Grupo De Estudos e Pesquisa em Desenvolvimento Docente e o Mundo do Trabalho em Educação Física

Newsletter Newsletter RSS RSS

Unesc é a segunda melhor universidade brasileira não pública, segundo índice inédito

Unesc é a segunda melhor universidade brasileira não pública, segundo índice inédito
Estudo foi realizado pela Brasil Júnior, com apoio da consultoria McKinsey Mais imagens

Formar empreendedores tem sido um desafio no cenário educacional. E a Unesc foi reconhecida como a segunda melhor Instituição de Ensino Superior do Brasil, entre as não-públicas, segundo o Índice das Universidades Empreendedoras. O estudo inédito foi realizado pela Brasil Júnior, com apoio da consultoria McKinsey, e divulgado em novembro pela revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

“Ser reconhecida em segundo lugar no índice das universidades empreendedoras do Brasil é resultado do trabalho de qualidade desenvolvido há 48 anos pela Unesc. Somos uma Instituição comunitária preocupada com a formação de nossos alunos e a comunidade regional e reconhecida frequentemente pela excelência em diversos aspectos, incluindo ensino de qualidade, pesquisa, extensão, estrutura e qualificação dos professores”, destaca o reitor Gildo Volpato.

Destaque para a Infraestrutura e Cultura Empreendedora

Nos critérios avaliados pelo Índice das Universidades Empreendedoras, a Unesc se destaca, entre todas as universidades, públicas e privadas, em dois. A Instituição aparece como a segunda melhor do Brasil, no critério “Cultura Empreendedora, e a terceira melhor no segmento “Infraestrutura”, entre todas as universidades, públicas e privadas.

Quando o assunto é “Infraestrutura”, a Unesc aparece ao lado da PUC-Rio (1º) e Unicamp (2ª). Neste critério foi avaliado a qualidade da infraestrutura física e internet, além da instalação de um parque tecnológico e suas parcerias. “É um reconhecimento a estrutura que temos, com os laboratórios de alto nível; uma Biblioteca recém-inaugurada; o Iparque (Parque Científico e Tecnológico), e todos os espaços: salas de aula, Clínicas Integradas, Centros de Práticas, Sala de Negócios, Espaço das Empresas Juniores, Sala de Metodologia Ativas, entre outras”, ressalta a pró-reitora de Administração e Finanças, Kátia Sorato.

No critério “Cultura Empreendedora” a Unesc ficou atrás apenas da UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco). Nele foi avaliado a postura empreendedora dos professores e alunos, além da quantidade de disciplinas de empreendedorismo durante os cursos de graduação. “Introduzir o empreendedorismo para melhorar o ambiente de vida da geração atual e futura é algo muito próximo da nossa missão. Na Unesc ajudamos a preparar os alunos para sua vida e também para o mundo profissional. Um exemplo é o trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Empreendedorismo. Nos orgulha muito receber esse reconhecimento nacional”, comenta a pró-reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, Luciane Ceretta.

A melhor do Sul do Brasil entre as não-públicas

Entre as instituições avaliadas, a Unesc é a melhor Universidade não pública da região Sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). Ela aparece no Índice das Universidades Empreendedoras entre as 5 melhores da região, junto com UFSM (Universidade Federal de Santa Maria), UEM (Universidade Estadual de Maringá), UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

Como foi feito o estudo

A pesquisa foi realizada por meio de um questionário online que ouviu 5.975 alunos e 318 professores de 43 universidades de todo Brasil. Para elaborar o Índice das Universidades Empreendedoras foram selecionadas as 100 melhores universidades presentes na última edição do RUF (Ranking Universitário da Folha de São Paulo). Dessas, foram excluídas aquelas que não possuíam Empresas Juniores associadas, Enactus (organização internacional sem fins lucrativos dedicada a inspirar os alunos a melhorar o mundo através da Ação Empreendedora), Aiesec (Associação Internacional de Estudantes em Ciências Econômicas e Comerciais) ou núcleo da Rede CsF (Ciência sem Fronteiras), entidades que estimulam o empreendedorismo no ambiente universitário.

A partir das respostas dos questionários online concluiu-se que uma universidade empreendedora leva em conta os seguintes critérios: Cultura Empreendedora (postura empreendedora dos professores e alunos, disciplinas de empreendedorismo); Inovação (pesquisa, patentes, proximidade IES-empresas); Extensão (redes de contato, projetos de extensão); Infraestrutura (qualidade, parque tecnológico); Internacionalização (intercâmbio, publicações e citações internacionais); Capital Financeiro (orçamento, endowment/doação da sociedade civil).

Saiba mais sobre o Índice

 

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Postado por: Davi Carrer 06 de dezembro de 2016 às 10:57
Compartilhar Comente (2)

GPOM participa do IV Congresso Estadual de Educação Física na Escola, em Lajeado, RS

 O IV Congresso Estadual de Educação Física na Escola é um evento em nível estadual que busca dar continuidade ao desenvolvimento histórico de atividades de formação inicial e continuada para professores na área da Educação Física escolar promovidas pelo Curso de Educação Física - Licenciatura do Centro Universitário UNIVATES, de Lajeado/RS. Essa edição tem como propósito discutir sobre a cultura corporal de movimento, tratando da diversidade e do ensino. O Congresso tem caráter científico e serão desenvolvidas, na sua programação, palestras temáticas, apresentações orais de relatos de experiência e pesquisas científicas e oficinas. Propõe-se a criar um espaço para discussão e troca de experiências entre acadêmicos, pesquisadores e profissionais de Educação Física e áreas afins, acerca da Educação Física no contexto escolar.

Neste ano, os bolsistas de iniciação científica e mestrandas vinculados ao GPOM, apresentaram os seguintes trabalhos

:O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM INÍCIO DE CARREIRA: O TRABALHO DOCENTE EM FOCO

Lediana Ribeiro de Quadros; Jéssica Serafim Frasson; Victor Julierme S. da Conceição

 

“O QUE ME MANTEM NESTA ESCOLA?”: A RESILIÊNCIA NA PERSPECTIVA DE UMA PROFESSORA DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA

Rita de Cássia Lindner Kaefer; Camila da Rosa Medeiros; Fabiano Bossle

 

A RELAÇÃO ENTRE O INÍCIO DE CARREIRA E O DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA PROFISSIONAL DE UMA PROFESSORA INICIANTE DA REDE MUNICIPAL DE CRICIÚMASC

Camila da Rosa Medeiros; Marília de Souza Fratoni; Victor Julierme S. da Conceição

 

O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA AUTONOMIA PROFISSIONAL: DEFINIÇÕES TEÓRIOMETODOLÓGICAS PARA UMA ETNOGRAFIA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PORTO ALEGRE

Camila da Rosa Medeiros; Jacqueline Zilberstein; Luciana de Oliveira Nunes; Fabiano Bossle

 

EXPERIÊNCIAS DOCENTES NA FORMAÇÃO INICIAL E O PROCESSO FORMATIVO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Jéssica Serafim Frasson; Jaqueline Blasius; Victor Julierme S. da Conceição

 

FORMAÇÃO PERMANENTE DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES: SABERES DA DOCÊNCIA

Viviani Dias Cardoso Lediana Ribeiro de Quadros Victor Julierme S. da Conceição

 

INFLUÊNCIAS DE UM PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOCENTE NO INÍCIO DA CARREIRA NA PRÁXIS EDUCATIVA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARTICIPANTES

Viviani Dias Cardoso; Gildo Volpato; Victor Julierme S. da Conceição

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais informações: https://www.univates.br/congressoef

Postado por: Victor Julierme Santos Da Conceicao 30 de maio de 2015 às 15:15
Compartilhar Comente

Alunos e egressos de Educação Física participam de debate sobre a formação do professor

Alunos e egressos de Educação Física participam de debate sobre a formação do professor
Celie Taffarel, da Unicamp, falou sobre a adoção do currículo ampliado (Fotos: Milena Nandi) Mais imagens

O contexto histórico da formação dos profissionais de Educação Física e a adoção de um currículo ampliado nas Instituições de Ensino com o intuito de unificar a Licenciatura e o Bacharelado foram os principais pontos abordados pela professora doutora da Universidade Federal da Bahia, Celie Taffarel, na noite desta sexta-feira (29/5) na Unesc. Ela conversou com acadêmicos e egressos sobre o “Currículo na Formação do Professor de Educação Física”.

Celie é estudiosa e defensora da unificação do currículo de formação em Educação Física. “Porque não se defende a unificação e continua-se com a separação em Bacharelado e Licenciatura? Isso é desqualificar o profissional, que poderia sair da graduação com uma formação ampliada”, argumenta.

Celie é licenciada em Educação Física pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), possui doutorado em Educação na Unicamp e Pós-Doutorado em Oldenburg Alemanha.

O debate foi mediado pelo coordenador do PPGE (Programa de Pós-Graduação em Educação da Unesc), Vidalcir Ortigara, e teve a participação da coordenadora de Extensão da UNA HCE (Unidade Acadêmica de Humanidades, Ciências e Educação), Ana Lúcia Cardoso; do coordenador do curso de Educação Física, Carlos Augusto Euzébio, e da presidente do CA, Daniela Soares.

Fonte: Secom

Postado por: Milena Spilere Nandi 29 de maio de 2015 às 21:27
Compartilhar Comente

GPOM aprova pesquisa financiada pela CHAMADA MCTI/CNPQ/MEC/CAPES Nº 22/2014

 PROGRAMA DE MENTORIA: PERCURSOS E EXPERIÊNCIAS DOCENTES PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO DA CARREIRARESUMO

 Este projeto de pesquisa tem como OBJETIVO GERAL: Compreender a influência de um programa de mentoria presencial para professores de educação física no início da docência, levando em consideração a construção de um espaço de socialização docente, onde, em um movimento reflexivo, possam compreender e ressignificar a sua prática pedagógica para uma atuação crítica e autônoma. Os OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Oferecer aos professores iniciantes momentos de reflexão sobre a sua prática pedagógica; Contribuir para a inserção dos professores iniciantes na cultura escolar, possibilitando uma leitura mais avançada sobre a realidade de atuação reduzindo os movimentos de sobrevivência e ampliando a descoberta da prática educativa; Possibilitar o auxílio para que os professores iniciantes busquem a resolução de problemas concretos que ocorrem no âmbito escolar; Oferecer subsídios teórico/práticos para que os professores possam compreender continuamente a profissão e instrumentalizá-los no desenvolvimento de suas práticas; Auxiliar os professores iniciantes no processo de construção de sua identidade como professores de Educação Física e na carreira docente; Oferecer subsídios para que os iniciantes conheçam suas condições de trabalho e compreendam a relação desta com o seu desenvolvimento profissional no âmbito da escola. Estes objetivos foram construídas a partir da seguinte problemática: A partir das relações de socialização construídas em um programa de mentoria, como os professores de educação física no início da docência constroem a sua identidade docente e ressignificam a sua prática educativa na cultura escolar? O processo metodológico segue o princípio da pesquisa ação, buscando estabelecer e descrever um estado inicial, e construir ações que contribuam para a chegada á um estado final, ou seja, a proposta de mudanças das necessidades educativas que realmente sejam significativas para os sujeitos do processo. Neste sentido, será organizado um programa de mentoria presencial com professores de Educação Física no início da docência da mesorregião Sul de Santa Catarina. Para este projeto de pesquisa, serão seguidos os seguintes passos: Primeira fase: exploração geral da comunidade - Nesta fase pretendemos abordar a realidade educacional, e analisar através de estudo descritivo exploratório as ações pedagógicas dos professores. Segunda fase: identificação das necessidades básicas (compreensão dos processos coercitivos) - análise das necessidades na formação de professores e construção de um quadro de necessidades específicas da formação continuada. Terceira fase: estratégia educativa (em busca do estado final) – processo de ação sobre o que foi levantado construção da proposta de debate sobre a realidade educacional, a cultura escolar, as dificuldades formativas e de prática educativa. Como instrumentos de coleta de dados serão utilizados os seguintes: grupo focal, observação participante, diário de campo e entrevista semiestruturada. 

 

 

 

Mais informações: http://www.unesc.net/portal/blog/ver/307/28769

Postado por: Victor Julierme Santos Da Conceicao 18 de dezembro de 2014 às 23:14
Compartilhar Comente

Pesquisadores do GPOM participam da X ANPED Sul – Reunião Científica da ANPED.

Mais informações: http://xanpedsul.faed.udesc.br/

Postado por: Victor Julierme Santos Da Conceicao 09 de outubro de 2014 às 14:53
Compartilhar Comente