unesc Mais imagens

Chegou a vez de Meleiro celebrar um passo significativo na caminhada para o desenvolvimento socioeconômico acelerado. Nesta segunda-feira (02/05), a chuva que insistiu em cair em toda a região não foi o suficiente para afastar a comunidade do Lançamento do Plano de Desenvolvimento Socieconômico, primeiro passo do projeto realizado pela Unesc em parceria com o Sebrae e a Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (Amesc).

A metodologia a ser aplicada pela Unesc ao longo dos próximos meses foi apresentada pela pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da Unesc, Gisele Coelho Lopes. Apesar de dominar as técnicas de planejamento e de análise de dados, conforme Gisele, não será a Unesc a responsável pelo sucesso da ação. “Nós iremos nortear esse processo, mas ele será um sucesso graças ao envolvimento de todos vocês que estão aqui no lançamento e dos que estarão conosco nas próximas etapas de trabalho. Unesc, Sebrae/SC, Amesc e Município estão unindo forças para esse resultado. Quando grandes atores como essas se unem em prol de um objetivo os frutos são inevitavelmente bons”, destacou no evento.

A noite de lançamento do sexto Plano entre os municípios da Amesc, para Gisele, marca mais um momento de grande honra para a Universidade. “A cada encontro como este me sinto privilegiada por podermos estar juntos dos municípios pensando de forma consciente o cenário no qual queremos estar daqui a dez anos. Cada uma das pessoas que participar estará ajudando a definir as rotas a serem percorridas para alcançar os objetivos vislumbrados”, pontuou.

Em mensagem transmitida no evento, a reitora Luciane Bisognin Ceretta deixou também seu recado à comunidade de Meleiro. “Tenho certeza de que o Plano de Desenvolvimento será um divisor de águas para esta cidade de povo guerreiro e engajada. Estamos juntos nesse desafio, ancorados em instituições dispostas a dar o seu melhor pelo objetivo comum. Contem conosco sempre”, enfatizou Luciane.

Oportunidade ímpar

A expectativa no Município é das melhores. Ao menos é o que garante o vice-prefeito Pedro Luiz Schuvartz, que vê no desafio uma grande oportunidade. “Não é algo que já vem elaborado. Não vem em um pacotinho. Vai ser feito com a participação do município, do empresário, agricultor, do varejista. Acho que isso é o mais importante. Se precisamos crescer e sermos melhores, vamos começar com nós mesmos e com planejamento”, pontuou.

Para o prefeito Eder Mattos, este é o momento de analisar os motivos que fizeram com que a cidade deixasse de se desenvolver e, paralelamente, aprender com as lideranças para tomar atitudes ainda mais acertadas daqui em diante. “Cabe neste momento a comparação com os demais municípios e o resgate histórico. Se olharmos os dados atuais vamos observar que Meleiro se destaca em muitas áreas, fruto da dedicação do povo daqui. Nossa raça é trabalhadora e é por ela também que precisamos prospectar o futuro”, acrescentou.

Representando a Regional Sul do Sebrae/SC, Marcos Tondin destacou o significado da participação ativa da comunidade no evento. “Vocês todos poderiam estar confortáveis em casa neste dia de frio e chuva, mas estão aqui dispostos a participar de um movimento que olha para o futuro. Tenho certeza de que é esse empenho que fará a diferença para o sucesso dessa iniciativa na qual Unesc e Sebrae estão juntos dos municípios”, pontuou, enaltecendo ainda a beleza da apresentação que marcou a abertura do evento.

Do TCC à realidade

A egressa do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unesc, Cristina Zeni, natural de Meleiro, já é uma representante ativa da Universidade no Município. Ela estudou minuciosamente um Plano de Mobilidade Urbana como tema do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da graduação e já apresentou no gabinete do prefeito para implementação na cidade. Na noite de lançamento do Plano, a egressa e o prefeito apresentaram ao público o projeto e mostraram que a pesquisa já será valiosa para as diretrizes que serão definidas a partir de agora.

Para Cristina, ver seu projeto sendo apresentado em um evento de tamanha importância e, principalmente, vislumbrar sua implementação, é emocionante. “Fiquei realmente emocionada vendo meu trabalho sendo levado em consideração dessa forma. É muito bom ser ouvida e saber que meu estudo poderá ajudar na prática de uma cidade melhor”, destacou.

A participação da profissional é motivo de inspiração para o adolescente Gabriel Cauã Longaretti Toldo, presidente do Grêmio Estudantil da Escola Inês Tonelli Nápoli, de Araranguá, que cediou o evento. O aluno da rede municipal de ensino foi convidado a compor a mesa de autoridades da noite e aproveitou a oportunidade. “Acho muito importante participarmos desses encontros e das decisões que farão parte do nosso futuro. Vou incentivar a todos os jovens que participem dos workshops e acompanhem de perto este projeto que fará a diferença na vida de todos nós”, pontuou.

Esporte e arte

Os participantes foram presenteados com a participação especial do Grupo de Capoeira Armada Brasil, formado por crianças do Grupo de Convivência do CRAS 1 de Meleiro.

O próximo encontro de trabalho do Plano de Desenvolvimento Socioeconômico será realizado no dia 17 de maio às 14h de forma virtual para o primeiro Workshop.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

03 de maio de 2022 às 12:05
Compartilhar Comente

Presidente do DCE da Unesc assume conselho de estudantes da Acafe

Presidente do DCE da Unesc assume conselho de estudantes da Acafe
Foto: Divulgação Mais imagens

O presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), da Unesc, Vittor Teixeira, assumiu a presidência do Conselho dos DCE’s da Acafe. Ele permanece no cargo até o fim de 2022. “O meu nome foi escolhido em reunião realizada em Itajaí. Permanecerei nesta função até o fim do ano”, salienta Teixeira.

O conselho representa todos os DCEs das Universidades Comunitárias, integrantes do Sistema Acafe, e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Antes de Teixeira, o presidente era Leandro Freitas, do DCE da Univale, que estava no cargo desde o ano passado. “Fico muito honrado e feliz em poder representar a Unesc neste espaço e poder também fortalecer as lutas das comunitárias. Presidir o conselho será um grande desafio e vai exigir muita responsabilidade e trabalho, o qual me sinto muito confortável para encabeçar, pois os conselheiros são muito presentes e atentos às demandas dos estudantes”, enfatiza.

Vittor foi eleito presidente do DCE da Unesc após receber 1.919 votos, em eleição realizada no ano passado. “Ficamos felizes pelo reconhecimento do nosso movimento estudantil, tendo como resultado a escolha para presidir o Conselho dos DCE’s da Acafe. É um reconhecimento que nos enche de orgulho, pois os alunos nos ajudam a construir o ser e o fazer de uma Universidade Comunitária como a Unesc”, destaca a Reitora Luciane Bisognin Ceretta.

Bandeira

Teixeira revela que a principal bandeira frente ao conselho será ampliar a defesa do Programa Uniedu e continuar dialogando com os DCE’s da Acafe. “Tudo isso para garantir a manutenção do 90/10 das bolsas Uniedu, que são fundamentais para a permanência estudantil e manutenção das nossas universidades, que todo recurso investido reverte para a comunidade através dos seus programas de pesquisa e extensão”, pontua.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

03 de maio de 2022 às 11:58
Compartilhar Comente

Egresso compartilha experiências sobre pós-doutorado na Austrália

Egresso compartilha experiências sobre pós-doutorado na Austrália
Roger Varela atua no Queensland Brain Institute (Foto: Samira Valvassori/ Reprodução) Mais imagens

A experiência do egresso do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS) da Unesc Roger Varela serviu de inspiração para colegas pesquisadores da Universidade nesta sexta-feira (1/4). Em passagem pela região, Roger participou de atividades com a equipe do Programa, compartilhando informações úteis sobre as oportunidades de pesquisa do exterior e vivências possibilitadas nestes anos de estudos na Austrália e nos Estados Unidos.

A bagagem colecionada por meio do estudo fora do país, conforme o pesquisador, é imensurável. “Indico a todos que tentem viabilizar a participação em um doutorado sanduíche ou as opções nas quais todo a pesquisa é feita no exterior. A experiência pessoal e profissional que ganhamos nesses desafios é muito significativa”, destacou.

As possibilidades de bolsas, conforme o profissional, dividem-se entre as de fomento nacional ou internacional, tendo trâmites diferentes para cada uma delas. “O importante é buscar contatos com professores e orientadores para que auxiliem nessa rede que eles já conquistaram pelo mundo. Isso faz toda a diferença”, salientou.

Entre as sugestões deixadas aos colegas, Roger recomendou dedicação integral ao trabalho durante o tempo de intercâmbio, além do estudo da língua inglesa. “Trabalhem muito. Foi no que apostei. Me dediquei ao máximo, mesmo sabendo das possibilidades de conhecer mais o país e fazer turismo. Fiquei horas e horas no laboratório, consegui produzir muito e foi isso que me abriu portas. Pensem que esse período deve ser dedicado de corpo e alma à pesquisa. Vale a pena”, completou.

Para Samira Valvassori, pós-doutora e orientadora de Roger enquanto mestrando e doutorando, recebe-lo para o compartilhamento de experiências é um grande orgulho. “Que honra tê-lo conosco e podermos ouvir de perto aquilo que vem vivendo e aprendendo na Austrália. Esse é um exemplo de sucesso daqueles que fazem nosso trabalho como professores e incentivadores da pesquisa valerem ainda mais a pena”, comenta.

Roger integra o Queensland Brain Institute (QBI), laboratório que estuda a neuromodulação funcional e terapêutica na cidade de Brisbane, capital de Queensland.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

01 de abril de 2022 às 15:25
Compartilhar Comente

Webinar discute abordagens, pesquisas e vivências em torno do espectro autista

Webinar discute abordagens, pesquisas e vivências em torno do espectro autista
Evento virtual foi promovido pelo Laboratório de Pesquisa em Autismo e Neurodesenvolvimento da Unesc (Reprodução) Mais imagens

O que há de mais atual nas abordagens multidisciplinares no acompanhamento de pessoas dentro do espectro esteve em pauta na noite desta quarta-feira (30/3) no terceiro Webinar “Autismo – Fazendo sentido em meio ao caos”, promovido pelo Laboratório de Pesquisa em Autismo e Neurodesenvolvimento (Land) da Unesc.

O encontro reuniu profissionais e acadêmicos das mais diferentes áreas com foco na aprendizagem em torno do atendimento aos pacientes com transtorno do espectro autista. Entre os convidados a compartilhar conhecimentos científicos dentro da pauta estiveram a psicóloga e neurocientista Mayra Gaiato, o neuropediatra Marcelo Masruha e influenciadora Daniela Sales, uma das grandes produtoras de conteúdo sobre o autismo do ponto de vista do próprio paciente.

A Análise de Comportamento Aplicada e estratégias naturalistas utilizadas com eficiência no acompanhamento de pacientes, a teoria sobre os mecanismos causadores do autismo o olhar do paciente e seus desejos diante de um mundo caótico foram apresentados pelos painelistas, convidados ainda a responder questionamentos enviados pelos espectadores da noite.

De acordo com a coordenadora do Land, Cinara Ludvig Gonçalves, o encontro realizado na semana na qual é celebrado o Dia de Conscientização sobre o Transtorno do Espectro Autista (1º/4), é preparado com muito carinho como forma de contribuição da academia. “Aqui nós reunimos todos os esforços científicos para entender um pouco mais sobre o autismo e a melhor forma de atender e diagnosticar os casos”, frisou, apresentando ainda as pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório dentro da temática.

Abordagem naturalista entre os temas

Entre os destaques da noite esteve a apresentação da psicóloga e neurocientista, que levantou o debate sobre a mudança no conhecimento sobre as formas de abordagem dos pacientes ao longo dos anos. “As questões sensoriais foram deixadas de lado em busca de resultados palpáveis e visíveis em crianças com comunicação não verbal ou dificuldade de expressar essas sensações. Agora essas crianças do passado já são adultos e podem, melhor do que ninguém, nos falar sobre isso. São pessoas que desenvolveram repertórios importantíssimos de socialização, de comunicação e até acadêmicos, mas que trazem traumas e consequências emocionais pelo fato de as sensações terem sido desconsideradas na aplicação de programas”, destacou Mayra.

Conforme a pesquisadora, já é indiscutível a eficácia dos métodos baseados na ciência da Análise de Comportamento Aplicada. “São as abordagens que têm os melhores resultados na ampliação de repertórios adequados e na redução de comportamentos e situações que podem ser entendidos como aqueles que trazem sofrimento para a criança e para a família. É oferecer o vínculo humanizado proporcionando estímulos, que vão ajudar no aprendizado, mas de forma agradável para quem aplica e para quem recebe. O primeiro passo das estratégias naturalistas é olhar para essa criança de verdade, valorizando e entendendo o que ela gosta”, afirmou.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

30 de março de 2022 às 21:46
Compartilhar Comente

No Dia do Transtorno Bipolar, pesquisadora da Unesc fala sobre a importância do diagnóstico e do tratamento

No Dia do Transtorno Bipolar, pesquisadora da Unesc fala sobre a importância do diagnóstico e do tratamento
A professora faz parte do Grupo de Pesquisa de Transtorno Bipolar, do Laboratório de Psiquiatria Translacional da Unesc (Fotos: Daniela Savi/AgeCom) Mais imagens

Marcado por alterações de humor, que se oscilam entre episódios de depressão e hipomania e ou mania, o Transtorno Bipolar acomete entre 1% a 2% de pessoas em todo o mundo, o equivalente a 140 milhões de pessoas, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), e é um dos transtornos mentais mais graves existentes. Por isso, no Dia Mundial do Transtorno Bipolar lembrado nesta quarta-feira (30/03) a professora doutora Samira Valvassori, que coordena o Grupo de Pesquisa em Transtorno Bipolar, do Laboratório de Psiquiatria Translacional, do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS) da Unesc, fala sobre a importância de estimular a busca pelo tratamento, minimizando os efeitos do transtorno e promovendo o equilíbrio emocional.

A pesquisadora conta que o transtorno acomete tanto homens quanto mulheres e pode se manifestar especialmente na virada da adolescência para a idade adulta com gatilhos ou primeiros episódios. Conforme ela, o transtorno é caracterizado por mudanças importantes no humor nas quais o paciente experimenta oscilações de humor, que giram em torno de episódios de mania e depressão. Às vezes ocorrem estados mistos quando o paciente apresenta no mesmo dia, mania e depressão. A mania se caracteriza pela euforia, hiperatividade, grandiosidade, por gastos excessivos e por comportamentos de risco. Já a depressão se caracteriza pela falta de prazer, tristeza profunda, perda de sono e outros sintomas. “É importante ressaltar que para marcar o diagnóstico, essas alterações de humor precisam ser importantes o suficiente para prejudicar a vida social do indivíduo, o trabalho ou o convívio familiar”, pontua.

Segundo Samira, a causa exata do transtorno bipolar não é conhecida. O que se tem são hipóteses. “Acredita-se que o desenvolvimento dessa condição médica seja influenciado por uma combinação de fatores, como genética, hábitos de vida e meio ambiente. Entretanto, supõe-se também que nem toda a pessoa que tem o substrato genético vá desenvolver a condição e que o meio ambiente vá contribuir para o desenvolvimento”, analisa.

A professora doutora ressalta ainda a importância da ajuda de profissionais para o diagnóstico e tratamento permitindo que ele tenha uma vida normal. Portanto, o diagnóstico é feito por meio de entrevista clínica com psiquiatra e o tratamento conta com medicamentos que atuam como estabilizadores do humor, impedindo que haja novos episódios de humor. O tratamento deve também contar com terapia com psicólogo que, dentre outras coisas, ajuda o paciente a entender quando terá novos episódios de humor, como funcionam as medicações e a importância do tratamento.

Além do tratamento com psiquiatra e psicólogo, profissionais da área da Educação Física e Nutrição também devem ser incluídos na equipe multiprofissional para o tratamento do Transtorno Bipolar. Estudos mostram que mudanças no estilo de vida, como o fim do consumo de substâncias psicoativas, como cafeína, anfetaminas, álcool e drogas, o desenvolvimento de hábitos saudáveis de alimentação e de sono e a redução dos níveis de estresse ajudam substancialmente no tratamento.

Diagnóstico precoce

De acordo com Samira, o diagnóstico precoce é importante para prevenir a deterioração física e cognitiva associado ao transtorno, além de melhorar a qualidade de vida da pessoa. “Estudos mostram que existe uma progressão da doença, o que acarreta no agravamento dos episódios de humor”, analisa Samira, observando ainda que o preconceito está entre as principais dificuldades enfrentadas pelas pessoas portadoras de transtorno bipolar.

Conforme ela, o sonho de qualquer pesquisador é descobrir um diagnóstico mais efetivo. “Atualmente, temos a entrevista clínica. Entretanto, não existe um exame laboratorial para o diagnóstico da bipolaridade, mas, para descobrirmos precisamos saber quais as alterações fisiopatológicas específicas acontecem nessa condição clínica. A esperança é que a cada dia que passa estamos evoluindo nas pesquisas”, projeta.

Pesquisa em Criciúma

Atuando há 20 anos na pesquisa pré-clínica com animais experimentais e na pesquisa clínica com pacientes, o grupo, o primeiro no mundo que conseguiu desenvolver um modelo animal de transtorno bipolar, em que um mesmo animal apresenta comportamentos do tipo depressivos e do tipo maníaco, visa entender aspectos da fisiopatologia do transtorno e testar novos fármacos. “Na parte pré-clínica buscamos testar substâncias com potencial estabilizador de humor. Já com pacientes, buscamos entender como as alterações a nível celular e comportamental se interligam”, afirma Samira.

A professora explica ainda que o grupo composto por professores e alunos de mestrado, doutorado e de iniciação científica, está fazendo um mapeamento nas Unidades de Saúde do Município de Criciúma, nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e nas clínicas particulares da cidade com a intenção de avaliar o número de pessoas com transtorno bipolar na cidade. “Essa pesquisa deve ficar pronta no início do próximo ano e vai auxiliar no diagnóstico e no tratamento, o que é muito importante e fundamental para a população”, finaliza.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

30 de março de 2022 às 08:28
Compartilhar Comente