Ciências Biológicas - Licenciatura

Alunos da Unesc desenvolvem trabalhos científicos na área de zoologia para redes sociais

Alunos da Unesc desenvolvem trabalhos científicos na área de zoologia para redes sociais
Acadêmicos da terceira fase de Ciências Biológicas levaram conhecimentos por meios digitais (Foto: Milena Nandi) Mais imagens

Os alunos da terceira fase do curso de Ciências Biológicas da Unesc, usaram a criatividade para estudar e apresentar trabalhos na disciplina de Zoologia II. Incentivados pela professora, Mainara Cascaes, os acadêmicos estudaram quatro grupos animais – dois grupos de vermes, platelmintos e nematoides, que causam doenças em seres humanos e em outros animais e os moluscos e anelídeos – e desenvolveram apresentações com imagens e vídeos para as redes sociais.   

A professora explica que o objetivo do trabalho é realizar por meio da divulgação cientifica, o fortalecimento das competências e habilidades do biólogo para a interação com a comunidade.

Segundo Mainara, o trabalho foi a maneira pensada para ampliar as ações de extensão dentro da disciplina. “Levantamos dúvidas que as pessoas e os próprios estudantes têm sobre determinados grupos. Criamos problemas de pesquisa e os alunos escolheram um deles para desenvolverem o trabalho que mescla tanto a pesquisa, porque eles precisam responder a estas perguntas academicamente, quanto divulgação científica. Quando estávamos tendo aulas presenciais, antes da pandemia de Covid-19, a ideia é que eles fizessem trabalhos que pudessem ser levados para escolas e centros comunitários. Com o cenário atual, trocamos a ação na comunidade pela divulgação científica, que também vai atingir diversas pessoas pelas redes sociais”, afirma Mainara.

Para divulgar os trabalhos, cada grupo de acadêmicos de Ciências Biológicas usou as redes sociais. Foi assim com o grupo formado pelas estudantes Ana Júlia Botelho, Larissa Rossi, Iasmin Zeferino e Maria Eduarda Maccari, que usou o perfil de Iasmin para divulgar o trabalho “De onde vem as lombrigas dos animais domésticos?”. As estudantes escolheram falar sobre gatos e cachorros, que se estiverem infectados com toxocariose (infecção que resulta na invasão de órgãos por larvas de nematoides), suas fezes podem contaminar o solo. “Não tivemos nenhuma dificuldade para fazer o trabalho. Nos dividimos em equipes e divulgamos nas redes sociais, via Instagram. Tivemos um bom retorno das pessoas, que interagiram via enquetes e nas publicações”, conta Iasmin.  

As questões norteadoras dos trabalhos foram:

- Achatina fulica: riscos de invasão biológica e consequências a saúde ambiental
- Cefalópodes: inteligência ou sorte?
- Sanguessugas e atributos medicinais.
- Minhocas e o processo de ciclagem de nutrientes
- Ingestão de carne malpassada: mitos e verdades – e verminoses associadas
- Saneamento básico e a barriga d’água
- De onde vem as lombrigas dos mamíferos?

Para acompanhar as respostas a estas questões, basta acessar os perfis do Instagram:

@iasminr.z
@_andrefrancis
@juliagavaa
@jardineirasdosolo

Matrículas abertas

O mundo está mudando, o que não muda é a força do conhecimento. Mais do que nunca, ter formação de excelência faz toda a diferença. Para viver esta experiência, as matrículas para o segundo semestre já estão abertas na Unesc, por meio do Ingresso sem Vestibular.

Para se matricular no curso de Ciências Biológicas da Unesc, basta entrar em contato com o Setor Comercial, pelo WhatsApp (48) 99915-0433 ou pelo telefone (48) 3431-2500.

Milena Nandi – Agência de Comunicação da Unesc 

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

01 de julho de 2020 às 14:50
Compartilhar Comente

Primeira Semana Integrada de Educação é encerrada com troca de conhecimento sobre a Escola da Ponte

Primeira Semana Integrada de Educação é encerrada com troca de conhecimento sobre a Escola da Ponte
Professor português José Pacheco respondeu os questionamentos dos espectadores do evento online (Foto: Reprodução) Mais imagens

A intensa programação da primeira Semana Integrada de Educação da Unesc foi encerrada na noite desta quinta-feira (18/6) com o evento em nível internacional mediado pelo professor português José Pacheco, idealizador da Escola da Ponte. Levantando a temática “Autonomia e protagonismo na educação”, o evento foi protagonizado pelos Centros Acadêmicos dos cursos de Licenciatura da Unesc, sob comando da Pró-reitoria Acadêmica da Instituição.

Profissional com experiência na criação da Escola da Ponte, José trouxe ao debate a dinâmica na qual acredita focada em um percurso educativo diferenciado. Para o professor, o que a educação precisa hoje é conceber a nova construção social de aprendizagem a partir daquilo que cada ser humano é em sua essência. “Uma construção de aprendizagem que respeitando o ritmo de cada um, capitalizando a competência de cada um, mas criando núcleos de projeto, círculos de vizinhança, fraternidade, redes de comunidade de aprendizagem”, explicou.

Entre as lições levantadas pela pandemia atual no cenário da educação, conforme José, está o fato de a educação ir muito além dos prédios abrigam as instituições. “Se tem uma coisa que a Covid-19 me ensinou é que escola não é um prédio e muito menos salas de aula. Os prédios estão fechados e escolas são pessoas que aprendem umas com as outras”, destacou.

O vídeo completo da transmissão na qual o professor focou as atenções à resposta de questionamentos dos espectadores está disponível no Canal da Unesc TV, mesma página na qual podem ser encontrados os vídeos das demais atividades da Semana Integrada de Educação da Unesc realizada entre os dias 16 e 18 de junho de forma 100% virtual.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

18 de junho de 2020 às 22:09
Compartilhar Comente

Mesa redonda debate a experiência das aulas mediadas por tecnologia na educação básica

Mesa redonda debate a experiência das aulas mediadas por tecnologia na educação básica
Evento virtual integrou a programação da Semana Integrada de Educação (Fotos: Reprodução) Mais imagens

A Unesc promoveu, na tarde desta quinta-feira (18/6) a terceira mesa de conversa da Semana Integrada de Educação. Essa, que é a primeira edição do evento, conta com intensa programação na qual recebe profissionais de diversas áreas para o compartilhamento de conhecimentos. Nesta quinta-feira estiveram na mesa de conversa virtual os professores Luan Alves, do curso de Geografia, Mainara Figueiredo Cascaes, do curso de Ciências Biológicas e Ray Souza da Rosa, do curso de Artes Visuais. O encontro, que teve como tema “Aulas mediadas por tecnologia na educação básica: compartilhando experiências", foi mediado pela acadêmica da 3ª fase do curso de Geografia, Vivian Dias.

Durante o encontro foram tratados pontos como: a importância da tecnologia no ensino atual, os desafios da educação em tempos de pandemia, o papel do Ministério da Educação nas adaptações educacionais, ENEM, a falta de investimento e descrédito da ciência e a educação como chave do futuro.

O evento virtual que integra a programação da Semana Integrada de Educação contou com uma audiência de mais de 170 pessoas.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

18 de junho de 2020 às 17:26
Compartilhar Comente

Unesc dá início à Semana Integrada de Educação

Unesc dá início à Semana Integrada de Educação
Professora doutora Jaqueline Moll abordou assuntos relacionados aos desafios do ensino público (Imagem: Reprodução YouTube) Mais imagens

É a hora de dialogar sobre o presente e o futuro da educação, transformada e evidenciada pela pandemia de Covid – 19. Esta é a proposta dos CAs (Centros Acadêmicos) de Licenciaturas da Unesc, que nesta terça-feira (16/6) deram início à Semana Integrada de Educação. O momento foi conduzido professora doutora Luciane Bisognin Ceretta, seguido de palestra concedida pela professora doutora Jaqueline Moll, com mediação do estudante Denis Moraes. 



A iniciativa dos estudantes tem relação com a aceleração de mudanças em questões educacionais, criando desacomodação por parte dos professores, que buscam se reinventar e se tornam cada vez mais mediadores do conhecimento, e o protagonismo por parte dos alunos, com um papel cada vez mais importante no processo de aprendizagem. Estes fatos deram origem à temática da Jornada: Autonomia e protagonismo na educação.

Luciane, ao dar início ao evento, agradeceu a oportunidade de fazer parte deste momento e enalteceu a resiliência dos alunos da Universidade. “Vivemos tempos que nos convocam a refletir, e eles, em um momento tão intenso, foram de uma incrível capacidade de se reinventar e se reorganizarem, aproximando-se e promovendo esta importante oportunidade. As licenciaturas fazem parte de uma das quatro áreas de conhecimento trabalhadas na Universidade. Ao longo de anos, estes cursos vêm formando os professores de Criciúma e região, contribuindo com a educação básica no Sul de Santa Catarina”, enfatizou.

É necessário mudar realidades

Desigualdade, acessibilidade, contexto histórico e má gestão. Estes foram alguns dos desafios apontados por Jaqueline. Abordando a educação básica nacional, a professora refletiu sobre a realidade do país, e fez um paralelo sobre agora e o futuro. “A sociedade brasileira tem um grande desafio. É necessário produzir políticas de inclusão social, repensar as práticas históricas de aprovação, trazer para o centro do currículo os sujeitos e suas reais potencialidades, redesenhar a agenda da educação básica e pensar as relações entre saberes acadêmicos e populares”, aponta.



Ainda no contexto, a professora deu ênfase a outros aspectos, como a crise sanitária; a educação integral, sob a perspectiva de Anísio Teixeira; o significado e a importância da escola pública e iniciativas que podem surgir dentro dela, e o sentido damos à educação.

Transmitido ao vivo pela Unesc TV, o primeiro dia alcançou mais de 1.500 visualizações. Para o evento, foram convidadas escolas e instituições de ensino de Criciúma e região. Os que desejam acompanhar o evento nas salas do Google Meet e ter todos os benefícios como os certificados de participação devem realizar uma inscrição prévia. Caso contrário, podem ser acompanhados no YouTube. Saiba mais clicando aqui.

O evento é vinculado à Proacad (Pró-reitoria Acadêmica) e aos cursos de licenciatura da Universidade.

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

16 de junho de 2020 às 21:19
Compartilhar Comente

Mestranda da Unesc representa Santa Catarina na 1ª Web Conferência Internacional sobre o Zebrafish na Neurociência

Mestranda da Unesc representa Santa Catarina na 1ª Web Conferência Internacional sobre o Zebrafish na Neurociência
Samira Baldin apresentou pesquisa com zebrafish desenvolvida para o Mestrado em Ciências da Saúde (Foto: Arquivo) Mais imagens

A Unesc foi representada na 1ª Web Conferência Internacional sobre o Zebrafish na Neurociência, pela mestranda em Ciências da Saúde, Samira Leila Baldin. Ela foi a única aluna de uma instituição de ensino superior catarinense a apresentar trabalho no evento. Ao todo, oito estudos com o uso do peixe zebra (zebrafish) nas áreas de comportamento e neurociências desenvolvidos por jovens pesquisadores foram selecionados para a conferência internacional. Destes, quatro são desenvolvidos no Brasil, sendo dois no Rio Grande do Norte, um em Santa Catarina e outro no Rio Grande do Sul.

O evento, organizado por pesquisadores do Brasil e da Inglaterra, ocorreu de forma digital em virtude da pandemia de Covid19. Na última quinta e sexta-feira (23 e 24/4), a web conferência reuniu jovens pesquisadores e cientistas de diversos países em apresentações de trabalhos e discussões em torno do uso do zebrafish na pesquisa e dos estudos desenvolvidos com o uso desse modelo animal.

Segundo o professor do PPGCS (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde) e orientador de Samira, Eduardo Pacheco Rico, participar de um evento de representatividade internacional não somente proporciona o contato do grupo de pesquisa com grandes estudiosos, como permite a troca de conhecimentos, incrementando as pesquisas no Laboratório de Psiquiatra Translacional da Unesc. “Para o PPGCS é mais uma ação envolvendo a internacionalização da nossa pesquisa. Além disso, para o jovem pesquisador, a participação é uma experiência impar para o seu crescimento pessoal e acadêmico”, afirma.

Aluna da Unesc apresenta pesquisa inédita com zebrafish  

A pesquisa de Samira, intitulada “Exposição aguda ao ácido gálico induz ao comportamento ansiolítico no zebafish” é inédita e traz resultados do potencial antioxidante do ácido gálico em danos neurológicos causados pelo uso de álcool. “As plantas têm mecanismos de defesa e como não podem se mover, utilizam o ácido gálico. Testamos diferentes dosagens dele no zebrafish e descobrimos que a mais alta, de 20 mililitros por litro de água, os deixa menos ansiosos, mais calmos”, explica.

Samira, que é graduada em Ciências Biológicas pela Unesc, dará continuidade a pesquisa, que fará parte de sua dissertação para o Mestrado em Ciências da Saúde. Para ela, a participação no evento foi um marco em sua vida acadêmica. “A apresentação foi toda em Inglês e fiquei tensa por estar, pela primeira vez, falando sobre o meu trabalho para cientistas tão renomados. Foi um desafio e uma honra estar dialogando com pesquisadores com os quais eu sonho em fazer parceria”, revela.

Milena Nandi – Agência de Comunicação

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

25 de abril de 2020 às 17:21
Compartilhar Comente