Artes Visuais - Bacharelado

Semana da Pessoa com Deficiência da Unesc debate educação inclusiva

Semana da Pessoa com Deficiência da Unesc debate educação inclusiva
Mais imagens

“Processos inclusivos no ensino superior”, “A educação inclusiva no espaço acadêmico sob a ótica da pessoa com deficiência”, “Autismo e a intervenção multiprofissional” e “A educação profissional e o acesso ao mundo do trabalho para as pessoas com deficiência” são alguns dos assuntos a serem debatidos na Unesc nos dias 17 a 21 de setembro. No período, a Universidade recebe profissionais, professores e estudantes para a 2ª Semana da Pessoa com Deficiência, que terá como tema “Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva: 10 anos de luta para assegurar direitos”.

O evento tem como objetivo promover a discussão sobre a deficiência no campus, e este ano destaca a importância da educação inclusiva. As atividades iniciam dia 17 de setembro, às 10 horas, com a abertura da Sala Sensorial, localizada no hall do Bloco da Reitoria. A iniciativa, realizada em parceria com o curso de Artes Visuais, foi pensada como um recurso para potencializar a discussão sobre as deficiências.

A ideia não é a de fazer as pessoas experimentarem a deficiência, mas sim, perceberem e valorizarem os sentidos humanos. Segundo a coordenadora da Secretaria da Diversidade e Políticas de Ações Afirmativas da Unesc, Janaína Damásio Vitório, o espaço possui objetos e situações que estimulam a percepção, hipervalorizam os sentidos para além dos sentidos que habitualmente utilizamos, oportunizando a reflexão sobre como percebemos o ambiente ao nosso redor.

Política Nacional de Educação Especial

A necessidade do fortalecimento da Política Nacional de Educação Especial estará no centro dos debates da semana. Segundo Janaína, a legislação brasileira que trata do assunto é relativamente nova e há uma preocupação com a sua atuação efetiva e fortalecimento. “A nova lei, que fala sobre a Política Nacional, tem 10 anos e como sabemos que está havendo um retrocesso nas políticas públicas no país, existe a possibilidade de quererem alterar algo e por isso estamos propondo este diálogo", comenta.

Um dos pontos fortes do evento, será a participação de diferentes grupos nos debates, possibilitando que cada um exponha suas demandas e reflita junto alternativas para as mudanças necessárias.

Segundo a aluna de Psicologia da Unesc e estagiária de Psicologia Social na Secretaria da Diversidade, Daniela Cardoso de Oliveira, houve uma preocupação na hora de ouvir e falar com públicos diferentes, incluindo acadêmicos com deficiência, professores e estudantes que estão se preparando para atuar em escolas nos próximos anos, como profissionais. “É interessante que eles saibam mais sobre as deficiências, vendo as perspectivas dos alunos e quais as demandas que temos no campus com pessoas que vivem isso diariamente, para ver o que pode se propor de mudanças à Instituição. Às vezes, algo bem simples pode ajudar muito”, afirma estagiária de Psicologia Social.

Já a coordenadora da Secretaria de Diversidade, complementa que o diálogo é importante, a legislação, as metodologias e os profissionais formados, mas as atitudes são igualmente valiosas. “Temos que romper as barreiras. O encontro com diversos grupos foi pensado para que elas percebam que às vezes, as atitudes são barreiras maiores que qualquer obstáculo físico”, ressalta Janaína.

Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência


O Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência (21/9), foi instituído em 14 de julho de 2005, e sua escolha está relacionada ao início da Primavera e coincide com o Dia da Árvore, datas que representam a renovação. Para o movimento social das pessoas com deficiência, é data de renovar também a cidadania e a participação social.

Na Unesc, a data inspirou a criação da Semana da Pessoa com Deficiência, que em 2018 é organizada pelo CER (Centro Especializado em Reabilitação) e pela Secretaria de Diversidades e Políticas de Ações Afirmativas, juntamente com o Nuprevips (Núcleo de Prevenção às Violências e Promoção da Saúde), Setor de Arte e Cultura, cursos de Artes Visuais, de Psicologia e de Teatro da Universidade, Sama (Sala Multifuncional de Aprendizagem) e Núcleo de Saúde Coletiva.

A Semana conta ainda com a parceria do Codec (Conselho Municipal de Direitos da Pessoa Com Deficiência), Secretaria de Educação de Criciúma, Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) e Sine (Sistema Nacional de Emprego) de Criciúma.

Mais informações

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 13 de setembro de 2018 às 17:26
Compartilhar Comente

Projeto de estudantes da Unesc convida a falar sobre arte

Projeto de estudantes da Unesc convida a falar sobre arte
Iniciativa promoveu mais um encontro nesta quarta-feira (Foto: Leonardo Ferreira) Mais imagens

O Laboratório Fantasma está criando mais um espaço para discussão sobre arte na Unesc. Nesta quarta-feira (12/9) os participantes se reuniram na Sala Edi Balod para fomentar a criatividade e socializar impressões sobre a exposição “Escultura na Cabeça”. A exposição foi oficialmente aberta ao público no dia 3 de setembro e é resultado do trabalho de 48 estudantes do curso de Artes Visuais.

A acadêmica Lia Jeremias, propositora do projeto, explica que a ideia surgiu da necessidade de incentivar a discussão das manifestações artísticas no campus. “Como estudantes de Licenciatura, sentimos falta de um espaço maior para falar sobre a arte, aplicar o conhecimento adquirido em sala de aula e socializar as reflexões criadas a partir de cada exposição”, conta.

A ideia é que o Laboratório acontelça sempre na semana seguinte após a abertura de uma exposição na Sala Edi Balod. Para participar basta comparecer ao encontro. A programação está disponível na página do evento no Facebook.

Espaço de criação


Há cerca de seis meses, a Unesc incentivou artistas da região a trazerem suas iniciativas para o campus por meio da “Ocupação da Sala Edi Balod da Universidade”. Nesta oportunidade, Lia e o estudante Cristiano Steinmetz, conhecido como CJ, propuseram este espaço. Saiba mais sobre o edital clicando aqui.   

Segundo Cristiano, o objetivo é colocar em debate o que se vê no espaço e criar oportunidades para falar sobre arte e cultura.

Conheça a exposição “Escultura na Cabeça”.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 12 de setembro de 2018 às 21:19
Compartilhar Comente

Sala Edi Balod recebe exposição Escultura na Cabeça

Sala Edi Balod recebe exposição Escultura na Cabeça
A mostra conta com produções de 48 artistas (Fotos: Vitor Netto) Mais imagens

A exposição “Escultura na Cabeça” foi oficialmente aberta ao público nesta segunda-feira (3/9), na Sala Edi Balod da Unesc. A proposta, realizada pelos acadêmicos do curso de Artes Visuais (Bacharelado e Licenciatura) da Universidade, foi idealizada e desenvolvida nas disciplinas de Escultura e Pesquisa e Ateliê de Escultura e coordenada pela professora Odete Calderan, durante os anos de 2016 e 2017.

O mote para o processo criativo e reflexivo se constrói centrado nos sentidos, valendo-se de gestos mínimos na composição da ‘escultura-corpo’ a fim de contemplar as mais variadas interferências, a partir do uso de objetos do cotidiano, com o objetivo de desestabilizar a percepção do observador.

Assim, 48 estudantes de Artes Visuais têm obras artísticas expostas no local. “Os acadêmicos elaboram suas produções como dispositivos que vão além do ato de esculpir, grafar, pintar e registrar ampliado pelas poéticas pessoais, e muito frequentemente, transforma-se em exercício sensível de experimentação criativa”, explica Odete.

De acordo com a coordenadora do curso de Artes Visuais, Aurélia Honorato, a temática faz com que os acadêmicos utilizem a sua cabeça como suporte da escultura. “A ideia foi de que o aluno pense a sua cabeça e monte, a partir das suas vivências, a obra de arte em si e então fotografe isso para a exposição”, ressalta.

Com a obra “My body, my rules”, a acadêmica Maiara Orben produziu sua obra em 2017 e buscou apresentar a sua vivência familiar na montagem e transmitir liberdade para o seu papel. “Minha família é recada e conservadora, então eu tive o objetivo de mostrar que eu sou mulher e livre”, explica. Além disso, Maiara trouxe em sua obra, o artesanato. “Eu incluí no meu trabalho o crochê, que eu faço e também é uma linguagem da arte”, complementa.

Já o acadêmico e estagiário da Sala Edi Balod, João Luís Ribeiro, que produziu a sua obra “B-Gud” em 2016, explica que na época abordou algo que representasse o momento em que estava vivendo. “Eu trouxe uma brincadeira de amigos, pois eu era conhecido como ‘Jhony B-Gud’, um cara que curtia e fazia rap”. O artista explica que hoje a abordagem seria diferente. “Eu faria algo relacionado com os protestos e tudo o que está acontecendo no país”.

A exposição fica aberta até o dia 21 de setembro. A Sala Edi Balod fica localizada no Bloco Administrativo da Universidade.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

04 de setembro de 2018 às 15:29
Compartilhar Comente

Egressos trabalham a arte postal em oficina aberta para a comunidade

Egressos trabalham a arte postal em oficina aberta para a comunidade
Oficina de Arte Postal ocorreu sábado (Fotos: Divulgação) Mais imagens

No sábado (25/8), o Coletivo Fonte realizou na a Oficina de Arte Postal, em parceria com a Sala Edi Balod, que abrigou o encontro. A Oficina tem o objetivo de abordar a vertente artística que se caracteriza pela comunicação através de correspondências.

A Arte Postal é uma forma de expressão que surgiu em meados dos anos 1960, e funciona por meio de cartas, fanzines, envelopes, cartões postais, selos que são enviados pelo correio. “Serve como uma forma de troca sem comércio. Vem no momento de ruptura de algumas tradições artísticas e serve também como uma forma de comunicação em rede e intercâmbio de trabalhos”, comenta a artista e participante do Coletivo Fonte, Bruna Ribeiro.

O Coletivo Fonte é um grupo de artistas formados pelos egressos do curso de Artes Visuais da Unesc, Adrieli Roman, Anna Gallas, Bruna Ribeiro e Matheus Abel e pelo professor Alan Cichela e que aborda temas sobre arte e produz obras a partir de suas vivências. Ao final da oficina, o objetivo é de que os trabalhos sejam expostos na Sala Edi Balod.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 27 de agosto de 2018 às 16:40
Compartilhar Comente

Encontro de professores de artes é encerrado com saldo positivo

Encontro de professores de artes é encerrado com saldo positivo
13º Colóquio Sobre Ensino de Artes e o 4º Encontro Regional da Faeb Sul reuniu profissionais e alunos do Sul do país (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

Foram encerrados, na tarde desta sexta-feira, o 13º Colóquio Sobre Ensino de Artes e o 4º Encontro Regional da Faeb Sul (Federação de Arte Educadores do Brasil), realizados desde quarta-feira na estrutura da Unesc. Os eventos reuniram profissionais de Santa Catarina, do Paraná e do Rio Grande do Sul para extensa programação que teve como tema central o “Ensino de Arte e Políticas Públicas: manutenção dos direitos e novas conquistas”.

A professora Lucinea Dobrychlop veio de Curitiba especialmente para participar das atividades na Unesc. Conforme ela, além da estrutura da Universidade que ofereceu todo o conforto ao evento,  o conteúdo compartilhado foi muito válido. “Vejo a troca de informações que tivemos como algo muito importante porque isso nos alimenta de força, de coragem e de ideias para trabalhar em busca do melhor para os nossos alunos”, comentou. Para ela, o compartilhamento de problemáticas parecidas faz com que todos se sintam acolhidos e colaborem um com o outro. “Muitas vezes apenas conversando sobre uma preocupação ou problema que encaramos na nossa realidade, nós já ouvimos boas sugestões de professores que conseguiram superar questões parecidas, por exemplo”, completou.

Acolhimento na Unesc

Para a presidente eleita da Associação de Arte Educadores de Santa Catarina (AAESC), Cristiane Pedrini Ugolini, é sempre bom ser recebido na Unesc. “Essa é uma das poucas universidades privadas que abrem suas portas para eventos da associação. Estar aqui mais uma vez foi muito proveitoso e saímos bem felizes pelo resultado do encontro”, afirmou.

Conforme a coordenadora do curso de Artes Visuais da Unesc, Aurélia Regina de Souza Honorato, a participação dos visitantes de fora da cidade e dos próprios acadêmicos do curso que puderam aproveitar alguns momentos do encontro foi muito importante. “É um evento que qualifica a nossa área e também qualifica a Universidade, já que ela recebe todos esses profissionais para discussões ricas sobre temas importantes muito atuais”, declara.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 24 de agosto de 2018 às 21:06
Compartilhar Comente