Ciências Biológicas - Licenciatura

Professor da Unesc participa de projeto de monitoramento de animais marinhos no Espírito Santo

Professor da Unesc participa de projeto de monitoramento de animais marinhos no Espírito Santo
Rodrigo Machado é professor do curso de Ciências Biológicas e pós-doutorando em Desenvolvimento Socioeconômico na Universidade (Fotos: Divulgação) Mais imagens

As pesquisas do professor do curso de Ciências Biológicas da Unesc, Rodrigo Machado, ganharam mais um importante capítulo. Nos últimos dias Rodrigo participou de projeto de monitoramento aéreo de megafauna marinha no estado do Espírito Santo, por meio do Grupo de Pesquisa de Mamíferos Marinhos do Rio Grande do Sul (Gemars), do qual também faz parte. A experiência foi a segunda na carreira do professor voando e observando a presença de animais marinhos e as condições ambientais.

O cenário de tirar o fôlego visto da aeronave há aproximadamente 1.500 metros de altura e em velocidade média de 200 km/h, é o campo de estudo do professor, que leva todas essas experiências para a sala de aula.

O propósito do trabalho, conforme Rodrigo, é realizar censos populacionais de golfinhos, baleias, tartarugas, aves, tubarões e raias. “O monitoramento consiste na observação direta pelos pesquisadores para baixo através de janelas específicas que permitem a projeção. Nesta observação o pesquisador registra em áudio, à medida que algum animal é avistado, gravando a narração sobre a espécie e o número de animais observados. Também é observada a presença de barcos de pesca e as condições ambientais, como cor da água, reflexo solar e ondulação”, explica.

As vivências acumuladas nos dias de trabalho em campo, conforme o professor, certamente se refletem nos olhos atentos dos alunos que o escutam com atenção e encantamento com as histórias compartilhadas em aula. “Toda a experiência profissional na área biológica que tenho a oportunidade de atuar contribui muito na minha atuação como professor. São experiências como essa que enriquecem as aulas, que cativam os alunos e que lhes dão mais vontade para seguir em frente. Os acadêmicos se sentem motivados quando exploramos exemplos próprios. Isso é gratificante e ajuda a fortalecer o elo entre aluno e professor”, acrescenta.

Além de professor do curso de Ciências Biológicas, Rodrigo é pós-doutorando em Desenvolvimento Socioeconômico na Universidade. No PPGDS o professor se dedica à pesquisa em biologia pesqueira, desenvolvimento socioeconômicos, políticas, programas e práticas socioambientais para o manejo e gestão de comunidades tradicionais e recursos naturais.

Trabalho realizado há três décadas

O Grupo de Estudo de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul (Gemars) trabalha, desde 1991, com populações de megafauna. De 2010 para cá amplia a atuação com sobrevoos em diferentes regiões do país.

O projeto, conforme o professor, vem ganhando força nos últimos anos com a participação de pesquisadores e alunos de graduação, mestrados, doutorado.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

26 de agosto de 2021 às 21:34
Compartilhar Comente

Saúde emocional dos acadêmicos em tempo de pandemia é debatido em evento do Programa Acolher

Saúde emocional dos acadêmicos em tempo de pandemia é debatido em evento do Programa Acolher
Evento foi realizado em comemoração ao Dia do Estudante( Fotos: Décio Batista ) Mais imagens

A Unesc está sempre preocupada com a segurança e com a qualidade de vida da comunidade acadêmica. Por isso, na noite desta terça-feira (10/8), realizou um importante debate sobre saúde mental durante a pandemia. O evento realizado pelo Programa Acolher, foi alusivo ao Dia do Estudante (11/8) e ocorreu de forma híbrida, contando com a participação de gestores universitários, professores e profissionais da área de saúde e representação estudantil. 

Com o tema: “Como é ser estudante em tempos de pandemia para você?", o evento debateu as condições dos discentes em tempo de Covid-19 e o que este momento vivido pode estar provocando nos acadêmicos.

Muitos assuntos foram abordados, entre eles o processo de luto, relações sociais, estresse, ansiedade e convívio familiar. O debate virtual, mediado pelo psicólogo clínico e coordenador do Acolher, Zolnei Vargas de Córdova, teve a participação da reitora da Unesc e idealizadora do Programa Acolher, Luciane Bisognin Ceretta; da psicóloga especialista em Psicologia Cognitiva Comportamental e Gestão Estratégica de Pessoas, Rosimeri Vieira; da psicóloga clínica do Programa Acolher, Jalila Musa Rahman; das psicólogas e residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Atenção Psicossocial da Unesc, Beatriz Dieke Moreira e Lauriane Pizzoni e do presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Douglas Leffa.

A reitora, Luciane Bisognin Ceretta, aproveitou a oportunidade para refletir sobre o cuidado à saúde emocional  dos estudantes, professores e  dos colaboradores. “Sou muito sensível a este tema. Recebo confissões de muitas pessoas sobre o seu estado emocional e devido a isto, surgiu a necessidade da implantação de um programa voltado para atender esta demanda.  É importante colocar que esse cenário de constante mudança é anterior a vida academia. É  um quadro de muitas transformações pelas quais os nossos estudantes passam em áreas das suas vivências. Somam-se aí  a ansiedade  pela vida acadêmica, novas rotinas e novos compromissos. Se estas alterações já não bastassem, ainda vem uma pandemia para impor várias regras, necessárias, para a sua vida. E nós gestores universitários temos que dar atenção e tratar a saúde mental e emocional dos nossos acadêmicos”, avaliou.

O coordenador do programa Acolher, Zolnei Vargas de Córdova, explicou o motivo da escolha do tema da noite. “Nosso objetivo foi  de compreender que passamos por um período de isolamento social, onde fomos robotizados por essa pandemia, que nos travou a sermos o que nós éramos, a pensarmos como deveríamos pensar. A partir daí fomos estruturando vários pontos sobre a nossa existência e caminhos que precisávamos dar sobre as nossas vidas. Dentro dos atendimentos individuais e do processo psicoterápico, surgiram alguns eixos importantes para nossa discussão como: isolamentos social, convívio familiar e o emaranhamento dentro da família,  o estresse e a ansiedade, as condições das relações sociais, bem como o processo de luto dentro de olhar da Psicologia”, esclareceu o professor. 

Segundo o representante estudantil, ele não imaginava as proporções que a pandemia iria tomar no país. “No início da pandemia, não acreditávamos na sua força. Criamos expectativas para o fim do caos e nada, aí começou a nossa frustração. Depois surgiu o processo de luto, a ansiedade, junto com o não saber o que fazer amanhã. Então esse momento afetou demais a todos nós estudantes, mas acredito que hoje estamos todos melhores, graças ao programa que auxiliou vários alunos da Universidade” relatou o Leffa.

Programa Acolher

O Acolher é um programa criado com foco na saúde mental dos estudantes da Unesc e que durante a pandemia passou também a acolher pessoas de toda a comunidade. O Programa completou 1 ano de vida em outubro de 2020 e ano passado, junto com o SOS Covid-19, realizou atendimentos a toda a comunidade do Sul e Extremo Sul catarinense. Durante os 12 meses de 2020, os profissionais do Acolher atenderam mais de 2.200 pessoas. Os atendimentos podem ser agendados pelo email: acolher@unesc.net ou pelo telefone 3431.2506 no horário comercial.

O evento poderá ser assistido ou revisto através do canal da Unesc TV  no YouTube, clicando aqui 

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

11 de agosto de 2021 às 21:35
Compartilhar Comente