Iparque

Estação Meteorológica da Unesc contribuiu com dados de alta precisão e proporciona segurança ao Sul de Santa Catarina

Estação Meteorológica da Unesc contribuiu com dados de alta precisão e proporciona segurança ao Sul de Santa Catarina
Estação está aberta a visitação de escolas para fomento à ciência (Foto: ArquivoUnesc) Mais imagens

O Sul de Santa Catarina registrará  temperaturas elevadas nos próximos dias, seguidas de frio e possibilidade de temporais. Diante de mudanças extremas no clima, a Estação Meteorológica da Unesc tem contribuído com informação em tempo real para empreendimentos que utilizam-se do tempo e garantido uma reação rápida das autoridades diante de possíveis situações de risco. 

Em Criciúma, a Universidade foi pioneira e desenvolveu sua estação no Ipat (Instituto de Pesquisas Ambientais e Tecnológicas), localizado no Iparque (Parque Científico e Tecnológico), em 2009. A implantação da estrutura foi realizada em uma parceria entre Unesc, Famcri (Fundação do Meio Ambiente de Criciúma), Condema (Conselho de Defesa do Meio Ambiente de Criciúma) e Epagri (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina). “Atualmente, a Empresa de Pesquisa utiliza-se dos dados gerados no Iparque como referência estadual, que também são cedidos à comunidade e podem auxiliar em questões acadêmicas, subsidiando dados para pesquisas, e empresariais”, evidenciou o coordenador.

Outro importante papel desempenhado no local está ligado ao risco de desastres naturais. Com capacidade para monitorar direção e velocidade do vento, radiação solar, molhamento foliar, pressão atmosférica, temperatura, umidade e chuva. Galatto explica que a estação tem contribuído de maneira significativa nas previsões de eventos extremos como ventos, trovoadas, chuvas intensas e geadas. 

Em 2020, a ferramenta registrou, no dia 15 de julho, a temperatura mais baixa do ano: de 0,3°C. Já no dia 18 de fevereiro deste ano foi registrada a temperatura mais alta nos últimos 12 meses, de 39,28°C. No último mês,  setembro, a temperatura mínima registrada foi de 4,04°C, no dia 21, e a máxima de 29,38°C, no dia 24. O maior volume de precipitação pluviométrica registrada em 1 hora foi de 18,8 mm no dia 1 de abril. O maior volume de chuva de registrada com duração de 1 dia, foi de 80,4mm, ocorrida em 7 de julho.

Formada por um conjunto de instrumentos e sensores, que captam dados para análise meteorológica, a ferramenta tem, em uma área de 591 metros quadrados em forma octogonal, uma cinta de blocos de concreto, uma torre de mais de nove metros e o pluviômetro da estação, responsável por monitorar a quantidade de chuva. 

Também contribuindo para a educação, no ano de 2019 a Estação recebeu mais de 130 visitas de escolas da região. “Além de uma importante inovação tecnológica para a região na época, a Estação também agrega a questões de educação e fomento da ciência, recebendo anualmente estudantes de escolas do Sul de Santa Catarina e norte do Rio Grande do Sul”, destaca o coordenador de projetos ambientais, Sérgio Luciano Galatto. 

Para realizar uma visita ao local, o Parque Científico disponibiliza os contatos (48) 3444-3766 e 3444-3740.

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

14 de outubro de 2020 às 18:13
Compartilhar Comente

Universidade recebe presidente da Fapesc para encontro sobre Plataforma de Inovação das Instituições Comunitárias

Universidade recebe presidente da Fapesc para encontro sobre Plataforma de Inovação das Instituições Comunitárias
Reitora da Unesc debateu com representantes da Fapesc e da Acafe a implantação de um projeto envolvendo 16 IES (Fotos: Milena Nandi) Mais imagens

O Parque Científico e Tecnológico da Unesc (Iparque), foi palco de uma importante reunião na manhã desta quinta-feira (17/9), com a presença da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc) e da Associação Catarinense das Fundações Educacionais (Acafe). A reitora Luciane Bisognin Ceretta e membros da equipe de gestão da Universidade conheceram o projeto da Plataforma de Inovação das Instituições Comunitárias do Estado de Santa Catarina, dialogaram e deram sugestões para contribuir com a iniciativa.

“Este projeto irá apoiar a tomada de decisão tanto de gestores públicos, do setor produtivo e da própria Fapesc no direcionamento das políticas públicas a partir das informações sobre a inovação. A Unesc participa desse movimento de modo muito ativo, protagonizando esse trabalho na Amrec e na Amesc”, salienta a reitora da Unesc, que afirma que este movimento é essencial para que o que Santa Catarina tenha concentradas em um único local, todas as iniciativas de inovação, tanto de processos quanto de produtos.

O presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, reiterou o apoio da Fundação à iniciativa, e enfatizou a importância de um projeto integrativo para o fortalecimento do sistema e o crescimento das próprias instituições. “A plataforma será um avanço tanto para as instituições e irá colaborar para decisões mais assertivas tanto na geração quanto na execução de políticas públicas na área de ciência e inovação no Estado”.

A pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da Unesc, Gisele Coelho Lopes, reforça à Fapesc e o seu presidente como grandes parceiros das instituições comunitárias catarinenses e a importância do projeto para o desenvolvimento da ciência e da inovação em Santa Catarina. “Para nós é uma satisfação ter o presidente da Fapesc apoiando a pesquisa e a inovação instituições comunitárias que têm feito muito para o desenvolvimento das diversas regiões catarinenses”.

O assessor de Relações Institucionais da Acafe, Adriano Rodrigues, apresentou o projeto, que conta com o apoio da Fapesc. Segundo ele, a ideia é criar uma plataforma com dados e informações sobre todos os projetos desenvolvidos em pesquisa e inovação pelas 16 Instituições de Ensino Superior (IES) do Sistema Acafe. “O projeto é mais que uma plataforma de dados. Ele vai integrar tudo o que é produzido pelas IES e permitirá que seja os setores público e privado conheçam a potencialidade das nossas instituições nestas áreas. Queremos mostrar o tamanho que tem a Acafe”.

A pró-reitora pontuou ainda algumas sugestões para contribuir com o projeto. Segundo ela, o sistema poderia ser trabalhado em quatro eixos: Mapeamento (cadastro dos Grupos de Pesquisa (GPs), projetos e pesquisadores e dos laboratórios, suas competências e seus entregáveis); Integração (análise integrada dos projetos/GPs e laboratórios; mapeamento de projetos colaborativos e desenho e viabilização da sinergia entre IES e os pesquisadores envolvidos; Apoio (identificação de linhas de fomento aos projetos; mapeamento de oportunidades de transferência de tecnologia com o setor produtivo e público; mapeamento de oportunidades de prestação de serviços e integração e viabilização de projetos colaborativos na IES e entre as IES); Monitoramento (acompanhamento da execução dos projetos na IES e entre IES).

Neste momento, a Acafe e a Fapesc estão realizando visitas aos gestores das IES do Sistema Acafe para apresentar o projeto e dialogar sobre ideias e contribuições. O próximo passo será o encaminhamento de um questionário para que cada universidade ou centro universitário colete informações com o setor público e privado de sua região. A partir das respostas, será feito um diagnóstico, que deve ser apresentado às IES ainda em 2020. A intenção é que o desenho da plataforma esteja pronto até março de 2021.

Milena Nandi – Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

17 de setembro de 2020 às 21:15
Compartilhar Comente

UpAir: startup vinculada à Unesc propõe inovação e visibilidade para a aviação executiva

UpAir: startup vinculada à Unesc propõe inovação e visibilidade para a aviação executiva
Convênio entre Unesc e a startup já foi assinado Mais imagens

Diante do processo de reestruturação, a I-Tec.In (Incubadora tecnologica de ideias e negócios) já conta com cases de potencial sucesso nacional. Entre eles a UpAir, que entra no mercado da aviação executiva com a proposta de revolucionar a prestação de serviços do segmento. O convênio entre Unesc e a startup já foi assinado, e apresenta resultados positivos



De acordo com Germano  Baptista, CEO da UpAir, a proposta acompanha o cenário de imersão tecnológica, tornando o serviço de aviação mais acessível e encurtando processos. “A plataforma vai permitir o fretamento de aeronaves online, diretamente com o Táxi Aéreo, e sem intermediadores. O cliente terá o menor preço do mercado, aeronaves certificadas, e poderá comparar centenas de aeronaves em poucos minutos.”, explica. “O objetivo é que o produto logo esteja disponível, em um formato simples e direto. Para concretizar a ideia, recebemos de imediato o apoio da Unesc, que viu em nosso projeto grande potencial, o que considero extremamente importante para que a UpAir atinja seu potencial em um futuro breve”, completa Baptista.

A iniciativa, conforme o gerente de Inovação e Empreendedorismo, Paulo Priante, foi avaliada em conjunto com o coordenador da Incubadora, Gustavo Bisognin, e o resultado foi a constatação de um projeto com propósito e que apresenta a disrupção da solução. “Integramos a startup ao programa de incubação da Unesc no I-tec.in com objetivo de apoiar na estruturação do negócio e potencializar seus diferenciais, frente ao segmento de indústria”, explica priante.

Dentro da I-Tec.In, empreendimentos recebem o apoio da equipe da Aditt (Agência de Desenvolvimento, Inovação e Transferência de Tecnologia). Além de Priante e Bisognin, a equipe é composta pelo coordenador do NIT, Evanio Ramos Nicoleit (Núcleo de Inovação Tecnológica ); pela coordenadora do Núcleo de Empreendedorismo, Cristiane Dias; pelo coordenadora do Núcleo de Empreendedorismo de Araranguá, Diogo Moraes; pelo assessor de Inovação, Christan Engelmann, e pela assistente administrativa, Marina Dutra.

Para saber mais sobre a Incubadora e suas possibilidades o e-mail aditt@unesc.net está disponível. 

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

09 de setembro de 2020 às 17:02
Compartilhar Comente

Ciências, engenharias e tecnologias no enfrentamento ao coronavírus

Ciências, engenharias e tecnologias no enfrentamento ao coronavírus
Pesquisadores têm oferecido ferramentas e soluções ao longo da crise, que muitas vezes acabam não sendo percebidas (Imagem: ArquivoUnesc) Mais imagens

Por trás do enfrentamento à pandemia de Covid - 19, as ciências, engenharias e tecnologias se colocam como importantes e silenciosas aliadas da área da saúde, e por muitas vezes assumem o protagonismo para salvar vidas. Atuando no dia a dia de um hospital, no transporte público, nas instituições de ensino e no comércio, os produtos destas áreas do conhecimento muitas vezes passam despercebidos, mas estão lá: respiradores nas UTIs (Unidades de Tratamento Intensivo), mecanismos para higienização de ambientes, tratamento de resíduos e estratégias de distanciamento social são alguns exemplos.

Segundo o diretor de Pesquisa e Pós-Graduação da Unesc, Oscar Montedo, em meio a pandemia a importância destes profissionais pode ser percebida em diversos aspectos para combater o coronavírus. Na última semana, pesquisadores da Universidade entregaram a profissionais e estudantes de Odontologia um Equipamento de Proteção Odontológica com custo seis vezes menor do que os comercializados. “Podemos exemplificar este grande valor ao abordar o papel da área tecnológica, de disponibilizar meios, processos e equipamentos para o desempenho de uma atuação assertiva de profissionais de outras áreas do conhecimento. Após se analisar necessidade, neste momento muitas vezes apresentada por um profissional da área de saúde, o colaborador da área tecnológica estuda, desenvolve e implementa a solução mais adequada”, destaca Oscar.



Além da questão de valores, outros aspectos podem ser percebidos. O desenvolvimento de medicamentos e testes recebem grandes contribuições da Engenharia Química. Os softwares de análise e controle dos casos, sensores e respiradores mecânicos são entregues por profissionais de Ciência da Computação e Engenharia Mecânica.

Todos estes processos recebem o auxílio dos profissionais da Engenharia de Produção, que potencializam organizações e produções. Atuando de forma mais ampla, o profissional da Engenharia de Materiais realiza a fabricação e controle das ferramentas utilizadas nas mais variadas aplicações, como EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), itens básicos presentes nos hospitais, como gazes e seringas, e outros produtos relacionados às outras engenharias. “São áreas do conhecimento que se conectam. A atividade das engenharias, do Design, da Arquitetura, das ciências, enfim, da área tecnológica, se faz presente em tudo o que vemos: em uma construção, nos mais variados materiais e desenho de produtos, nos softwares, nos combustíveis, nas máquinas, em uma estrada, no tratamento de resíduos e outros lugares”, enfatiza Oscar.

Prevenção também é foco de atuação

Ao analisar as ações destas três áreas do conhecimento, destaca-se as contribuições para o enfrentamento do vírus. Porém, as ciências, engenharias e tecnologias também têm papel fundamental para a prevenção. Exames para detectar o coronavírus, pesquisas para a formulação de reagentes capazes de destruir o vírus no ar, álcool em gel e muitas outras ferramentas contam com o trabalho destes profissionais.

Na Unesc, o Projeto de Desenvolvimento e Produção de Protetores Faciais tem distribuído equipamentos gratuitamente aos profissionais das Clínicas Integradas da Universidade e em instituições de saúde da região. Até o momento, mais de 1.500 unidades já foram entregues.

Também em evidência, a Universidade concluiu em abril o primeiro projeto de higienização por ozônio para o combate da pandemia de Covid-19 do Sul do Brasil. A concretização da iniciativa foi simbolizada com a entrega do primeiro túnel de higienização por ozônio, localizado no Centro de Triagem do bairro Boa Vista.



Os equipamentos foram disponibilizados ao poder público de municípios do Sul de Santa Catarina, contribuindo para a segurança de profissionais de saúde em hospitais e centros de triagem. Com grande capacidade de desinfecção, 100 vezes mais potente do que o cloro e agindo até 3.120 vezes mais rápido, o ozônio pode zerar a contaminação de uma sala em cinco minutos.

Ao todo, a Universidade conta com mais de 20 projetos para combater a pandemia. Em grande parte, estas iniciativas são desenvolvidas por professores, funcionários e pesquisadores dos cursos das engenharias de Materiais, Mecânica, de Produção e Química; do Design – com ênfase em projeto de produtos, e de Ciências da Computação. O conhecimento toma forma no IDT (Instituto de Engenharia e Tecnologia), localizado em anexo ao Iparque (Parque Científico e Tecnológico) e conta em sua estrutura com laboratórios de Simulação de Modelos, Metrologia, Processamento de polímeros, usinagem e outros espaços de trabalho.

Matrículas abertas

Dentro deste universo das ciências, engenharias e tecnologias, a Unesc oferece uma formação de excelência, em uma Universidade avaliada com nota máxima pelo MEC (Ministério da Educação). Para viver esta experiência, as matrículas para o segundo semestre já estão abertas na Unesc, por meio do Ingresso sem vestibular.

As matrículas podem ser feitas por meio do contato com o Setor Comercial, no WhatsApp (48) 9 99150433 ou telefone (48) 3431-2500.

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

10 de julho de 2020 às 13:54
Compartilhar Comente

Unesc figura entre as melhores Universidades da América Latina

Unesc figura entre as melhores Universidades da América Latina
Reconhecimento foi trazido a público na semana de comemorações pela ciência no Brasil Mais imagens

O Sul de Santa Catarina conta com uma das melhores universidades da América Latina, atuante no ensino, pesquisa e extensão. A Unesc está na seleta lista da revista inglesa THE (Times Higher Education), com a posição 125 do Ranking Universitário Latino Americano. O reconhecimento  foi trazido a público nesta terça-feira (7/7), na semana de comemorações pelo Dia Nacional da Ciência e Dia Nacional do Pesquisador, lembrados pontualmente em 8 de julho.

Com o objetivo de reconhecer as melhores instituições de ensino localizadas entre Uruguai e México, a THE  realiza seu estudo com base em 13 rigorosos indicadores de desempenho. Em Santa Catarina, a Unesc foi a mais bem colocada entre as não-estatais.“Nossa Universidade, ao longo destes 52 anos, tem se posicionado de modo diferenciado no cenário regional, estadual, brasileiro e internacional. Suas contribuições para o desenvolvimento são evidentes, em todas as dimensões acadêmicas e na interlocução com o cenário externo. Temos um grupo de professores, extensionistas e pesquisadores de elevada formação, capacidade técnica e produção científica. Estes resultados confirmam a posição de destaque que nossa instituição vem assumindo ao longo de sua história. Estamos orgulhosos deste resultado e do crescimento contínuo da nossa Unesc”, comemorou a reitora, Luciane Bisognin Ceretta.

Neste ano, a revista selecionou 165 instituições com desempenho considerado de excelência, analisando com maior peso cinco pontos principais: ensino, visão internacional, pesquisa, criação científica e transferência de conhecimento para a indústria. “Em sua história, a Universidade desenvolve um trabalho consistente na área acadêmica, em suas diferentes dimensões. A articulação da pesquisa e extensão ao ensino nos confere qualidade e excelência na formação de profissionais, pautada na forte relação com a realidade social. Também colocamos em destaque a associação entre teoria e prática, resultando por muitas vezes em uma imersão na sociedade e que nos caracteriza como Universidade comunitária. Este reconhecimento é fruto do trabalho coletivo de todos que fazem parte da comunidade Unesc”, destacou a pró-reitora acadêmica, Indianara Reynaud Toreti.

O reconhecimento, posto diante de datas comemorativas pela ciência, teve um importante peso dentro da avaliação. Na Unesc, a pesquisa é um dos pilares de atuação da instituição, junto ao ensino e a pesquisa. Grande parte deste segmento é trabalhando por meio da  criação científica e da transferência de conhecimento, realizado dentro do Iparque (Parque Científico e Tecnológico) da Instituição, criando uma harmonia entre as áreas do conhecimento e levando a Unesc a figurar nesta seleta lista. “Ano após anos temos conquistado melhorias, por meio de um corpo técnico qualificado e estímulo à ciência. A Unesc investe e valoriza seus grupos e programas de pesquisa. Este aspecto reflete em melhorias quantitativas e qualitativas. Além disso, podemos destacar nossos sete programas de Pós-Graduação, com cinco deles ofertando doutorado e um atingindo a nota de excelência na avaliação do MEC (Ministério da Educação)”, frisou o diretor de Pesquisa e Pós-Graduação, Oscar Montedo.

Aspecto citado pela reitora da Instituição, o crescimento contínuo da Universidade vem sendo evidenciado pelos órgão de avaliação ano após ano. Em destaque, a Unesc recebeu nota máxima no conceito do Ministério da Educação - cinco de cinco. Ao realizar o estudo, a Times Higher Education utilizou a mesma metodologia mesma empregada para avaliar universidades em escala global, mas os pesos são recalibrados para refletir as características das universidades da América.

Unesc com matrículas abertas 

O mundo está mudando, o que não muda é a força do conhecimento. Para viver a experiência de estudar na Universidade mais bem conceituada do Sul catarinense, as matrículas para o segundo semestre já estão abertas na Unesc, por meio do Ingresso sem vestibular.

Setor Comercial, no WhatsApp (48) 9 99150433 ou telefone (48) 3431-2500.

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

08 de julho de 2020 às 11:42
Compartilhar Comente