Farmácia

Ação mobiliza entidades no Dia de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa

A violência contra a pessoa idosa pode acontecer de várias formas, seja por meio da negligência familiar, do poder público ou da sociedade, do abandono, do abuso financeiro ou da violência psicológica, além de, é claro, agressões físicas, que na maioria dos casos não são denunciadas. Buscando conscientizar sobre todos esses tipos de violência, entidades, voluntários, estudantes e professores estiveram mobilizados durante toda a manhã deste sábado (15/06), na Praça Nereu Ramos, de Criciúma.  O evento marcou o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, comemorado na mesma data.

Durante toda a manhã, a Unesc, ao lado destas entidades que integram tanto a rede oficial de atenção, assistência e proteção à pessoa idosa quanto as que realizam trabalhos voluntários, como a OAB e a Pastoral da Pessoa Idosa, fizeram a sua parte na sensibilização deste tema que é cada vez mais recorrente.

Para a reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta, esta ação é muito importante, pois reforça o movimento de muitas entidades, com um grande mobilização, permitindo o atendimento de muitas pessoas pelos estudantes e professores. "Os movimentos realizados consolidam o que viemos ressaltando de que a universidade deve estar onde estão as pessoas. É lá que temos que levar nossos conhecimentos, produzindo e plantando nossas sementes, sobretudo, quando o tema é a prevenção da violência contra o idoso e também a promoção da saúde", destacou.

A ação teve atendimentos de saúde, feitos pelos estudantes dos cursos de Medicina, Psicologia, Nutrição, Biomedicina, Odontologia, Fisioterapia, Farmácia e Enfermagem, e repassou informação sobre os vários tipos de violência praticados todos os dias contra a pessoa idosa. “Muitas pessoas acham que só existe violência física, mas temos a grande incidência de violência psicológica, violência social, violência econômica, muitas vezes praticada pela família. Precisamos falar com a sociedade, sensibilizando de forma geral contra esses abusos, conhecer mais o idoso para evitar que essas violências aconteçam”, explica a enfermeira e professora da Unesc, Neiva Junkes Hoepers.

A Unesc realiza o trabalho de atendimento ao idoso nos serviços de saúde das Clínicas Integradas, onde também são realizadas notificações de casos de todos os tipos de violência. “O público com quem trabalhamos é formado por uma porcentagem muito grande de pessoas idosas e semanalmente temos feito notificações de todos os tipos de violências. São casos de abandono, de pessoas que moram sozinhas e são negligenciadas, entre outros. Essas notificações são encaminhadas aos serviços da rede de proteção”, especificamente o Nuprevips (Núcleo de Prevenção às Violências e Promoção da Saúde), que fica anexo à nossa clínica", explica Neiva.

Para a Diretora de Extensão da Unesc, Fernanda Faustini Sônego, essa ação é muito importante, pois, com isso, a Universidade cumpre a sua missão de educar por meio do ensino, pesquisa e extensão. “A extensão não pode ficar de fora de movimentos como este. Temos projetos que abordam a violência e temos o Nuprevips, que nos auxilia na notificação compulsória destes casos de abusos. Estamos muito felizes com essa grande mobilização de diversos parceiros que hoje estão aqui reunidos”, destaca Fernanda.

A Presidente do Conselho do Idoso, Angela Maria Silva, destaca que a entidade realiza um trabalho constante de conscientização e informação para que os casos de violência sejam denunciados. “Nestas ações, buscamos mostrar para as pessoas o que é uma violência contra o idoso, pois muitas vezes isso acontece em casa e a pessoa que provoca não tem consciência disso". Ela cita também outros aspectos como a violência financeira, emocional e negligenciada. “A própria pessoa idosa muitas vezes se negligencia ou é negligenciada pelo poder público, pela sociedade e pela família. Falta muita conscientização de todas as pessoas quanto a essa situação”, analisa Angela. Segundo a presidente, Criciúma possui uma população idosa com aproximadamente 24 mil pessoas e, até maio de 2019, foram notificados quase 60 casos de violência.

A Subseção da OAB Criciúma também marcou presença na mobilização, alertando sobre os casos de abuso cometidos contra a pessoa idosa e como fazer a denúncia destes casos. A Presidente da Comissão dos Direitos da Pessoa Idosa da OAB Criciúma, Milly Christie Lima, salientou que muitos casos de violência acontecem diariamente, de modo que o idoso é vítima de violações dos seus direitos. Nos casos de denúncias os responsáveis podem ser enquadrados no Estatuto do Idoso, que prevê pena de multa e reclusão.

O Evento contou também com a presença da equipe do Centro de Referência Especializado de Assistência Social – Creas. A presidente, Mariela Paseto, salientou a importância da mobilização e da conscientização sobre os casos de violências, bem como no atendimento, por meio do serviço de proteção à pessoa idosa.

A Pastoral do Idoso de Criciúma também esteve unida ao movimento, distribuindo folders e sensibilizando a população sobre o problema. “Nosso trabalho é levar amor, carinho, ajuda e escutar o idoso”, explica Zuleima Casagrande Perraro, coordenadora da Pastoral na Matriz São José. Com atuação de aproximadamente 100 voluntários capacitados, o grupo realiza visitas para mais de 400 idosos, geralmente acamados ou em situações mais vulneráveis socialmente.

Para denúncias de violência contra a pessoa idosa é possível ligar para o Creas: (48) 3445 8944; para o Conselho Municipal do Idoso: 100; e ainda na Delegacia do Idoso: (48) 3433 2189.


Ana Sofia Schuster - AICOM Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Ana Sofia Schuster 15 de junho de 2019 às 16:56
Compartilhar Comente

Unesc presente nas comemorações do aniversário de Morro da Fumaça

Unesc presente nas comemorações do aniversário de Morro da Fumaça
Equipe da Universidade promoveu ações de saúde e conscientização (Fotos: Décio Batista) Mais imagens

O município de Morro da Fumaça está comemorando 57 anos de emancipação político-administrativa e a Unesc está fazendo parte deste momento. Professores e acadêmicos de Biomedicina, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição e Odontologia levaram seus conhecimentos e ações de saúde até a praça em frente à prefeitura.

Com atividades como tipagem sanguínea, auriculoterapia, avaliação nutricional e saúde bucal, os representantes da Universidade estão cuidando de quem passa pelo evento. “É um momento especial e nos alegra contribuir. São atividades gratuitas, que reforçam o elo entre comunidade e a nossa Unesc”, afirma a diretora de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, Fernanda Sônego.

A participação da Unesc no evento é uma parceria entre prefeitura de Morro da Fumaça e Diretoria de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias. A equipe da Universidade no local conta com mais de vinte pessoas.

Maio Roxo

Neste sábado, das 9 às 12 horas, a Universidade também será parceira da DII SC (Associação de Pessoas com Doenças Inflamatórias Intestinais de Santa Catarina).  Entidades de educação e saúde estarão na Praça Nereu Ramos, no Centro de Criciúma, para conscientizar sobre doenças inflamatórias intestinais.

Leonardo Ferreira - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Leonardo Ferreira Barbosa 17 de maio de 2019 às 11:00
Compartilhar Comente

Farmácia Solidária é apresentada na Câmara de Vereadores de Criciúma

Farmácia Solidária é apresentada na Câmara de Vereadores de Criciúma
Representantes do projeto falaram sobre as atividades realizadas com a comunidade (Fotos: Daniela Savi/Câmara de Vereadores) Mais imagens

O trabalho desenvolvido pela Farmácia Solidária, localizada nas Clínicas Integradas da Unesc, foi apresentado na noite desta terça-feira (14/5), durante sessão da Câmara de Vereadores de Criciúma. Os representantes do projeto; o presidente da Cruz Vermelha, Almir Fernandes; e a coordenadora do Serviço de Farmácia das Clínicas Integradas da Universidade, Marília Schutz Borges, fizeram uso da tribuna livre. O debate foi proposto pelo vereador, Edson Luiz do Nascimento.

O projeto é uma iniciativa sem fins lucrativos e entrega medicamentos gratuitamente para a comunidade. Todos os remédios disponibilizados na Farmácia Solidária são obtidos por meio de doações da comunidade, médicos, indústrias farmacêuticas e distribuidoras de medicamentos.

Em 2018, a Farmácia Solidária da Unesc realizou 30.480 atendimentos pessoais, por telefone e pelo WhatsApp. Destes atendimentos, 12.788 pessoas foram contempladas com medicação. As doações feitas ao longo do ano passado somaram R$ 1.357.206,70.  

 “Para nós, é um imenso orgulho, uma honra esse projeto tão benéfico para a comunidade. Seria muito bom se as pessoas se dessem conta do quanto esse projeto é importante”, afirmou o vereador.

“A Farmácia começou a ser pensada quando em visita a domicílios de pessoas que falecem em casa, se observava muitas sobras de medicamentos. A partir daí, surgiu o questionamento sobre o que fazer com esses remédios. Assim nasceu a ideia do projeto”, comentou o presidente da Cruz Vermelha.

Depois que os medicamentos chegam à Farmácia Solidária, passam por um processo de triagem, de modo que os acadêmicos do curso de Farmácia da Unesc, com supervisão de farmacêuticos, fazem a análise dos medicamentos, de suas condições e validade.

“Uma automedicação sem supervisão de um profissional pode levar a graves danos e, com esses medicamentos estando em casa, aumenta o potencial de risco. Pensando nisso, o programa tira os medicamentos dessas residências e oferece a quem precisa”, lembrou Marília.

Programa premiado

A Farmácia Solidária completa 13 anos de vida em 2019 e é um projeto construído e mantido por uma equipe multi-institucional que envolve a Unesc e entidades como a Cruz Vermelha, o Corpo de Bombeiros, a Polícia Civil e a Secretaria da Saúde de Criciúma.

Em 2016, a Farmácia Solidária recebeu o Troféu Viver SC por estar entre os dez Pequenos Bons Exemplos do Viver SC. O reconhecimento é uma ação do Diário Catarinense, que circula o estado em busca de iniciativas que ajudem as pessoas e o projeto venceu com 64,2% na votação popular. Além do poder de voto do público, uma comissão formada por profissionais do Diário Catarinense e outra formada por representantes do Icom (Instituto Comunitário Grande Florianópolis) e do Social Good Brasil fizeram parte da decisão.

*Com colaboração da assessora de imprensa da Câmara de Vereadores de Criciúma, Daniela Savi

Milena Nandi – Assessoria de Impensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 15 de maio de 2019 às 10:21
Compartilhar Comente

Farmacêuticos falando sobre saúde e meio ambiente!

PPGCA discute Saúde e Meio Ambiente em programa na Rádio Som Maior.
Mesa composta pelas Professoras farmacêuticas Dra. Patrícia Amaral e Dra. Silvia Dal Bo que atuam nesta linha de Pesquisa. Contribuindo com a temática também estiveram presente o Farmacêutico Renar Francioni Pacheco(Mestrando/PPGCA) e a Mestre Marília Schutz Borges (Professora do Curso de Farmácia e Doutoranda/PPGCA) que pesquisam nesta área de conhecimento. 

Por: Juliana Lora 06 de maio de 2019 às 17:45
Compartilhar Comente

Farmacêutica Pesquisadora da Unesc recebe premiação internacional

Os trabalhos realizados no Laboratório de Psiquiatria Translacional da Unesc ganharão visibilidade internacional no próximo mês no Congresso Internacional de Esquizofrenia (International Congress on Schizophrenia Research - ICOSR). A responsável pelo destaque é a pesquisadora Alexandra Zugno, vencedora do Global Schizophrenia Award, prêmio oferecido pela primeira vez pela Sociedade Internacional de Esquizofrenia.

Alexandra atua no Laboratório desde 2008 e já orientou 23 mestrados e oito doutorados, além de ter 60 artigos publicados na área. A pesquisadora possui amplo currículo com graduação em Farmácia, habilitação em Análises Clínicas, graduação em Bioquímica, mestrado em Ciências Biológicas: Bioquímica e doutorado em Ciências Biológicas: Bioquímica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Atualmente, sua linha de pesquisa tem foco no comportamento e na neuroquímica em modelos animais de esquizofrenia. O objetivo geral do estudo é identificar riscos associados ao desenvolvimento do transtorno e sugerir possíveis intervenções. Conforme Alexandra, o trabalho realizado no laboratório faz parte de uma rede que se junta a todo conhecimento gerado no mundo. “Cada um vai contribuindo com uma pecinha no grande quebra-cabeça. Todo conhecimento que se produz através da pesquisa é publicado com a intenção de se unir a outros e, assim, gerar uma evolução que traga benefícios para a sociedade”, completa.

Por: Juliana Lora 06 de maio de 2019 às 17:43
Compartilhar Comente