Centro de memória da Educação do Sul de Santa Catarina da Unesc

imagem do site
Newsletter Newsletter RSS RSS

Unesc é a segunda melhor universidade brasileira não pública, segundo índice inédito

Unesc é a segunda melhor universidade brasileira não pública, segundo índice inédito
Estudo foi realizado pela Brasil Júnior, com apoio da consultoria McKinsey Mais imagens

Formar empreendedores tem sido um desafio no cenário educacional. E a Unesc foi reconhecida como a segunda melhor Instituição de Ensino Superior do Brasil, entre as não-públicas, segundo o Índice das Universidades Empreendedoras. O estudo inédito foi realizado pela Brasil Júnior, com apoio da consultoria McKinsey, e divulgado em novembro pela revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

“Ser reconhecida em segundo lugar no índice das universidades empreendedoras do Brasil é resultado do trabalho de qualidade desenvolvido há 48 anos pela Unesc. Somos uma Instituição comunitária preocupada com a formação de nossos alunos e a comunidade regional e reconhecida frequentemente pela excelência em diversos aspectos, incluindo ensino de qualidade, pesquisa, extensão, estrutura e qualificação dos professores”, destaca o reitor Gildo Volpato.

Destaque para a Infraestrutura e Cultura Empreendedora

Nos critérios avaliados pelo Índice das Universidades Empreendedoras, a Unesc se destaca, entre todas as universidades, públicas e privadas, em dois. A Instituição aparece como a segunda melhor do Brasil, no critério “Cultura Empreendedora, e a terceira melhor no segmento “Infraestrutura”, entre todas as universidades, públicas e privadas.

Quando o assunto é “Infraestrutura”, a Unesc aparece ao lado da PUC-Rio (1º) e Unicamp (2ª). Neste critério foi avaliado a qualidade da infraestrutura física e internet, além da instalação de um parque tecnológico e suas parcerias. “É um reconhecimento a estrutura que temos, com os laboratórios de alto nível; uma Biblioteca recém-inaugurada; o Iparque (Parque Científico e Tecnológico), e todos os espaços: salas de aula, Clínicas Integradas, Centros de Práticas, Sala de Negócios, Espaço das Empresas Juniores, Sala de Metodologia Ativas, entre outras”, ressalta a pró-reitora de Administração e Finanças, Kátia Sorato.

No critério “Cultura Empreendedora” a Unesc ficou atrás apenas da UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco). Nele foi avaliado a postura empreendedora dos professores e alunos, além da quantidade de disciplinas de empreendedorismo durante os cursos de graduação. “Introduzir o empreendedorismo para melhorar o ambiente de vida da geração atual e futura é algo muito próximo da nossa missão. Na Unesc ajudamos a preparar os alunos para sua vida e também para o mundo profissional. Um exemplo é o trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Empreendedorismo. Nos orgulha muito receber esse reconhecimento nacional”, comenta a pró-reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, Luciane Ceretta.

A melhor do Sul do Brasil entre as não-públicas

Entre as instituições avaliadas, a Unesc é a melhor Universidade não pública da região Sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). Ela aparece no Índice das Universidades Empreendedoras entre as 5 melhores da região, junto com UFSM (Universidade Federal de Santa Maria), UEM (Universidade Estadual de Maringá), UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

Como foi feito o estudo

A pesquisa foi realizada por meio de um questionário online que ouviu 5.975 alunos e 318 professores de 43 universidades de todo Brasil. Para elaborar o Índice das Universidades Empreendedoras foram selecionadas as 100 melhores universidades presentes na última edição do RUF (Ranking Universitário da Folha de São Paulo). Dessas, foram excluídas aquelas que não possuíam Empresas Juniores associadas, Enactus (organização internacional sem fins lucrativos dedicada a inspirar os alunos a melhorar o mundo através da Ação Empreendedora), Aiesec (Associação Internacional de Estudantes em Ciências Econômicas e Comerciais) ou núcleo da Rede CsF (Ciência sem Fronteiras), entidades que estimulam o empreendedorismo no ambiente universitário.

A partir das respostas dos questionários online concluiu-se que uma universidade empreendedora leva em conta os seguintes critérios: Cultura Empreendedora (postura empreendedora dos professores e alunos, disciplinas de empreendedorismo); Inovação (pesquisa, patentes, proximidade IES-empresas); Extensão (redes de contato, projetos de extensão); Infraestrutura (qualidade, parque tecnológico); Internacionalização (intercâmbio, publicações e citações internacionais); Capital Financeiro (orçamento, endowment/doação da sociedade civil).

Saiba mais sobre o Índice

 

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Davi Carrer 06 de dezembro de 2016 às 10:57
Compartilhar Comente (1)

Exposição de Edi Balod traz sua trajetória artística à Unesc

Exposição de Edi Balod traz sua trajetória artística à Unesc
Abertura ocorre nesta segunda-feira (Foto: Arquivo) Mais imagens

Saboreando cada caminho que passa, o artista Edi Balod transforma sua trajetória em arte. São experimentos, visões e vivências compondo um universo tão particular, que transborda uma essência única e cheia de significado. Esse mundo será aberto para aqueles que tiverem interesse em mergulhar, ele será o eixo da exposição do artista, intitulada “À Deriva, à Espreita”. A abertura da mostra ocorre nesta segunda-feira (12/9), às 20h30, na Sala Edi Balod, localizada no campus da Unesc.

Os curadores da exposição, professores Amalhene Baesso Reddig e Marcelo Feldhaus, comentaram que a busca interior de Edi Balod se materializa em cenários artísticos e obras de arte que encantam pela multiplicidade de temas, sensibilidade e denúncia. “Ele é daqueles artistas que com paciência elabora sua produção experimentando técnicas. Iniciadas com a escultura em madeira e pedra, seguidas por desenhos, entalhes, pinturas, instalações, poesias, dobraduras e muito mais”, ressaltaram os professores.

A exposição fica aberta para visitação até 14 de outubro e é desenvolvida por meio da Propex (Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão), da UNA HCE (Unidade Acadêmica de Humanidades, Ciências e Educação), do curso de Artes Visuais – Bacharelado e Licenciatura, do Setor de Arte e Cultura e do CEDOC (Centro de Memória e Documentação da Unesc).

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Mayra Antonio De Lima 09 de setembro de 2016 às 20:17
Compartilhar Comente

Patrimônio industrial de Criciúma tem grande potencial

Patrimônio industrial de Criciúma tem grande potencial
Pesquisadora da Unicamp debateu sobre o assunto na Unesc (Fotos: Mayra Lima) Mais imagens

A preocupação da preservação do patrimônio industrial é relativamente nova. Ela se refere aos vestígios deixados pela indústria, em seus diversos seguimentos. Em Criciúma temos um exemplo claro em nossas minas, que compõem a história do município por meio de suas construções. Mas por mais que seja visível a importância desses lugares para a história, no Brasil, o patrimônio industrial ainda é pouco falado.

O tema foi debatido durante a abertura do 4º Colóquio de História e Educação da Unesc. O assunto foi abordado pela doutora da Unicamp Cristina Meneguello. Segundo ela, Criciúma tem um alto potencial, entretanto falta entender a importância de preservar a memória por meio de suas construções.

“Quando falamos em patrimônio, trazemos a perspectiva da importância da memória. E por não serem esteticamente atrativos, os patrimônios industriais ainda são deixados de lado em nosso país. É preciso proteger nossas marcas, sejam elas por meio da paisagem, da história oral ou da memória de trabalhadores, mesmo que elas não sejam consideradas belas”, comentou Cristina.

A professora ainda trouxe como exemplo a destruição da primeira fábrica de cerveja do Rio de Janeiro. “Eles destruíram a fábrica, que contava parte da história da cidade, para ampliar o Sambódromo do Rio. E ainda divulgaram vídeos da demolição, achando lindo aquele prédio vindo à baixo, mas na realidade aquilo foi muito triste”, contou.

O Colóquio


As discussões do encontro seguem até quarta-feira (17/8). O segundo dia terá uma mesa redonda sobre “Experiências de preservação do patrimônio escolar” e debates divididos em três eixos temáticos: “Experiências de preservação da memória escolar”, “Educação Patrimonial e educação escolar” e “Arte, cultura e educação: identidade e memória”.

O Colóquio é gratuito e direcionado a pesquisadores de história, da educação e da história da educação, professores de todos os níveis de ensino, alunos dos cursos de Licenciatura e educadores em geral.

Informações e Inscrições

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Mayra Antonio De Lima 16 de agosto de 2016 às 21:25
Compartilhar Comente

Cedoc recebe alunos do Ensino Fundamental para atividade

Cedoc recebe alunos do Ensino Fundamental para atividade
Estudantes de Criciúma estiveram na Unesc nesta segunda-feira (Foto: Divulgação) Mais imagens

O Cedoc (Centro de Memória e Documentação da Unesc) recebeu, nesta segunda-feira (15/8), alunos da oitava série do Ensino Fundamental da Escola José Rosso, de Criciúma para a atividade “Indústria Carbonífera em Criciúma: Trabalho, Cidade e Operários (as)”, ministrada pela professora da Unesc Michele Gonçalves Cardoso. A atividade educativa faz parte de uma parceria entre o Cedoc e a Secretaria Municipal de Educação.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 16 de agosto de 2016 às 18:26
Compartilhar Comente

Cedoc realiza atividades com professores da rede municipal

Cedoc realiza atividades com professores da rede municipal
Atividade ocorreu nesta quarta-feira (Fotos: Divulgação) Mais imagens

O Cedoc (Centro de Memória e Documentação da Unesc) realizou uma formação nesta quarta-feira (10/8) com professores das disciplinas de História, Artes e Informática da rede municipal de Criciúma. A atividade teve como objetivo instrumentalizar sobre o uso e a produção de audiovisual em sala de aula.

O coordenador do Cedoc, Tiago da Silva Coelho, e a equipe do Centro de Memória e Documentação ministraram a capacitação, que foi dividida em duas etapas: uma teórica e uma prática em que os professores produziram audiovisuais de poucos minutos sobre histórias de Criciúma.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Milena Spilere Nandi 11 de agosto de 2016 às 21:19
Compartilhar Comente