Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schmitz

imagem do site
Newsletter Newsletter RSS RSS

Professor da Unesc lança obra em parceria com Instituto Olho D’ Água e Unicamp

Professor da Unesc lança obra em parceria com Instituto Olho D’ Água e Unicamp
Mais imagens

A Unesc, por meio do LAPIS (Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schmitz), o Instituto Olho D’ Água, do Piauí, e o Laboratório de Arqueologia Pública Paulo Duarte, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) reuniram conhecimentos para criar o livro Digital “A multivocalidade da Arqueologia pública no Brasil: Comunidades, práticas e direito”. A obra está disponível desde esta terça-feira (5/12) e foi viabilizada pela Editora Unesc.

O e-book reuniu informações resultantes das pesquisas dos professores doutores Juliano Bitencourt Campos, Pedro Paulo Abreu Funari e Marian Helen Rodrigues, com foco na arqueologia pública e na gestão de patrimônios.

Campos, que desenvolve seus trabalhos na Unesc, conta que este campo de atuação da Arqueologia foi iniciado no fim do século 20 e vem se expandindo. Ele explica ainda que seu objetivo é relacionar a prática arqueológica com as sociedades e comunidades indígenas. “A Arqueologia Pública vem se popularizando nas duas últimas décadas. Esta área, que antes era masculina, hierárquica e militar, passou a incluir mulheres e indígenas nas qualificações acadêmicas. Assim, foram cruzadas pesquisas que resultaram na revista, formada por uma rede de pesquisadores multidisciplinares do Brasil e Exterior”, esclarece.

Outro fator de destaque, segundo Campos, são as várias áreas do conhecimento que se completam. “Unimos contribuições de variadas regiões do país e perspectivas teóricas e multidisciplinares, englobando à Arqueologia, Letras, História, Ciências Ambientais, Pedagogia, Música, Turismo, Geografia, Ambiente e Sociedade, Filosofia, Comunicação Social, Jornalismo, Oceanologia, Direito, Antropologia Social, conhecimentos acadêmicos, profissionais e indígenas. Essa mistura mostra a fertilidade desta área de pesquisas”, afirma.

Os interessados podem conhecer a obra através link

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

06 de dezembro de 2017 às 17:54
Compartilhar Comente

Pesquisadores da Unesc participam de evento internacional de zooarqueologia

Pesquisadores da Unesc participam de evento internacional de zooarqueologia
Apresentação de resultados ocorreu no Uruguai (Foto: Divulgação) Mais imagens

Pesquisadores da Unesc participaram esta semana no 3º Encontro Acadêmico do Grupo de Trabalho de Zooarqueologia Neotropical do Conselho Internacional de Zooarqueologia. O evento ocorreu em San José, no Uruguai de quarta a sexta-feira (22 a 24/11), onde foram desenvolvidas atividades acadêmicas e científicas em período integral. A programação contou com trabalhos nas quatro áreas temáticas principais: Panorama da Zooarqueologia Latino-Americana; Zooarqueologia, Interfaces e Patrimônio Arqueológico; Teoria e Métodos na Pesquisa Zooarqueológica; Educação e Integração do Conhecimento em Zooarqueologia.

“Quadro arqueofaunístico de um sambaqui do Extremo Sul Catarinense: Dados preliminares e tendências de exploração de ecossistemas” foi o título da apresentação que o pesquisador Diego Pavei do Lapis (Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schmitz) da Unesc e do Lepaarq (Laboratório de Antropologia e Arqueologia) da UFPel (Universidade Federal de Pelotas).

O estudo é uma parceria dos dois laboratórios. O Lapis coordena as pesquisas arqueológicas no Litoral do Extremo Sul Catarinense há mais de cinco anos. O trabalho é de autoria de Diego Dias Pavei, Carol Borges, Juliano Bitencourt Campos e Marcos César Pereira Santos, e apresenta dados inéditos sobre a relação que sociedades pré-históricas litorâneas estabeleceram com os ecossistemas circundantes.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 24 de novembro de 2017 às 16:10
Compartilhar Comente

Semana de Ciência e Tecnologia promove um “mergulho” no universo da arqueologia

Semana de Ciência e Tecnologia promove um “mergulho” no universo da arqueologia
Workshop deve reunir mais de 600 alunos até sexta-feira (Fotos: Stephanie Barbosa) Mais imagens

A 8ª SCT (Semana de Ciência e Tecnologia) da Unesc promove uma verdadeira viagem ao passado com o 2º Workshop de Arqueologia, que narra em exposição a “Ocupação Pré-histórica do Extremo Sul Catarinense: 4000 de história”. A expectativa é de que ao longo da semana mais de 600 estudantes dos Ensinos Fundamental, Médio e Superior passem pelo espaço que fica em frente ao Bloco da Reitoria.

Nesta terça-feira (17/10) dezenas de alunos já visitaram o local. São unidades de ensino de toda região Sul. As oficinas com simulações de atividades ocorrem ainda nesta quarta e quinta-feira (18 e 19/10), porém o espaço segue montado para exposição até sexta-feira, quando encerra a SCT.

As simulações abrangem escavação, pintura rupestre e confecção de vasilhames cerâmicos, tudo de acordo com a região Sul e dentro da temática desta edição da SCT que é “A Matemática Está em Tudo”.

Na confecção de cerâmica arqueológica, os participantes têm contato com a matéria prima, que é a argila, e com a técnica de confecção de vasilhames cerâmicos própria das populações ceramistas que viveram no Litoral Sul. Já a Arte Rupestre demonstra aos alunos como as populações antigas utilizavam os recursos existentes na natureza para confeccionar instrumentos e pigmentos para a realização de pinturas.

A vivência em escavação simulada consiste na participação dos integrantes em uma escavação arqueológica, onde poderão ter contato, de forma prática, com noções e técnicas do cotidiano da pesquisa arqueológica em campo.

Segundo o coordenador do 2º Workshop de Arqueologia, Juliano Bitencourt Campos, tudo foi criado pensando em tornar o local um ambiente propício para, além de atrair o público, fazê-lo entender de forma lúdica o universo da arqueologia e mergulhar nela.

“A ideia é deixar o espaço criado o mais próximo possível do real e claro, não esquecendo da matemática que está muito inserida no contexto da Arqueologia e é o tema deste ano da Semana de Ciência e Tecnologia”, frisa o professor. Além das simulações, será também explanada a geometria, com pinturas e gravuras e o processo de geoprocessamento. O local também conta com artefatos associados aos grupos sambaquieiros, caçadores-coletores e ceramistas horticultores.

Na sexta-feira (20/10) tem ainda o Diálogo Arqueológico durante a manhã, a tarde e também à noite e que contará com discussões sobre variados temas do conhecimento arqueológico. Haverá também o preparo de comidas tradicionais das populações pré-coloniais de Santa Catarina.

A 8ª SCT segue até esta sexta-feira (20/10) com diversas atividades, disseminação de conhecimento e integração com a comunidade, tanto acadêmica quanto a comunidade em geral.

*Texto: Talise Freitas - Ápice Comunicação

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Assessoria de imprensa 17 de outubro de 2017 às 17:21
Compartilhar Comente

Workshop de Arqueologia promove uma viagem ao passado

Workshop de Arqueologia promove uma viagem ao passado
Diversas atividades estão inseridas na Semana de Ciência e Tecnologia (Foto: Arquivo) Mais imagens

Você conhece Arqueologia? Sabe o que faz um arqueólogo? O que a Arqueologia faz é estudar os vestígios materiais que foram produzidos por pessoas em diversos momentos da história e variados locais ao redor do mundo, inclusive da região. Para conhecer um pouco mais deste tema voltado à educação e divulgação do conhecimento, a Unesc realiza, dentro da 8ª edição da Semana de Ciência e Tecnologia, de 16 a 20 de outubro, o 2º Workshop de Arqueologia.

De acordo com o arqueólogo e coordenador do 2º workshop, professor Juliano Bitencourt Campos, além de uma mostra fotográfica de arqueologia, serão realizadas oficinas temáticas de confecção de réplicas de cerâmica arqueológica, de arte rupestre e de escavação arqueológica. “Tais atividades são pautadas pela concepção da divulgação científica e da educação patrimonial objetivando a aproximação da produção do conhecimento arqueológico com os participantes, se colocando como ferramentas de formação cultural, crítica e cidadã”, explica.

O objetivo conforme ele é atingir um amplo e variado público, turmas de estudantes do ensino básico e fundamental das escolas da região, visitantes externos ocasionais, acadêmicos, funcionários e professores da universidade. As atividades estão pautadas por duas premissas principais que nortearam a organização e a execução. Uma delas foca na preocupação em proporcionar um espaço efetivo de divulgação científica que traz ao público, de forma acessível, informações sobre as pesquisas arqueológicas desenvolvidas em âmbito regional.

Já a outra se concentra na oferta de um espaço de interação com as instituições de Ensino Básico, oferecendo subsídios no sentido de contribuir com a formação cultural através de uma abordagem lúdica e focada no patrimônio arqueológico regional. Inserindo-se ainda em um processo mais amplo das ações de educação patrimonial que já vêm sendo executadas na região nos últimos anos pelo Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schmitz (Lapis) da Unesc.

"O processo de preservação do patrimônio está diretamente ligado à educação e divulgação do conhecimento. A ideia central é socializar as pesquisas", define o coordenador do workshop, que destaca ainda o apoio da Propex (Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão), do PPGCA (Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais) Iparque (Parque Científico e Tecnológico) e UNAHCE (Unidade Acadêmica de Humanidades, Ciências e Educação).

As inscrições nas oficinas poderão ser realizadas através dos seguintes números: (48) 3444-3760 / 3444-3761 ou pelo e-mail arqueologia@unesc.net. Não será cobrada taxa de inscrição. Para as demais atividades e visitas o acesso é livre. As atividades serão desenvolvidas das 8h às 12h e das 13h30min às 17h.

*Com informações da Ápice Comunicação

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Assessoria de imprensa 05 de outubro de 2017 às 14:58
Compartilhar Comente

Professor da Unesc é membro da nova diretoria da Sociedade de Arqueologia Brasileira

Professor da Unesc é membro da nova diretoria da Sociedade de Arqueologia Brasileira
Eleição ocorreu durante evento nacional em setembro (Foto: Divulgação) Mais imagens

A Unesc está presente na diretoria da SAB (Sociedade de Arqueologia Brasileira). O professor do PPGCA (Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais), pesquisador do Lapis (Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schmitz) Juliano Bitencourt Campos, faz parte da gestão que estará à frente da entidade no período de 2018/2019.

A eleição ocorreu durante o 19º Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira realizado na última semana no campus de Teresina da Universidade Federal do Piauí. A chapa Arqueologia Em/No Movimento foi a vencedora do pleito e o professor da Unesc ocupará o posto de segundo secretário durante a gestão, encabeçada pelo professor da Universidade Federal de Pelotas, Jorge Eremites de Oliveira (presidente) e pela professora da UFSC, Juliana Salles Machado Bueno (vice).

Saiba mais


A SAB foi fundada em 28 de março de 1980, e é uma associação científica que congrega arqueólogas, arqueólogos e profissionais de áreas afins no país. Transcorridos 37 anos desde a sua criação, a entidade cada vez mais consolida o protagonismo de ser a principal associação brasileira de arqueologia.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 19 de setembro de 2017 às 20:58
Compartilhar Comente