Núcleo de Estudos Étnico-raciais, Afro-brasileiros e Indígenas

Meleiro tem Plano de Desenvolvimento Socioeconômico lançado com grandes expectativas

Meleiro tem Plano de Desenvolvimento Socioeconômico lançado com grandes expectativas
Fotos: Mayara Cardoso/Agecom/Unesc Mais imagens

Chegou a vez de Meleiro celebrar um passo significativo na caminhada para o desenvolvimento socioeconômico acelerado. Nesta segunda-feira (02/05), a chuva que insistiu em cair em toda a região não foi o suficiente para afastar a comunidade do Lançamento do Plano de Desenvolvimento Socieconômico, primeiro passo do projeto realizado pela Unesc em parceria com o Sebrae e a Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (Amesc).

A metodologia a ser aplicada pela Unesc ao longo dos próximos meses foi apresentada pela pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da Unesc, Gisele Coelho Lopes. Apesar de dominar as técnicas de planejamento e de análise de dados, conforme Gisele, não será a Unesc a responsável pelo sucesso da ação. “Nós iremos nortear esse processo, mas ele será um sucesso graças ao envolvimento de todos vocês que estão aqui no lançamento e dos que estarão conosco nas próximas etapas de trabalho. Unesc, Sebrae/SC, Amesc e Município estão unindo forças para esse resultado. Quando grandes atores como essas se unem em prol de um objetivo os frutos são inevitavelmente bons”, destacou no evento.

A noite de lançamento do sexto Plano entre os municípios da Amesc, para Gisele, marca mais um momento de grande honra para a Universidade. “A cada encontro como este me sinto privilegiada por podermos estar juntos dos municípios pensando de forma consciente o cenário no qual queremos estar daqui a dez anos. Cada uma das pessoas que participar estará ajudando a definir as rotas a serem percorridas para alcançar os objetivos vislumbrados”, pontuou.

Em mensagem transmitida no evento, a reitora Luciane Bisognin Ceretta deixou também seu recado à comunidade de Meleiro. “Tenho certeza de que o Plano de Desenvolvimento será um divisor de águas para esta cidade de povo guerreiro e engajada. Estamos juntos nesse desafio, ancorados em instituições dispostas a dar o seu melhor pelo objetivo comum. Contem conosco sempre”, enfatizou Luciane.

Oportunidade ímpar

A expectativa no Município é das melhores. Ao menos é o que garante o vice-prefeito Pedro Luiz Schuvartz, que vê no desafio uma grande oportunidade. “Não é algo que já vem elaborado. Não vem em um pacotinho. Vai ser feito com a participação do município, do empresário, agricultor, do varejista. Acho que isso é o mais importante. Se precisamos crescer e sermos melhores, vamos começar com nós mesmos e com planejamento”, pontuou.

Para o prefeito Eder Mattos, este é o momento de analisar os motivos que fizeram com que a cidade deixasse de se desenvolver e, paralelamente, aprender com as lideranças para tomar atitudes ainda mais acertadas daqui em diante. “Cabe neste momento a comparação com os demais municípios e o resgate histórico. Se olharmos os dados atuais vamos observar que Meleiro se destaca em muitas áreas, fruto da dedicação do povo daqui. Nossa raça é trabalhadora e é por ela também que precisamos prospectar o futuro”, acrescentou.

Representando a Regional Sul do Sebrae/SC, Marcos Tondin destacou o significado da participação ativa da comunidade no evento. “Vocês todos poderiam estar confortáveis em casa neste dia de frio e chuva, mas estão aqui dispostos a participar de um movimento que olha para o futuro. Tenho certeza de que é esse empenho que fará a diferença para o sucesso dessa iniciativa na qual Unesc e Sebrae estão juntos dos municípios”, pontuou, enaltecendo ainda a beleza da apresentação que marcou a abertura do evento.

Do TCC à realidade

A egressa do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unesc, Cristina Zeni, natural de Meleiro, já é uma representante ativa da Universidade no Município. Ela estudou minuciosamente um Plano de Mobilidade Urbana como tema do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da graduação e já apresentou no gabinete do prefeito para implementação na cidade. Na noite de lançamento do Plano, a egressa e o prefeito apresentaram ao público o projeto e mostraram que a pesquisa já será valiosa para as diretrizes que serão definidas a partir de agora.

Para Cristina, ver seu projeto sendo apresentado em um evento de tamanha importância e, principalmente, vislumbrar sua implementação, é emocionante. “Fiquei realmente emocionada vendo meu trabalho sendo levado em consideração dessa forma. É muito bom ser ouvida e saber que meu estudo poderá ajudar na prática de uma cidade melhor”, destacou.

A participação da profissional é motivo de inspiração para o adolescente Gabriel Cauã Longaretti Toldo, presidente do Grêmio Estudantil da Escola Inês Tonelli Nápoli, de Araranguá, que cediou o evento. O aluno da rede municipal de ensino foi convidado a compor a mesa de autoridades da noite e aproveitou a oportunidade. “Acho muito importante participarmos desses encontros e das decisões que farão parte do nosso futuro. Vou incentivar a todos os jovens que participem dos workshops e acompanhem de perto este projeto que fará a diferença na vida de todos nós”, pontuou.

Esporte e arte

Os participantes foram presenteados com a participação especial do Grupo de Capoeira Armada Brasil, formado por crianças do Grupo de Convivência do CRAS 1 de Meleiro.

O próximo encontro de trabalho do Plano de Desenvolvimento Socioeconômico será realizado no dia 17 de maio às 14h de forma virtual para o primeiro Workshop.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

03 de maio de 2022 às 12:05
Compartilhar Comente

Presidente do DCE da Unesc assume conselho de estudantes da Acafe

Presidente do DCE da Unesc assume conselho de estudantes da Acafe
Foto: Divulgação Mais imagens

O presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), da Unesc, Vittor Teixeira, assumiu a presidência do Conselho dos DCE’s da Acafe. Ele permanece no cargo até o fim de 2022. “O meu nome foi escolhido em reunião realizada em Itajaí. Permanecerei nesta função até o fim do ano”, salienta Teixeira.

O conselho representa todos os DCEs das Universidades Comunitárias, integrantes do Sistema Acafe, e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Antes de Teixeira, o presidente era Leandro Freitas, do DCE da Univale, que estava no cargo desde o ano passado. “Fico muito honrado e feliz em poder representar a Unesc neste espaço e poder também fortalecer as lutas das comunitárias. Presidir o conselho será um grande desafio e vai exigir muita responsabilidade e trabalho, o qual me sinto muito confortável para encabeçar, pois os conselheiros são muito presentes e atentos às demandas dos estudantes”, enfatiza.

Vittor foi eleito presidente do DCE da Unesc após receber 1.919 votos, em eleição realizada no ano passado. “Ficamos felizes pelo reconhecimento do nosso movimento estudantil, tendo como resultado a escolha para presidir o Conselho dos DCE’s da Acafe. É um reconhecimento que nos enche de orgulho, pois os alunos nos ajudam a construir o ser e o fazer de uma Universidade Comunitária como a Unesc”, destaca a Reitora Luciane Bisognin Ceretta.

Bandeira

Teixeira revela que a principal bandeira frente ao conselho será ampliar a defesa do Programa Uniedu e continuar dialogando com os DCE’s da Acafe. “Tudo isso para garantir a manutenção do 90/10 das bolsas Uniedu, que são fundamentais para a permanência estudantil e manutenção das nossas universidades, que todo recurso investido reverte para a comunidade através dos seus programas de pesquisa e extensão”, pontua.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

03 de maio de 2022 às 11:58
Compartilhar Comente

Primeiro mestrando indígena da Unesc defende projeto de qualificação

Primeiro mestrando indígena da Unesc defende projeto de qualificação
Fabiano Alves integra o Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade (Fotos: Reprodução) Mais imagens

Esta terça-feira (29/03) é mais um dia que ficará marcado na história da Unesc e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) da Universidade. Nesta data o mestrando Fabiano Alves, primeiro indígena a integrar os programas de Pós-Graduação da Instituição, defendeu seu projeto de qualificação.

Com o título "Nhande Reko Yvyrupa py: Modo de Viver Guarani no Etnoterritório" o projeto teve como banca examinadora os professores doutores Juliano Bitencourt Campos, presidente da banca e orientador, Geraldo Milioli e Marlon Borges Pestana, da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Conforme Juliano, após avaliação da banca, os professores deram seus conceitos, considerando o Exame de Qualificação de Dissertação apresentado pelo mestrando como aprovado. “Fabiano tem um excelente projeto. A partir de agora ele parte para a pesquisa de campo e escrita da dissertação, com prazo de conclusão e defesa para fevereiro de 2023”, acrescenta.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

29 de março de 2022 às 21:05
Compartilhar Comente

Mestrando indígena da Unesc retorna à vida no campus após um ano de estudo apenas remotos

Mestrando indígena da Unesc retorna à vida no campus após um ano de estudo apenas remotos
Fabiano Alves, da Comunidade Guarani Aldeia Tekoá Marangatu, seguiu firme na dedicação ao mestrado mesmo diante de grandes desafios no isolamento (Fotos: Marciano Bortolin/Décio Batista/Agecom/Unesc) Mais imagens

Há sonhos que podem ser realizados de maneira rápida. Outros exigem um pouco mais de tempo e dedicação. Mas o certo é que a maioria deles precisa de força de vontade e resiliência. Fabiano Alves, de 32 anos, formado em Pedagogia, sonhava em fazer mestrado. A vontade começou a se tornar realidade em 2021, justamente durante a pandemia, uma época em que o ensino à distância tomou o lugar do presencial. O estudante indígena precisou de doses extras de esforço e uma ajuda especial da Universidade para que pudesse seguir firme no propósito de estudos no mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA).

Fabiano, que é indígena da Comunidade Guarani Aldeia Tekoá Marangatu, de Imaruí, voltou ao campus nessa semana após um ano de estudos apenas remotos e constante contato virtual com a Universidade. Ao longo desses meses tudo era novo para o mestrando e, para completar, ainda surgia a necessidade do ensino online. “A Universidade disponibilizou o notebook e acesso à internet para eu não parar com os estudos. Com a pandemia e através da telinha, tudo era novidade para mim, mas consegui seguir estudando”, conta.

Na visita ao espaço da Universidade o estudante participou de diversas atividades, principalmente junto ao Núcleo de Estudos Étnico-raciais, Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi). “Esta volta é maravilhosa para mim. Estar aqui e poder presenciar, fazer parte desta instituição”, afirma.

Para a reitora Luciane Bisognin Ceretta, é uma alegria receber o mestrando e acompanhar de perto a evolução de sua trajetória no universo acadêmico. “Como representante de uma Universidade Comunitária e plural como a nossa Unesc me sinto privilegiada em receber o Fabiano em nosso campus. Fazemos questão de prestar o apoio necessário a ele, pois entendemos a dimensão da presença dele enquanto mestrando e a troca de conhecimento que ele nos proporciona”, fala.

Conhecimento multiplicado

Além da dedicação aos estudos, Fabiano se empenha também no outro lado da moeda, a face de professor. O aprendizado adquirido junto à Unesc, Fabiano, que está na fase de elaboração da dissertação, já repassa para as crianças da aldeia. “Atualmente trabalho como professor Bilíngue na aldeia. Escolhi o curso de Pedagogia para poder ensinar as crianças Guarani. O mestrado em Ciências Ambientais é para mostrar a importância da natureza e das terras para os povos indígenas. A Universidade abriu as portas para mim e está contribuindo ao repassar o conhecimento não indígena, o científico, e ao mesmo tempo eu contribuindo com o meu conhecimento para com a Instituição”, revela.

Primeiro indígena da história da Unesc

Fabiano Alves é o primeiro estudante indígena da história da Unesc e logo que ingressou no mestrado, passou a fazer parte do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas e Minorias (Neabi), de quem recebe todo o apoio para seguir com os estudos. 

A coordenadora do núcleo, Normélia Ondina Lalau de Farias, conta que o Neabi, reativado em 2014, trata da pesquisa voltada aos estudos afro-brasileiro e indígenas. “Ele havia sido pensado anos antes por docentes e pessoas da área administrativa para tratar desta questão étnico-racial dentro da instituição. Ao contrário do que muita gente pensava, o Neabi teria somente pessoas negras, e este não é o objetivo. É um grupo de estudos que trata das relações étnico-raciais, enquanto realidade afro-brasileira e indígena e é composto por pessoas negras e não negras”, relata.

Ela explica que o Neabi é uma via de mão dupla, ou seja, promove a troca de conhecimentos entre os seus membros, como vem acontecendo com Fabiano. “Esta troca envolve não só a pesquisa de um modo geral, mas o conhecimento sobre a cultura do outro. Aprender como respeitá-la e, ao mesmo tempo, trazer isso para dentro da academia para que os nossos acadêmicos conheçam uma forma de cultura diferente. No Neabi, o Fabiano tem sido uma oportunidade muito rica de aprendermos. Infelizmente em virtude da pandemia não consegui visitar a aldeia ainda, mas fizemos diversas campanhas neste momento pandêmico junto com os estudantes, arrecadando alimentos, roupas e calçados”, destaca.

A professora Normélia salienta ainda o quão a Universidade é solidária e o quanto se envolve no auxílio a alunos como é o caso de Fabiano. “A reitora Luciane Ceretta é muito sensível a estas pautas e sempre fala que é solidária à luta dos negros e dos indígenas. Dentro desta sensibilidade, a Universidade, via Neabi, permite uma bolsa de 100% ao Fabiano para estar na instituição fazendo este mestrado. Para nós, além de ser uma grande conquista, é de suma importância, não só pela bolsa em si, mas porque temos um membro deste segmento étnico”, acrescenta.

Após a recepção ao mestrando, em 2021, os contatos passaram a ser a distância devido à pandemia. “Agora foi uma retomada porque ele esteve aqui em um primeiro momento e depois teve que pausar. Estamos aproveitando esta visita para fazer novas intervenções, outras conversas, colocando ele a par de projetos que temos para o Neabi”, acrescenta.

Envolvimento com a aldeia

Mais que receber o indígena no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, a Universidade também leva a sua contribuição à comunidade de Fabiano. 

Isso ocorreu com a chegada da pandemia quando os índios foram impedidos de vender o artesanato, uma de suas fontes de renda. A solução foi criar uma loja online. Assim, por meio do Neabi, nasceu o “Tembiapo Porã”, um perfil no Instagram administrado e atualizado pelos próprios membros da aldeia.

O professor de Geografia e mestrando em Educação, integrante do Neabi, Douglas Vaz Franco, conta que uma comissão dentro do núcleo pensou em uma estratégia. “Nos reunimos com os indígenas, convidamos designers e pessoas com experiência em vendas online para fazer uma oficina, até que nasceu a loja. Por meio do Instagram, que eles mesmo administram e alimentam com os produtos e preços, conseguiram impulsionar a venda e chegar a um público maior, quebrando barreiras”, relata.

O mestrando lembra dos momentos vividos durante a pandemia. “Tem muitas famílias que dependem da venda do artesanato e com a pandemia dificultou a saída para vender e para que o visitante fosse até lá para comprar. Além da loja virtual, o professor João Batanolli, que é envolvido com a cultura indígena, além de outros professores, foram à aldeia buscar itens e trouxeram para o campus para vender”, recorda Fabiano.

O trabalho constante do Neabi

O Neabi possui 13 membros e está aberto para o ingresso daqueles que tiverem interesse. “O Núcleo está aberto para qualquer pessoa que queira participar, seja acadêmico, sejam pessoas do setor administrativo, professores. O Neabi também tem como finalidade trazer aquelas pessoas que se interessam pelas pautas que envolvam estes dois segmentos étnico-raciais, que se interessam pela pesquisa, que escrevem acerca disso. Temos ainda outros acadêmicos que fazem parte, alguns, inclusive, com trabalhos de maneira voluntária”, diz.

Se engana quem pensa que o Neabi atua somente em datas específicas. “O nosso trabalho é permanente, é o ano inteiro, até porque se trata de pesquisa. Tem gente que ainda confunde e diz que aparece somente nas datas comemorativas, mas não. As nossas ações vão para além disso e acontecem durante o ano inteiro”, pontua Normélia.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

11 de março de 2022 às 17:27
Compartilhar Comente

Unesc integra diretoria da ADVB Santa Catarina

Unesc integra diretoria da ADVB Santa Catarina
Fotos: Mayara Cardoso/Agecom/Unesc Mais imagens

Em mais uma ação que demonstra a importância da Unesc em nível estadual e a presença da Instituição no ecossistema do desenvolvimento, a Universidade passa a ocupar cadeira na diretoria da Associação de Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil em Santa Catarina (ADVB SC). A diretoria da Associação tomou posse na noite desta segunda-feira (07/03), tendo a pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da Unesc, Gisele Coelho Lopes, entre os empossados.

A presidência da ADVB passa a estar sob comando do também criciumense Claiton Pacheco. A diretoria que estará ao seu lado é comporta por 40 lideranças do setor, divididas em sete regiões: Grande Florianópolis, Litoral, Meio-Oeste, Norte, Oeste, Sul, Vale do Itajaí e Serra.

Para Gisele, integrar o grupo de grandes profissionais da área é uma honra, em especial por representar a Universidade e seus princípios. “Estaremos a frente da diretoria de Desenvolvimento Socioeconômico, uma área que faz parte parte também da missão da nossa Unesc. Estamos muito felizes por integrar ainda mais de perto esse ecossistema, contribuindo com nossa experiência e aprendendo com os colegas e suas vivências”, destacou.

O grupo trabalhará a frente da ADVB no biênio 2022/2023.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

08 de março de 2022 às 08:34
Compartilhar Comente