Psicologia

Estudante de Psicologia ganha concurso e quer conscientizar sobre a visibilidade das pessoas com deficiência

Estudante de Psicologia ganha concurso e quer conscientizar sobre a visibilidade das pessoas com deficiência
Camila Rosalino venceu ação proposta nas redes sociais da Melissa e ganhou vale compras da marca (Foto: Reprodução/ Daniela Antunes) Mais imagens

Aos 28 anos a estudante de Psicologia da Unesc, Camila Rosalino, encara a vida de forma leve superando as dificuldades decorrentes da Síndrome de Morquio, condição de nascença. Além da baixa estatura, a Síndrome lhe impõe diversos tipos de limitações físicas, mas nenhuma capaz de frear sonhos e objetivos da jovem. Nesta semana Camila, que atua também como modelo, venceu um concurso proposto pelas redes sociais da marca Melissa e passa a ser influenciadora da marca em Criciúma ao longo de um mês.

Além do vale compras na loja e o espaço para atuar como digital influencer, para Camila, o prêmio leva um significado ainda maior, já que ela representa outras centenas de portadores dessa e de outras síndromes. “Sabemos que existe um padrão de beleza que geralmente é seguido por pessoas e marcas. Ganhar prova pra mim mesma e para os outros que somos capazes, pois não temos muito espaços como esse. Pessoas com deficiência geralmente não aparecem tanto e esse ciclo faz com que exista ainda o olhar de estranhamento quando somos vistos”, destaca.

Conforme a acadêmica, levantar a bandeira das pessoas com deficiência não é pedir que sejam vistas como guerreiras ou exemplo aos outros, mas, sim, que sejam aceitas e respeitadas. “A gente não quer ser exemplo de superação, só quer ser aceito pela sociedade e ser visto como pessoas que tem espaço, que vão atrás das coisas e conquistam também”, completa.

A defesa da marca já é uma paixão antiga, já que os modelos emborrachados estão entre as possibilidades de calçados que se adaptam bem ao formato dos pés dos portadores da síndrome ou outras deficiências. “Já fui até o Clube Melissa de Criciúma e escolhi dois modelos que ficaram ótimos nos meus pés. Eles foram enviados em uma bolsa com direito a balões direto na minha casa. Foi muito especial”, acrescenta.

A vitória de Camila foi conquistada através de votação em algumas fases chamadas de “batalhas”. A jovem contou com o apoio de familiares, colegas, amigas e entre grupos, entre eles os membros do Instituto Nacional de Nanismo (INN) e de Mucopolissacaridoses (MPS), que também se engajaram na reta final de votação.

A acadêmica cursará neste primeiro semestre de 2021 a sexta fase do curso de Psicologia na Unesc.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

25 de fevereiro de 2021 às 17:38
Compartilhar Comente

Profissionais da Unesc dão dicas para colocar projetos em prática e lidar com imprevistos

Profissionais da Unesc dão dicas para colocar projetos em prática e lidar com imprevistos
Coordenadoras do curso de Psicologia da Unesc destacam importância de equilibrar expectativas e cobranças (Foto: Mayara Cardoso) Mais imagens

A cada início de ano é de praxe que as pessoas iniciem novas listas de projetos e metas e renovem suas esperanças para a concretização de cada um deles. Diante de tantas incertezas vivenciadas, em especial desde o início da pandemia em 2020, a cautela e a necessidade de deixar planos em “standby” tem feito com que a realização de tais aspirações seja ainda mais desafiadoras. Para que a lista de sonhos não se torne uma frustração ao invés de motivação as coordenadoras do curso de Psicologia da Unesc dão algumas dicas e orientações.

As situações encaradas ao longo dos últimos meses, conforme a coordenadora do curso, Karin Martins Gomes, e a coordenadora adjunta, Graziela Amboni, mostraram de forma clara ao ser humano a necessidade de viver diante das incertezas. “Fazer adaptações em nossos planos e lidar com essa incerteza foi um dos nossos desafios para manter a saúde mental. No entanto nosso cérebro não gosta de situações incertas, ele prefere a previsibilidade, isto é, ter previsão do que pode acontecer no futuro faz como que o sentimento de estar seguro venha, o que nos deixa calmos para seguir nossas metas”, explica Karin.

Tamanha a insegurança gerada no período pandêmico, de acordo com a coordenadora, se reflete no maior número de casos de problemas relacionados à saúde mental. “Este é justamente um dos motivos do aumento de ansiedade em nossa sociedade. Nem todos conseguiram lidar de uma forma saudável com a incerteza do dia seguinte ou com o adiamento de seus planos pessoais e profissionais. No momento, estamos construindo uma nova maneira de ser e estar no mundo; de se relacionar, de conviver, de estar perto de alguém de que ama e até mesmo das atividades laborais e de lazer”, acrescenta.

Diante de tantas mudanças, conforme Graziela, fazer metas a longo prazo pode não ser mais o ideal neste novo cotidiano. “Como nosso cérebro gosta de previsão, metas a curto prazo podem ser a melhor escolha para a saúde mental. A melhor opção é sempre estar no presente, fazer metas que você possa atingir a curto prazo e não se cobrar caso não consiga atingi-las. Quando isto acontecer você pode readaptar para o próximo dia, semana ou mês”, indica.

O melhor caminho para se manter ativo e equilibrar cobranças com expectativas, de acordo com Graziela, é mergulhar no autoconhecimento. “Você deve se conhecer, ter consciência do seu modo de estar no mundo, com isso você consegue saber qual a melhor forma de realizar suas metas sem se cobrar demais e sem gerar angústia”, pontua a profissional, acrescentando ainda a importância da avaliação sobre o compartilhamento destes projetos com amigos e familiares ou não, dependendo da situação.

Curso de Psicologia com matrículas abertas

Atuar no ramo da psicologia é estar atento aos cenários e ajudar as pessoas a entenderem seus papeis, diminuir sofrimentos, trazer clareza para os pensamentos, entre tantas outras atribuições. A profissão é uma das que tem aparecido em destaque como promissoras não só atualmente, mas para o futuro.

A Unesc está com matrículas abertas para ingresso já no primeiro semestre de 2021. Com a expertise e qualidade dos cursos da área da saúde, a graduação conta com cinco anos de estudos teóricos e práticos com forte atuação na comunidade.

Os interessados em conhecer melhor as propostas do curso de Psicologia, as disciplinas de cada semestre, assim como a estrutura da Unesc e as possibilidades de bolsas de estudos podem entrar um contato por meio dos telefones (48) 343145-00 ou (48) 99915-0433 ou ainda acessar o site matriculas.unesc.net/psicologia.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

25 de janeiro de 2021 às 13:35
Compartilhar Comente

Rico debate promovido pela Unesc discute inclusão de estudantes com deficiência nas escolas

Rico debate promovido pela Unesc discute inclusão de estudantes com deficiência nas escolas
Ação contou com mais de 100 participantes na noite desta quarta-feira (18/11) (Fotos: Reprodução) Mais imagens

Convidados com diferentes olhares sob a temática da inclusão de estudantes com deficiência nas escolas públicas brasileiras participaram, na noite desta quarta-feira (18/11), de um rico debate acompanhado por mais de 100 pessoas de forma virtual. O encontro, intitulado Diálogos Sobre Inclusão da Pessoa com Deficiência no Ensino Regular, foi promovido por estudantes da Unesc com foco na discussão acerca do decreto assinado em 30 de setembro de 2020 incentivando a categorização de estudantes com deficiência.

Sob mediação da líder estudantil Francine Nazário, participaram da discussão e contribuíram com o debate, sob o olhar do Direito, o professor mestre Ismael de Córdova;  sob a ótica da licenciatura, a professora mestre Edina Regina Baumer; da área da Psicologia, a docente mestre Suzamara Vieira e a colaboradora psicóloga Elisabete Gonçalves Barbosa; sob o ponto de vista de diversidades, a professora mestre Priscila Schacht Cardozo, também coordenadora do programa SOMOS (Inclusão da pessoa com deficiência no mundo do trabalho) e representante da Secretaria de Diversidades e Políticas de Ações Afirmativas da Unesc.

Conforme Francine, as resoluções trazidas no decreto impactam diretamente nas questões dos direitos à educação das pessoas com deficiência, transtornos de desenvolvimento e superdotação. “A Unesc, como Universidade Comunitária, não poderia se furtar em promover uma discussão para aprendizado em torno do assunto. Foi pensando nisso que propusemos, por meio da Diretoria de Ensino, esse encontro em busca de oportunizar diferentes manifestações sobre um assunto tão importante”, comentou.

Na avaliação de Ismael, o reflexo do decreto na prática diária irá diversos fatores como o acompanhamento da sua implementação, as lacunas possíveis nessa legislação, o comportamento da sociedade civil organizada, entre muitos outros fatores, que serão determinantes na definição das mudanças como retrocessos ou, de fato, avanços na inclusão.

Para Suzamara, além de todas as questões de dependência citadas pelo colega Ismael, o reflexo dependerá também de forma muito significativa da preparação das equipes que irão colocar as mudanças em prática. “Nós todos precisaremos estar muito preparados para ajudar essas famílias que precisarão tomar as decisões importantes”, destacou.

A professora citou ainda Paulo Freire quando disse que “Aceitar e respeitar a diferença é uma dessas virtudes sem o que a escuta não se pode dar. Se discrimino o menino ou menina pobre, a menina ou o menino negro, o menino índio, a menina rica; se discrimino a mulher, a camponesa, a operária, não posso, evidentemente, escutá-las e, se não as escuto, não posso falar com eles, mas a eles, de cima para baixo. Sobretudo, me proíbo entendê-los. Se me sinto superior ao diferente, não importa quem seja, recuso-me escutá-lo ou escutá-la. O diferente não é o outro a merecer respeito é um isto ou aquilo, destratável ou desprezível”.

Ao fazer a citação Suzamara buscou levantar o questionamento sobre o verdadeiro olhar destinado à pessoa com deficiência. “Será que estamos olhando para essa pessoa pela humanidade dela ou pelas questões culturais, sociais ou suas limitações? Nós não sabemos sobre a totalidade desse ser humano. Se imaginarmos que o conhecemos, apenas por imaginar suas limitações, deixamos de conhecer a realidade dele, suas fraquezas, como qualquer outro possui, mas também suas forças, que temos como papel evidenciar”, pontuou a professora.

A professora do curso de Odontologia da Unesc, Patricia Duarte Simões Pires, acompanhou o debate que se sucedeu por mais de duas horas e fez questão de destacar a importância do acompanhamento da temática por parte das diversas áreas do conhecimento. “Excelente reflexão. É por esta razão que nós da Odontologia nos incluímos nesta palestra, pois o nosso objetivo maior é exatamente sensibilizar nossos alunos para que tenham um olhar, um acolhimento, um respeito às diferenças, exercendo o seu papel não somente no âmbito profissional, mas seu papel como cidadão, como ser humano”, pontuou ao grupo.

O encontro contou ainda com a participação da assessora pedagógica administrativa da Diretoria de Ensino, Andreia Rabelo Marcelino. Conforme Andreia, o debate levantou excelentes questionamentos e deixou o desejo de novas discussões sobre o assunto. “Certamente iremos promover outros encontros para continuar a debater e aprender em torno dessa temática”, garantiu a professora que parabenizou ainda o protagonismo estudantil na promoção do evento.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

18 de novembro de 2020 às 21:49
Compartilhar Comente

Alunos do Colégio Unesc dialogam sobre obras de Lima Barreto com professora do curso de Psicologia

Alunos do Colégio Unesc dialogam sobre obras de Lima Barreto com professora do curso de Psicologia
Encontro virtual ocorreu na manhã desta sexta-feira Mais imagens

A literatura traz à tona conceitos e assuntos que fazem parte do cotidiano da sociedade. Um dos exemplos são as obras “Cemitério dos Vivos” e “Diário de um hospício” do autor brasileiro Lima Barreto. Ambas trazem relatos que convidam à reflexão sobre saúde mental e a fazermos uma análise sobre a evolução dos tratamentos e a visão social a respeito do assunto. Os livros foram a base de uma atividade realizada na manhã desta sexta-feira (23/10) por alunos do terceiro ano do Ensino Médio do Colégio Unesc, que durante a aula de Literatura, participaram de um encontro online com a professora do curso de Psicologia da Universidade, Janine Moreira.

A partir da realidade da saúde mental no Brasil no século 19, a professora da Unesc trouxe um paralelo com a realidade atual, falando sobre os desafios da reforma psiquiátrica brasileira e sobre a alta medicalização. “Não adianta apenas desospitalizar, termos que desinstitucionalizar, tirar as paredes da nossa cabeça e modificar o nosso jeito de se relacionar com os outros. Todos estes problemas não só apenas do indivíduo, mas de toda a sociedade”, afirma Janine. “Hoje, temos farmácias abrindo e livrarias fechando. Existe uma ‘indústria da loucura’ atrás disso. O remédio é necessário sim, mas não é a única maneira de tratamento. As pessoas também precisam de psicoterapia para ajudar a reverem suas vidas”, complementa.

A professora de Literatura do Colégio Unesc, Beatris Pizzoni de Freitas, explica que a proposta do encontro foi realizar uma conversa sobre temáticas interligadas aos livros e que dizem respeito a conceitos passíveis de reflexão, como o de loucura, o surgimento e a consolidação dos manicômios, os tratamentos psicológicos e a solidão advinda do isolamento social. “A partir deste momento em aula, os alunos puderam observar as interligações existentes entre literatura e questões de ordem social que permanecem ou se modificam no decorrer dos anos. Este momento foi muito importante e demonstra o quanto a Universidade estando próxima da escola agrega na formação dos estudantes”.

Milena Nandi – Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

23 de outubro de 2020 às 11:24
Compartilhar Comente

Projeto Lazer Ativo da Unesc inicia treinamentos virtuais para atuar no Asilo São Vicente de Paula

Projeto Lazer Ativo da Unesc inicia treinamentos virtuais para atuar no Asilo São Vicente de Paula
Alunos de Educação Física e Psicologia iniciaram o treinamento para ministrar os encontros (Foto: GPEA/Unesc) Mais imagens

Tradicional projeto de extensão da Unesc, o Lazer Ativo está se transformando em meio a pandemia e desenvolverá dinâmicas por meio da tecnologia com os idosos residentes no Asilo São Vicente de Paula, localizado em Criciúma. A proposta da iniciativa, há mais de cinco anos, é oferecer momentos de descontração e atividade física para idosos. Durante tardes na piscina da Universidade, são feitas práticas de hidroginástica e natação como um auxílio no controle e tratamento da depressão, diabetes e hipertensão. 

O novo modelo de projeto do GPEAA (Grupo de Pesquisa em Exercícios Aquáticos Avançados), intitulado Lazer Ativo Virtual, tem o apoio do Sicred e poderá ser expandido se a primeira experiência for positiva. Em fase de implantação, acadêmicos de Educação Física e Psicologia iniciaram o treinamento nas salas híbridas da Universidade. 

Conforme o coordenador, Luciano Acordi da Silva, serão exercícios físicos domiciliares, envolvendo aulas de pilates, musculação e dança. A frequência será de duas vezes por semana. No futuro o projeto poderá ser implantado em outras casas de repouso e instituições sociais, abrangendo crianças e adolescentes com a prática de exercícios físicos por meio da tecnologia. “O objetivo é proporcionar melhorias nos parâmetros de saúde mental e autonomia funcional dos idosos, através da prática regular e, paralelamente, investigar os impactos deste modelo de intervenção remota, sobre os parâmetros supracitados”, explica Silva.

O Lazer Ativo também concilia a ação social e a prática científica. Os dados obtidos dão suporte às pesquisas clínicas desenvolvidas pelo GPEAA. Após a coleta de dados, os resultados possibilitam melhoras nas estratégias de intervenção e consequentemente na vida dos participantes.

Mais informações no telefone (48) 3431-4553.


Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

22 de outubro de 2020 às 14:42
Compartilhar Comente