Extensão

Projeto de Extensão da Unesc arrecada mantimentos para famílias de alunos de três escolas municipais

Projeto de Extensão da Unesc arrecada mantimentos para famílias de alunos de três escolas municipais
Ação faz parte das atividades do projeto “Escola de Pais e Filhos: diálogos entre universidade, escola e comunidade” e segue até o dia 19 de julho (Foto: Divulgação) Mais imagens

Foi iniciado neste sábado (11/7) e segue até o próximo domingo (19/7) mais uma ação do projeto de Extensão “Escola de Pais e Filhos: diálogos entre universidade, escola e comunidade”. Desta vez o projeto da Unesc promove uma ação social de arrecadação de materiais de higiene pessoal e limpeza e leite em prol de alunos e famílias atendidas pelas Escolas Municipais: Padre Carlos Wecki, Profa. Lili Coelho e José Contim Portella. As instituições de ensino, respectivamente localizadas nos bairros Cidade Mineira Velha, Vila Manaus e São Sebastião, fazem parte do Território Paulo Freire.

Conforme a coordenadora do projeto, Fabiane Ferraz, a equipe formada por acadêmicos da segunda fase do curso de Enfermagem está empenhada para garantir as doações para as escolas em questão, que fazem parte da rede pública de ensino do município de Criciúma e atendem famílias em situação de vulnerabilidade socioeconômica que se gravou durante esse período.

A arrecadação das doações está sendo realizada em sete pontos em Criciúma, sendo eles a Biblioteca Professor Eurico Back, o Ginásio Antônio Carrilho, do Colégio Unesc, a Clínica Escola de Enfermagem na Universidade, além dos pontos no Centro da Cidade, Supermercado Bistek (Bistekinho), a loja Fátima Criança, a loja De Lucca Confecções e, no bairro Santa Luzia, a Academia Body Action. No primeiro dia de arrecadações o grupo já soma 235kg de mantimentos. 

Além da arrecadação de materiais que formarão kits entregues nas escolas, o projeto Escola de Pais e Filhos é responsável ainda por estruturar materiais informativos sobre a Covid-19, bem como orientações de cuidados de higiene e limpeza. “Esse conteúdo foi criado para compartilhamento em grupos de WhatsApp, bem como, postados na plataforma Class Room (adotada pela Secretaria Municipal de Educação de Criciúma), para orientação das ações que as famílias devem realizar em casa com as crianças”, explica.

Lojistas ou empresários interessados em fazer parte da ação como ponto de coleta ou quaisquer interessados em realizações doações podem entrar em contato pelos e-mails gabrielaaldrovandi@unesc.net. ou fabi.ferraz@unesc.net.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

11 de julho de 2020 às 17:00
Compartilhar Comente

Unesc 52 anos: evento coloca em evidência as transformações sociais construídas pela extensão universitária

Unesc 52 anos: evento coloca em evidência as transformações sociais construídas pela extensão universitária
Na Unesc, as ações comunitárias são desenvolvidas em mais de 30 municípios (Fotos: ReproduçãoYouTube) Mais imagens

O conhecimento construído dentro da Unesc vai para além dos muros do mundo acadêmico e impacta diretamente a vida de 215 mil pessoas. Este processo é chamado de Extensão, um dos pilares de atuação das Universidades comunitárias e que nesta terça-feira (23/6) foi colocado em evidência. O evento fez parte do segundo dia de comemorações dos 52 anos da Unesc.

A reitora da Universidade, Luciane Bisognin Ceretta, enalteceu este processo, que dá vida ao conhecimento, e reafirmou a importância de se dialogar sobre o assunto. “Desde que a Universidade nasceu, a Extensão faz parte de seu DNA. Junto ao Ensino e a Pesquisa, é o mecanismo universitário responsável por transformar vidas, colocando diariamente um pedacinho da nossa Instituição na comunidade”, afirmou.

Para falar sobre a Extensão, a Unesc convidou a doutora Simone Imperatore, da Ulbra (Universidade Luterana do Brasil), e a reitora da UPF (Universidade de Passo Fundo), doutora Bernadete Dalmolin. O diálogo foi transmitido ao vivo pela Unesc TV, via YouTube.

Em destaque na fala das duas palestrantes, a Extensão universitária passou por uma transformação e transformou vidas aos longos dos anos. Conforme Simone, iniciativas comunitárias muitas vezes eram confundidas com horas complementares, e não tinham um objetivo social. “Era quase como algo eventual, caracterizado como cursos ou capacitações, e não projetos de médio e longo prezo com uma finalidade voltada à comunidade. Simplesmente algo mecânico e informativo, que invadia a cultura daqueles que estavam fora da instituição”, contou.


Após o desafio da ressignificação deste processo, o ponto de transformação da Extensão foi unificar seu conceito e sua linguagem. Esta reafirmação do papel social também foi trazida por Bernadete, que evidenciou a atuação conjunta não só de professores e extencionistas, mas das instituições. “Foi por meio da construção coletiva que fortalecemos nossas Universidades comunitárias e, principalmente, suas regiões, com melhorias na qualidade de vida e um contato mais direto entre o ensino e as pessoas”, afirmou.

Na Unesc as ações comunitárias são desenvolvidas pela Diretoria de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, coordenada pela professora Fernanda Sonego, e chega em mais de 30 municípios catarinenses e do Norte do Rio Grande do Sul. Elas podem ser percebidas nas modalidades:

Universitária: Projetos que o estudante é levado à experiência real e direta na comunidade.
Prestação de serviços: Ações comunitárias de saúde, direitos e outras assistências pessoais e sociais.
Cultura: Atividades de ensino e promoção da arte.

Além de contribuir para o desenvolvimento da região, ainda são concedidas bolsas de estudos para acadêmicos da Unesc por meio dos projetos. Após a abordagem, a equipe da Diretoria e a reitora da Unesc traçaram uma linha do tempo sobre a inserção universitária na comunidade, e as ações em atuação no Sul de Santa Catarina. “Na Unesc a Extensão é assumida como a dimensão que proporciona o contato com a realidade social, favorecendo a articulação do ensino e da pesquisa. Pode ser entendida como ações e serviços que a Universidade presta à sociedade, que atenha as necessidades da população”, destacou Fernanda.

Universidade Comunitária

Com 52 anos de vida, a Unesc é a Universidade Comunitária da região. Possui reconhecimento excelência pelo MEC (Ministério da Educação) com notas 5 – de um máximo de 5. Contando atualmente com 13 mil alunos e 1,5 mil professores e funcionários, a Instituição recebe diariamente mais de 15 mil pessoas que transitam entre as Clínicas Integradas, Unidade Judiciária de Cooperação e outros serviços dedicados à comunidade.

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc 

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

23 de junho de 2020 às 20:40
Compartilhar Comente

Unesc e comunidade: uma ligação sem fim

Unesc e comunidade: uma ligação sem fim
Universidade de perfil comunitário tem nas pessoas sua razão de ser (Foto: Projeto de Extensão no Bairro da Juventude / Arquivo) Mais imagens

Se existe um aprendizado que o ambiente universitário da Unesc proporciona é o de viver em comunidade. Por ter caráter comunitário desde a sua criação, a Universidade tem sua história entrelaçada à história daqueles que fazem parte do seu dia a dia e daqueles que estão em seu entorno, ou seja, toda a região. Neste dia 5 de maio, Dia da Comunidade, o foco se volta ao trabalho da Instituição voltado justamente ao bem comum, à comunidade.

Entre as principais ligações da Universidade com a comunidade estão as ações da Diretoria de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias. Dirigida atualmente pela professora Fernanda Sônego, a pasta é responsável pelo desenvolvimento de mais de 200 projetos de extensão, que atingem anualmente mais de 30 mil pessoas de todo o Sul de Santa Catarina e Nordeste do Rio Grande do Sul.

Conforme Fernanda, o trabalho da Universidade possibilita a inserção social como um fator de integração entre o ensino e a pesquisa, garantindo a junção de conhecimento entre a Universidade e a sociedade. “É uma troca constante de saberes. Costumamos dizer que crescemos junto com a comunidade e não há maior verdade que essa. A Unesc e a comunidade fazem parte uma da outra. Está nas pessoas a razão de ser dessa Instituição”, salienta.

A valorização, assim como a qualificação, da comunidade na qual a Unesc está inserida, de acordo com a diretora, é constante e está entre os pilares da Instituição. “São diferentes programas, ações comunitárias, oficinas, cursos de curta e média duração, entre tantos outros trabalhos realizados pela Unesc que levam conhecimento, escuta qualificada, troca de experiências, enfim, evolução para ambos os envolvidos. Ambientes plurais de aprendizado mútuo. Nós crescemos juntos e ampliamos nossos olhares juntos”, acrescenta.

Entre as milhares de pessoas beneficiadas pelo caráter comunitário da Universidade estão, para a diretora, não só os acadêmicos que dentro e fora de sala de aula levam muito mais que o conhecimento científico. “Estão também crianças, adolescentes, adultos, idosos e pessoas dos mais diferentes perfis que nos dão a oportunidade de entrar em suas vidas e, em troca, compartilham também aquilo que tem, suas experiências. Isso é valioso demais”, comenta.

Para a reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta, o Dia da Comunidade é mais uma data a ser comemorada pelas conquistas obtidas ao longo dos 51 anos da Universidade e celebrada com ainda mais trabalho. “Em todo tempo estamos focados no melhor para os nossos alunos e para muito além dos nossos muros. O papel da Universidade é impactar positivamente ao seu redor e sempre prezaremos por levar adiante esse trabalho construído com esforço e dedicação. Está entre as nossas premissas fazer a diferença na vida das pessoas”, destaca.

Nesta terça-feira (5/5), às 17h30, a data especial será marcada por uma transmissão ao vivo na página oficial da Unesc no Instagram. Na oportunidade, a assessora da Diretoria de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, Sheila Martignago Saleh abordará a presença da Universidade na Comunidade. Essa será uma oportunidade para conhecer mais de perto as ações da Instituição.

Confira abaixo o Podcast no qual a diretora Fernanda Sônego fala sobre o Dia da Comunidade:

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

04 de maio de 2020 às 18:34
Compartilhar Comente

Livros do Museu de Zoologia da Unesc são disponibilizados aos 20 mil estudantes da rede municipal de ensino de Criciúma

Livros do Museu de Zoologia da Unesc são disponibilizados aos 20 mil estudantes da rede municipal de ensino de Criciúma
Obras já podem ser acessadas no formato e-book (Fotos: Arquivo/Unesc) Mais imagens

As criações infantis do Museu de Zoologia Professora Morgana Cirimbelli Gaidzinski vão contribuir com a educação básica na rede municipal de ensino em Criciúma. A obras “Pintado: o Mascote do Museu” e “ Vitorino: a Tartaruga Vitoriosa” já estão disponíveis como e-book Portal do Aluno, da Secretaria da Educação do município, e 20 mil estudantes podem ter acesso às obras literárias.

“A atuação do Museu nos encanta. Diariamente seus corredores transformam-se em caminhos de conhecimento e de importante uma reflexão. Quando a comunidade não pode acessá-lo, ele vai além, se reinventa e ultrapassa os muros da Universidade, desenhando seu papel fundamental na vida das pessoas. Em um momento como este, de isolamento social, mais uma vez o Museu assume o protagonismo, que será percebido no futuro”, enaltece a diretora de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias da Unesc, Fernanda Sônego.  

Os livros, de autoria da professora Morgana Cirimbelli Gaidzinski, coordenadora do espaço, trazem consigo situações de aprendizagem sobre o bioma da mata atlântica e do ambiente marinho, conscientizando para impactos da ação humana e ensinando sobre preservação por meio da leitura on-line. “A literatura infantil constitui-se em uma importante ferramenta para a educação ambiental, enquanto instrumento para a reflexão e conscientização sobre os próximos anos do nosso planeta, assuntos tão urgentes nos dias atuais”, ressalta morgana. 

Para a coordenadora pedagógica da Secretaria de Educação, Angela Colombo Boaroli, as criações podem contribuir para a formação de cidadãos mais conscientes. “Nós colocamos o livros, em formato e-book, por entender que é muito importante que nossos alunos conheçam o trabalho e também aprendam de forma lúdica com as criações. Como nesse momento eles não podem visitar o Museu, de forma presencial, gostaríamos que pudessem acessar virtualmente”, explica Angela. 

Conheça as obras 


Pintado: o Mascote do Museu narra a vida de Pintado – um gato-maracajá, animal símbolo do Museu da Unesc – em seu habitat natural, a Mata Atlântica. A história se desenvolve até sua chegada ao Museu de Zoologia, local onde passa a viver desempenhando um importante papel na educação ambiental, estabelecendo uma relação de interação com os visitantes na construção do conhecimento, levando de forma lúdica e divertida a mensagem do Museu de preservação e respeito à vida.

Vitorino: a Tartaruga Vitoriosa apresenta ao leitor as belezas do fundo do mar e também a fragilidade com que o ambiente marinho se encontra, devido aos diferentes impactos ambientais responsáveis pela perda da biodiversidade nos oceanos, como as redes de pesca, o derramamento de óleo e de esgoto doméstico, além do lixo jogado no mar.  “A história de Vitorino apresenta também o ciclo de vida das tartarugas marinhas e curiosidades sobre a algumas espécies da fauna marinha como: a foca Vick, o lobo-marinho Teco, o polvo Octus e a baleia Frida”, conta Morgana. “As publicações tiveram um importante apoio da Polícia Militar Ambiental, que desenvolve em parceria com o Museu de Zoologia o projeto Leitura na Educação Ambiental. A ação tem como objetivo contribuir com a construção de uma consciência reflexiva e transformadora nos nossos jovens por meio da leitura” completa. 

Estas e mais obras do Museu de Zoologia da Unesc podem ser conhecidas em http://museudezoologia.unesc.net/

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

25 de abril de 2020 às 09:00
Compartilhar Comente

Araranguá conhece de perto o Plano de 60 Dias

Araranguá conhece de perto o Plano de 60 Dias
Ação faz parte do Núcleo de Empreendedorismo instalado na Unesc Araranguá (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

“O investimento necessário para participar do Plano de 60 dias é apenas um: o tempo de vocês, item indispensável para a transformação de negócios”. Assim o coordenador do Núcleo de Empreendedorismo da Unesc Araranguá, Diogo Pereira Moraes, resumiu a troca necessária para a participação no projeto lançado para lideranças e empresários da Cidade das Avenidas na noite desta terça-feira (10/3). O Plano de 60 Dias está com inscrições abertas para empresários que já tem seu negócio e querem aperfeiçoar o trabalho. “Podem se inscrever desde pequenas e médias empresas até um microempreendedor individual, um vendedor de pipoca ou picolé que queira aprender e apostar na sua ideia. Estaremos aqui de portas abertas para pensarmos juntos nesse negócio”, explicou Diogo.

A palavra que define o objetivo desse e dos outros projetos que fazem parte do Núcleo de Empreendedorismo da Unesc, conforme o coordenador, é transformação, pois esse é o objetivo geral de todo o trabalho em torno de cada um dos projetos. “Queremos promover a transformação nos negócios e com isso promover o desenvolvimento de cada um de vocês e da região. Estaremos preparados para, em parceria com os empreendedores e ouvindo suas demandas, ajudá-los a lapidar e alavancar seus negócios”, destacou.

O projeto realizado em encontros promovidos durante o período de 60 dias é desenvolvido por meio da colaboração de professores, acadêmicos e voluntários, sendo uma ação aberta à comunidade de forma gratuita.

O convite, de acordo com a diretora da Unidade Araranguá, Isabel Regina de Souza, se estende a todos a comunidade do Vale. “A Unesc chegou aqui para realmente contribuir com o desenvolvimento da região. Queremos muito ser esse vetor de desenvolvimento que a cidade merece”, destacou.

Para a empresária e diretora da CDL Araranguá, Dalva Maria Machado Leme, a chegada da Unesc tem sido de grande valia para a cidade, que precisa conhecer melhor e valorizar as oportunidades que chegam com a Instituição. “Araranguá vai crescer muito a partir desses projetos trazidos pela Universidade. Nós precisamos contribuir e ajudar apresentando e compartilhando essas informações tão valiosas como as que recebemos hoje”, comentou.

As inscrições para participação no projeto Plano de 60 Dias em Araranguá seguem até o dia 31 de março. Elas podem ser feitas no site do Núcleo de Empreendedorismo da Unesc.

Mayara Cardoso - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

10 de março de 2020 às 23:06
Compartilhar Comente