Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão

Projeto de Extensão da Unesc levará mais cidadania a comunidades em Forquilhinha

Projeto de Extensão da Unesc levará mais cidadania a comunidades em Forquilhinha
Ação tem a parceria da Prefeitura Municipal, Associação de Moradores e da ONG Cata Vento (Foto: Divulgação) Mais imagens

Agregando conhecimentos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Engenharia de Agrimensura e Engenharia Civil, a Unesc pretende colaborar com o bem estar de comunidades de Forquilhinha. Por meio do Projeto de Extensão EMI (Escritório Modelo Interdisciplinar), a Universidade realiza um projeto urbanístico e arquitetônico de espaço social e comunitário em área pública municipal do Bairro Nova York, em Forquilhinha.

O foco da ação, que tem apoio da Prefeitura, da Associação de Moradores e da ONG Cata Vento Coletivo Cultural de Forquilhinha, é voltado à atuação em projeto de urbanização e de implantação de equipamentos de cultura, esporte e lazer, em área pública, destinada aos moradores dos bairros Nova York, Ouro Negro e Vila Franca.

Um dos primeiros encontros com a comunidade, para o início do desenvolvimento das atividades, foi realizado nesta quinta-feira (4/10). Neste contato inicial a comunidade foi dividida em grupos para pensarem e formularem proposições de melhorias voltadas as crianças, aos jovens, aos adultos, aos idosos, a homens e mulheres, formando cartazes com seus destaques.

O projeto tem a participação dos professores Jorge Luiz Vieira (coordenador da ação), Evelize Chemale Zancan e Vanildo Rodrigues. Colaboram ainda com as atividades os acadêmicos bolsistas Eloiza Neves, Sara Arns Camilo e João Otávio Damázio. Como estagiário, atua o aluno Jardel da Silva Serafim e como voluntário Mateus Nazário Filisbino.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 05 de outubro de 2018 às 21:07
Compartilhar Comente

Unesc inicia projeto “Leitura literária com detentos: uma contribuição para a cidadania”

Unesc inicia projeto “Leitura literária com detentos: uma contribuição para a cidadania”
Projeto de Extensão leva oportunidade de aprendizado até o Presídio Santa Augusta (Foto: Divulgação) Mais imagens

Esta quinta-feira (4/10) marcou o início de uma oportunidade valiosa oferecida aos detentos do Presídio Santa Augusta, em Criciúma. Nesta data, foi oficialmente iniciado o Projeto de extensão “Leitura literária com detentos: uma contribuição para a cidadania”, do Programa de Extensão Território Paulo Freire da Unesc. A ação é mais uma atividade que levará conhecimento para além do campus e tem objetivo de oferecer o contato com a literatura no espaço carcerário.

Conforme uma das professoras do curso de Letras participante do projeto, Cibele Freitas, a leitura pode contribuir para o resgate da cidadania dos reclusos, transformando e promovendo uma redescoberta da aprendizagem. “Além disso, essa iniciativa prevê também uma contribuição para o projeto "Despertar pela leitura”, o qual é realizado pelo Estado no Presídio, e tem como proposta a leitura de livros e elaboração de resenhas com fins de remição da pena, conforme assegura a Lei de Execução Penal”, destacou.

Ao receberem a proposta de participar das atividades semanais, de acordo com a professora, os detentos se mostraram interessados e formaram inclusive uma fila de espera para ingressarem no grupo. “A princípio serão dez participantes por encontro e iremos atendendo essa demanda. A cada semana iremos discutir textos literários, fazendo com que eles, das mais variadas escolaridades, consigam interpretar e consigam escrever seus próprios textos, transformando-os também como cidadãos”, completou.

Participam ainda das atividades do projeto o professor Richarles de Carvalho e duas estagiárias, todos do curso de Letras, e a professora Janete Trichês, do curso de Direito.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 04 de outubro de 2018 às 16:20
Compartilhar Comente

Unesc apresenta projetos de extensão no Conselho Nacional de Saúde

Unesc apresenta projetos de extensão no Conselho Nacional de Saúde
Professora Ioná Vieira Bez Birolo representou a Universidade (Foto: Divulgação) Mais imagens

­A Unesc esteve representada, nesta semana, no Conselho Nacional de Saúde. A responsável por levar ações da Universidade à Brasília para compartilhar a nível nacional foi a professora Ioná Vieira Bez Birolo, representando a pró-reitora Acadêmica, Indianara Reynaud Toreti.

A professora abordou, na quarta-feira (12/9), a importância da extensão universitária para o fortalecimento do SUS (Sistema Único de Saúde), destacando os mais de 200 projetos realizados por acadêmicos e professores da Unesc.

Conforme Ioná, a oportunidade foi aproveitada para apresentar o universo que envolve a Unesc. “Destacamos um pouco do contexto da nossa Universidade Comunitária e como, à partir das suas experiências exitosas em Extensão, ela transforma a região em que está inserida”, pontuou.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 13 de setembro de 2018 às 19:16
Compartilhar Comente

Comunidade conhece atuais projetos do Território Paulo Freire

Comunidade conhece atuais projetos do Território Paulo Freire
Representantes da Unesc apresentaram atividades vigentes para 2018-2020 no projeto (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

As Lideranças das comunidades atendidas pelo Programa de Extensão Território Paulo Freire, da Unesc, conheceram na noite de quarta-feira (5/9), os projetos aprovados e o que serão colocados em prática a partir deste mês para o período de atuação 2018-2020. As propostas apresentadas contemplam temáticas, apontadas anteriormente como necessidade pela própria comunidade e serão trabalhadas por alunos e professores dedicados a 12 diferentes projetos.

O Programa de Extensão é realizado pela Universidade desde 2013 e atualmente tem a coordenação da professora Scheila Martignago Saleh. A intenção das atividades é de ampliar a capacidade de autonomia das comunidades e levar cidadania das mais variadas formas. “Nós estivemos aqui ouvindo as demandas das lideranças e agora voltamos para apresentar os projetos aprovados e que logo serão colocados em prática. Toda a equipe está muito ansiosa e entusiasmada para ver tudo isso se tornando realidade mais uma vez”, comentou Scheila.

Conforme a coordenadora, o engajamento da comunidade é o ponto crucial para o sucesso das atividades. “Se a comunidade quer, com certeza dá certo. No Bairro São Francisco, por exemplo, já realizamos um dos projetos e tivemos um resultado excelente. Eles já desenvolveram autonomia e agora podemos levar o aprendizado para outra localidade. Assim, vamos exercendo nosso papel’, completou.

Participação ativa

Os moradores do Bairro Nova Esperança Nilton Vaz e Lourival Carlos Alves fizeram questão de participar da reunião com as lideranças da Unesc e ouviram atentamente a apresentação de cada um dos projetos. Segundo Nilton, agora sua tarefa é levar adiante as informações à comunidade. “Isso é muito interessante e faz a diferença para os nossos bairros. Vou contar para a comunidade e incentivá-los a participar. Eu mesmo já faço caminhada e fisioterapia com a Unesc e é algo muito bom para mim. Temos que aproveitar esse espaço que recebemos”, salientou.

Um dos depoimentos mais emocionantes da noite foi o da diretora da Escola Padre Carlos Weck, do Bairro Mineira Velha, Tomazia Alexandra Martinhago. O impacto sentido dentro da instituição através dos projetos do Território, de acordo com Tomazia, é imensurável. “Com esses projetos e tudo o que nos oferecem, a Unesc faz valer seu título de Universidade Comunitária. Ela simplesmente transforma realidades”, destacou.

Conforme a diretora, o sentimento ao participar de atividades como as apresentadas é de gratidão e segurança por saber que pessoas preparadas estão projetando o futuro das comunidades. “Os projetos atendem as mais variadas faixas de público e fazem com que as pessoas se sintam como verdadeiros cidadãos. A cidadania acontece por meio da informação e é isso o que estamos recebendo. É muito valioso”, completou Tomazia.

Os bairros contemplados pelo Território Paulo Freire são: Vila Belmiro/Jardim União, Progresso, Vila Manaus, Mineira Velha, Santa Luzia, Mineira Nova, São Sebastião, São Defende, Imperatriz, Nova Esperança, Santo André e São Francisco.

Projetos apresentados:

Bem Viver com Alzheimer;

Cartografia participativa no território Paulo Freire: resgate da cidadania pelo reconhecimento do lugar em que se vive;

Cidadania na Terceira Idade: o envelhecimento saudável no Território Paulo Freire;

Diálogos Urbanos no Território Paulo Freire - políticas públicas e construção do direito à cidade; Educação Ambiental em escolas do Território Freire, localizadas próximas ao bairro Santo André;

ESCOLA DE PAIS E FILHOS: diálogos entre universidade, escolas e comunidade; GOSTAR - Grupo Operacional em Saúde: Tecnologia da Informação e Comunicação, Apoio e Reeducação no Combate ao Sobrepeso e Obesidade de Crianças e Adolescentes Residentes na Área de Abrangência do TPF;

Leitura literária com detentos: uma contribuição para a cidadania;

Núcleo de Atenção Multidisciplinar a Saúde do Idoso – Namusi;

Projeto de Atenção Materno Infantil e Familiar - Pamif: Interdisciplinaridade Com Grupos Grávidos e Com Bebês;

Soft Skills em contextos de vulnerabilidade social: Formando cidadãos para a indústria 4.0 e com competências relevantes para o Século XXI;

Tartaruga: Esportes aquáticos (natação, Biribol e Polo aquático) para Idosos portadores de Doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs).

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 06 de setembro de 2018 às 16:03
Compartilhar Comente

Unesc presente na quinta edição do Mamaço

Professores e acadêmicos dos cursos de Enfermagem e Odontologia da Unesc orientaram gestantes, lactantes e público em geral durante a quinta edição do Mamaço, realizado na Praça do Congresso, em Criciúma, dentro da programação da Semana do Aleitamento Materno. O evento aconteceu no sábado pela manhã, promovido durante a feira Cria na Roda, reforçando a importância do aleitamento materno como única fonte de alimentação para bebês até os seis meses de vida.

O Mamaço teve a presença de profissionais da Secretaria Municipal de Saúde de Criciúma, que falaram sobre a garantia legal das mães amamentarem seus filhos em locais públicos. Muitas mães com filhos presentes escutaram também informações sobre propaganda de produtos e fórmulas de leites que concorrem com a amamentação. Pela lei sancionada em 4 de julho de 2014 todas as mães têm direito garantido de amamentarem seus filhos em recintos coletivos de acesso público dos estabelecimentos comerciais situados em SC.

Os acadêmicos de Enfermagem da Unesc fizeram a sensibilização sobre o aleitamento materno e sobre o uso do copinho para dar o leite materno ao invés da mamadeira, nos casos de a mãe não poder estar presente. Conforme a orientação, o uso do copinho, quanto necessário, provoca movimentos de língua e mandíbula similares aos movimentos necessários para o sucesso da amamentação e seu uso desenvolve os músculos responsáveis por esses movimentos. A equipe também falou sobre o ingurtitamento mamário, causada pelo açulo de leite nas mamas, causando dor. As mães receberam orientação sobre como prevenir e tratar esse processo, através de massagens e amamentar a cada três horas.

Já a equipe de odontologia deu orientações sobre a importância da amamentação para o desenvolvimento da arcada dentária e posicionamento da dentição. O exercício de sucção trabalha a musculatura em volta de toda a boca do bebê. Isso significa que os músculos da língua, da bochecha e dos lábios estão se exercitando durante a mamada. Juntamente com o estímulo ósseo, isso garante o posicionamento dos dentes e a boa formação da dentição, que só se resolve completamente por volta dos dois anos de idade. A professora da Unesc, Gina Casagrande, especialista em Odontopediatria, explica que a partir do nascimento dos primeiros dentes as mães também devem iniciar a escovação, uma vez ao dia, com creme dental fluoretado, em quantidade equivalente a um grão de alpiste. A professora também alerta para a importância de realizar nos bebês recém nascidos o teste da lingüinha, que identifica a incidência do freio lingual hipertrófico e que pode dificultar a sucção do seio materno por parte do recém nascido. Para tanto as mães devem procurar os postos de saúde para realizar esse exame.

A secretária Municipal de Saúde de Criciúma, Francielle Gava, salientou que o município possui um serviço de apoio às mães e ao aleitamento materno realizado nas unidades básicas de saúde, que faz parte do projeto Amamenta Brasil, com vistas a melhorar a assistência à criança e às mães.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Ana Sofia Schuster 05 de agosto de 2018 às 18:50
Compartilhar Comente