Nutrição

Sombrio recebe atividades de extensão da Unesc

Sombrio recebe atividades de extensão da Unesc
Comunidade contou com serviços e orientações voltadas à saúde (Fotos: Divulgação) Mais imagens

O último sábado (23/11) foi de ação de extensão em Sombrio. Em espaço montado em frente ao Posto de Saúde Central Lino Demétrio Coelho, no bairro Parque das Avenidas, acadêmicos e profissionais da Unesc ofereceram diferentes tipos de atendimento e orientação à comunidade.

Participaram da ação acadêmicos dos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição e Odontologia. Entre as atividades oferecidas a aferição de pressão arterial, orientações quanto ao armazenamento e descarte correto dos medicamentos, orientações referentes à hipertensão, auriculoterapia, terapia manual, orientações de saúde bucal e explanações sobre atendimento nas Clínicas Integradas da Unesc. No total foram realizados aproximadamente 70 atendimentos.

Mayara Cardoso - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 25 de novembro de 2019 às 18:44
Compartilhar Comente

Unesc oferece curso de Culinária Profissional para moradores do bairro Cristo Redentor e proximidades

Unesc oferece curso de Culinária Profissional para moradores do bairro Cristo Redentor e proximidades
Aulas devem iniciar na próxima semana, na sede da Associação Abadeus (Foto: Divulgação) Mais imagens

O projeto de extensão “Curso de Culinária Profissional e Segurança Alimentar”, realizado pela Unesc, está com inscrições abertas para uma nova turma. Desta vez, as aulas serão abertas para jovens e adultos moradores ou que possuem negócios no bairro Cristo Redentor e proximidades. As atividades estão programadas para iniciar no dia 16 de setembro, às 13h30, na sede da Associação Beneficente Abadeus e os interessados devem se inscrever na própria entidade. A turma será formada por até 25 alunos.

Segundo uma das coordenadoras do projeto de extensão, a professora do curso de Nutrição da Unesc Fabiane Fabris, o objetivo é qualificar as pessoas que não teriam condições para pagar um curso de capacitação para trabalhar como cozinheiro, auxiliar de cozinha ou até montar o próprio negócio na área de alimentação, como restaurante, padaria e lanchonete ou melhorar os já existentes.

O curso será realizado em 12 encontros, todas as segundas-feiras, das 13h30 às 17 horas, na Abadeus. As aulas serão ministradas por acadêmicos de Nutrição, orientados por Fabiane e supervisionados pela professora da Unesc Janete Trichês.

Os alunos ganharão certificado e poderão ir até o Sine (Sistema Nacional de Emprego) de Criciúma, para se cadastrar a uma vaga de trabalho. “O projeto é voltado para pessoas de baixa renda, que precisam de uma oportunidade para se capacitar para o mercado de trabalho. Temos vários casos de pessoas que fizeram o curso e estão empregadas. Como elas estão qualificadas, geralmente os empresários optam por dar oportunidade para candidatos com esse perfil”, comenta Fabiane.

Curso observa exigências da Vigilância Sanitária

Durante as aulas, os participantes aprenderão boas práticas de manipulação dos alimentos, higiene dos alimentos, do ambiente e do manipulador, armazenamento dos alimentos e conservação, além de receitas. “Estamos focando na parte de aproveitamento integral dos alimentos, panc (plantas alimentícias não convencionais), alimentação saudável e confecção de alimentos sem glúten e sem lactose. Nossa linha é trabalhar com um alimento saudável e mais sustentável. Um prato que não tenha alto custo, mas seja saboroso e saudável”, afirma.

O projeto de extensão iniciou as atividades em 2011 com as reeducandas do Presídio Santa Augusta, mas a partir de demandas da comunidade, foi sendo realizado também com nos CRAs, com merendeiras de escolas e atualmente, na Abadeus.

Segundo a professora, o curso de boas práticas de manipulação de alimentos é uma exigência da Vigilância Sanitária para as pessoas que irão trabalhar com alimentos e o projeto de extensão da Universidade observa as recomendações do órgão.

Milena Nandi – Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing  

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 12 de setembro de 2019 às 14:40
Compartilhar Comente

Ação mobiliza entidades no Dia de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa

A violência contra a pessoa idosa pode acontecer de várias formas, seja por meio da negligência familiar, do poder público ou da sociedade, do abandono, do abuso financeiro ou da violência psicológica, além de, é claro, agressões físicas, que na maioria dos casos não são denunciadas. Buscando conscientizar sobre todos esses tipos de violência, entidades, voluntários, estudantes e professores estiveram mobilizados durante toda a manhã deste sábado (15/06), na Praça Nereu Ramos, de Criciúma.  O evento marcou o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, comemorado na mesma data.

Durante toda a manhã, a Unesc, ao lado destas entidades que integram tanto a rede oficial de atenção, assistência e proteção à pessoa idosa quanto as que realizam trabalhos voluntários, como a OAB e a Pastoral da Pessoa Idosa, fizeram a sua parte na sensibilização deste tema que é cada vez mais recorrente.

Para a reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta, esta ação é muito importante, pois reforça o movimento de muitas entidades, com um grande mobilização, permitindo o atendimento de muitas pessoas pelos estudantes e professores. "Os movimentos realizados consolidam o que viemos ressaltando de que a universidade deve estar onde estão as pessoas. É lá que temos que levar nossos conhecimentos, produzindo e plantando nossas sementes, sobretudo, quando o tema é a prevenção da violência contra o idoso e também a promoção da saúde", destacou.

A ação teve atendimentos de saúde, feitos pelos estudantes dos cursos de Medicina, Psicologia, Nutrição, Biomedicina, Odontologia, Fisioterapia, Farmácia e Enfermagem, e repassou informação sobre os vários tipos de violência praticados todos os dias contra a pessoa idosa. “Muitas pessoas acham que só existe violência física, mas temos a grande incidência de violência psicológica, violência social, violência econômica, muitas vezes praticada pela família. Precisamos falar com a sociedade, sensibilizando de forma geral contra esses abusos, conhecer mais o idoso para evitar que essas violências aconteçam”, explica a enfermeira e professora da Unesc, Neiva Junkes Hoepers.

A Unesc realiza o trabalho de atendimento ao idoso nos serviços de saúde das Clínicas Integradas, onde também são realizadas notificações de casos de todos os tipos de violência. “O público com quem trabalhamos é formado por uma porcentagem muito grande de pessoas idosas e semanalmente temos feito notificações de todos os tipos de violências. São casos de abandono, de pessoas que moram sozinhas e são negligenciadas, entre outros. Essas notificações são encaminhadas aos serviços da rede de proteção”, especificamente o Nuprevips (Núcleo de Prevenção às Violências e Promoção da Saúde), que fica anexo à nossa clínica", explica Neiva.

Para a Diretora de Extensão da Unesc, Fernanda Faustini Sônego, essa ação é muito importante, pois, com isso, a Universidade cumpre a sua missão de educar por meio do ensino, pesquisa e extensão. “A extensão não pode ficar de fora de movimentos como este. Temos projetos que abordam a violência e temos o Nuprevips, que nos auxilia na notificação compulsória destes casos de abusos. Estamos muito felizes com essa grande mobilização de diversos parceiros que hoje estão aqui reunidos”, destaca Fernanda.

A Presidente do Conselho do Idoso, Angela Maria Silva, destaca que a entidade realiza um trabalho constante de conscientização e informação para que os casos de violência sejam denunciados. “Nestas ações, buscamos mostrar para as pessoas o que é uma violência contra o idoso, pois muitas vezes isso acontece em casa e a pessoa que provoca não tem consciência disso". Ela cita também outros aspectos como a violência financeira, emocional e negligenciada. “A própria pessoa idosa muitas vezes se negligencia ou é negligenciada pelo poder público, pela sociedade e pela família. Falta muita conscientização de todas as pessoas quanto a essa situação”, analisa Angela. Segundo a presidente, Criciúma possui uma população idosa com aproximadamente 24 mil pessoas e, até maio de 2019, foram notificados quase 60 casos de violência.

A Subseção da OAB Criciúma também marcou presença na mobilização, alertando sobre os casos de abuso cometidos contra a pessoa idosa e como fazer a denúncia destes casos. A Presidente da Comissão dos Direitos da Pessoa Idosa da OAB Criciúma, Milly Christie Lima, salientou que muitos casos de violência acontecem diariamente, de modo que o idoso é vítima de violações dos seus direitos. Nos casos de denúncias os responsáveis podem ser enquadrados no Estatuto do Idoso, que prevê pena de multa e reclusão.

O Evento contou também com a presença da equipe do Centro de Referência Especializado de Assistência Social – Creas. A presidente, Mariela Paseto, salientou a importância da mobilização e da conscientização sobre os casos de violências, bem como no atendimento, por meio do serviço de proteção à pessoa idosa.

A Pastoral do Idoso de Criciúma também esteve unida ao movimento, distribuindo folders e sensibilizando a população sobre o problema. “Nosso trabalho é levar amor, carinho, ajuda e escutar o idoso”, explica Zuleima Casagrande Perraro, coordenadora da Pastoral na Matriz São José. Com atuação de aproximadamente 100 voluntários capacitados, o grupo realiza visitas para mais de 400 idosos, geralmente acamados ou em situações mais vulneráveis socialmente.

Para denúncias de violência contra a pessoa idosa é possível ligar para o Creas: (48) 3445 8944; para o Conselho Municipal do Idoso: 100; e ainda na Delegacia do Idoso: (48) 3433 2189.


Ana Sofia Schuster - AICOM Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Ana Sofia Schuster 15 de junho de 2019 às 16:56
Compartilhar Comente

Nas receitas e nos ingredientes, a oportunidade

Nas receitas e nos ingredientes, a oportunidade
Curso Culinária Profissional e Segurança Alimentar oferecido em parceria entre a Unesc e a Abadeus abre portas para adolescentes (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

Enquanto o mundo oferece tantas opções de caminhos tortuosos a serem seguidos, felizes são aqueles que encontram um bom rumo para as suas vidas logo cedo. É o caso de 22 adolescentes alunos da Abadeus, de Criciúma. Envolvidos nas atividades da instituição, os meninos e meninas buscam alternativas de novos aprendizados e já ensaiam uma profissão para a vida adulta. Em 2018 o grupo, que conta com estudantes com idade a partir de 14 anos, participou do curso Culinária Profissional e Segurança Alimentar, oferecido em parceria entre a Unesc e a Abadeus. Os frutos desse trabalho já estão sendo colhidos e agora, depois de oficialmente formados, as portas devem se abrir ainda mais.

Este é o segundo ano em que a oportunidade é oferecida para adolescentes do programa Jovem Aprendiz com a intenção de proporcionar a eles o aprendizado em uma área que conta com boa demanda de empregos na região. Conforme a diretora-executiva da Abadeus, Shirley Monteiro, com o diploma do curso em mãos, as oportunidades conquistadas podem ser valiosas. “Além de aprenderem dezenas de receitas, os participantes passam a ser certificados em boas práticas de manipulação de alimentos. Lá fora eles precisariam pagar caro por essa certificação e aqui recebem a qualificação de qualidade e de forma gratuita”, explica.

A turma do segundo semestre de 2018 acabou de concluir o curso e para o próximo ano já consegue vislumbrar melhores oportunidades. Foram 48 horas de curso, divididas em encontros semanais ministrados por duas acadêmicas do curso de Nutrição da Universidade, sob supervisão de uma profissional da área funcionária da Abadeus. Entre as disciplinas trabalhadas estiveram alimentação saudável; nutrição básica; história da gastronomia, cardápios; restrições alimentares; aproveitamento integral; panificação e confeitaria; saladas; cereais e massas; carnes, aves e pescados e boas práticas de manipulação de alimentos.

Todo esse conhecimento, para a estudante Helen Fernandes Medeiros, de 17 anos, já fez uma diferença e tanto. Além de conhecer de perto diversas opções de culinária saudável e acessível, o curso possibilitou a ela o empurrão necessário para iniciar no mercado de trabalho. “Hoje trabalho em uma empresa que fornece merenda para diversas escolas. Como é meu primeiro emprego, no início fiquei muito insegura, mas os ensinamentos do projeto me deram o conhecimento que eu precisava para iniciar e ver que gosto dessa área. Valeu muito a pena”, comenta.

Conteúdo focado na realidade local

Todos os ensinamentos, desde a preparação até cada ingrediente utilizado, conforme a professora do curso responsável por orientar as acadêmicas ao longo de todo o processo, Fabiane Maciel Fabris, são pensados com cuidado e com foco na realidade dos alunos. De acordo com Fabiane, a ideia é apresentar receitas práticas, saborosas, sustentáveis, de baixo custo e nutritivas. “Esse é um dos diferenciais da proposta pois, mesmo que eles não sigam carreira na área da alimentação, começam a experimentar novos sabores e a conhecer alimentos mais nutritivos, levando esse ensinamento para toda a família em casa. Por si só esse resultado já é muito importante e pode mudar a alimentação dos familiares”, destaca.

Neste último semestre quem teve o contato direto com os alunos e foi responsável por ensiná-los cada lição, foram as acadêmicas Tamara Justin da Silva e Sherowey Marcelly Pereira. A missão, conforme Tamara, foi um grande desafio. “Temos uma idade bem próxima a deles então inicialmente pensamos que seria difícil criar uma autoridade como professoras e alunos. No entanto aos poucos fomos criando laços até de amizade com a turma e eles entendendo nosso papel ali dentro”, lembra Tamara.

Conforme a acadêmica, a oportunidade de ultrapassar barreiras junto dos adolescentes foi algo inenarrável que lhes trouxe muitos ensinamentos pessoais e profissionais. “Foi muito recompensador ver que inicialmente eles tinham preconceito com diversos tipos de alimentos e agora, ao final do curso, já se adaptaram com muitos novos sabores e aprenderam a ser mais saudáveis”, completa.

Mayara Cardoso - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Mayara Cardoso 04 de dezembro de 2018 às 09:00
Compartilhar Comente