AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Pibic Junior e sua importância para a iniciação científica

Pibic Junior e sua importância para a iniciação científica
Larissa e Kamilly, alunas do Colégio Unesc participantes do PIBIC / Foto: Daniela Savi / AgeCom Mais imagens

Duas alunas da 1ª série do Ensino Médio do Colégio Unesc vão fazer parte do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica Júnior da Unesc, o PIBIC Júnior. Pelo período de dez meses, Larissa Medeiros Farias, de 15 anos, e Kamilly Lopes, de 16 anos, atuarão junto aos grupos de pesquisa da Unesc. As alunas receberão uma bolsa de estudos e outro incremento muito especial para as suas vidas: o conhecimento.

O programa tem o intuito de promover a cultura de pesquisa científica no Ensino Médio, visando aproximar os estudantes da Universidade, estimulando-os ao intercâmbio científico e tecnológico. Para o desenvolvimento do projeto, as alunas dedicarão oito horas semanais para o estudo e pesquisa. O programa encerra em agosto de 2022 quando os participantes deverão fazer uma apresentação sob a forma de pôster ou exposição oral, acompanhados de relatório. A apresentação será na Semana de Ciência e Tecnologia promovida anualmente pela Universidade.

As estudantes contam, a partir do PIBIC, com um grande momento de fortalecimento do processo de disseminação das informações e conhecimentos científicos e tecnológicos básicos. Terão, ainda, a oportunidade de desenvolver atitudes, habilidades e valores necessários à educação científica e tecnológica, e terem também a convivência no meio universitário.

“É importante percebemos que a iniciação científica pode ser estabelecida aqui no Ensino Médio. Estar num colégio dentro de uma Universidade comunitária traz essas possibilidades, de agregar conhecimento com a formação do aluno. Elas se envolveram, se engajaram, e com apoio do colégio e da família, conseguiram alcançar o objetivo que era estarem inseridas nesse programa”, destacou a coordenadora pedagógica do Ensino Médio do Colégio Unesc, Mainara Figueiredo Cascaes. O programa tem convênio com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A fase do programa agora é a apresentação do plano de trabalho. “O projeto abrange outras escolas, cumprindo o papel comunitário da Unesc. As alunas vão desenvolver habilidades e competências que muitas vezes iriam ter somente quando ingressassem na Universidade. Isso já é uma maneira construir o projeto de vida delas. É uma forma de experimentarem esse caminho da graduação”, analisou Mainara.

Conexão com a Universidade

A diretora de Pesquisa e Pós-Graduação da Unesc, Patrícia de Aguiar Amaral, salientou que o programa serve como uma grande conexão com a Universidade, além de muitas perspectivas para um futuro próximo, como a graduação. “Esse movimento do programa é muito importante, pois é o primeiro contato com a Universidade e com a pesquisa, mesmo o aluno ainda estando no Ensino Médio. Esta oportunidade proporciona uma interlocução entre um professor Universitário que coloca para esse aluno um tema de pesquisa a ser desenvolvido, e a ter o primeiro contato da prática científica, no desenvolvimento de respostas para objetivos claros de pesquisa”, enumerou.

A professora Patrícia destacou ainda que a integração com o grupo de pesquisa e a conexão com a Unesc introduz esse jovem pesquisador nesse universo e no sonho de cursar o ensino superior e entender qual a área de formação que mais lhe interessa.

A trajetória de um pesquisador, de acordo com a diretora de Pesquisa e Pós-Graduação, é longa e deve ser trilhada com bastante cuidado e dedicação. “São anos de formação, paralelos ao próprio ensino da graduação e que depois esse aluno pode, já inserido num grupo de pesquisa, continuar colaborando com aquele grupo ou se for do interesse dele descobrir outras áreas e outras linhas em que possa atuar”, sublinhou Patrícia, apontando que o edital traz consigo um horizonte, juntamente com essa oportunidade de caminhada dentro da Universidade, além grandes perspectivas e sonhos para o futuro.

Experiência antecipada

Nesse edital, foram disponibilizados 11 grupos de pesquisas. Larissa escolheu o tema “Pesquisa Desenvolvimento em Realidade Aumentada e Dispositivos Móveis”, que terá como orientador o professor Paulo João Martins.

“Eu escolhi esse tema de pesquisa de realidade aumentada porque meu pai trabalha na área de tecnologia e ele me incentivou muito. Em casa, discutimos e fizemos muitas atividades voltadas a área da tecnologia. Eu tenho até óculos de realidade aumentada”, disse a estudante.

A aluna do Colégio Unesc destacou a felicidade da família com a sua escolha. “A minha família ficou bem feliz por eu ter demonstrado interesse em pesquisa. Eu penso muito no meu futuro nesse sentido. Essa área é uma das opções, já que meu pai também já atua e eu tenho contato com isso”, comentou.

Kamilly vai atuar no grupo de “Letramento e Discurso”, com o professor Richarles Souza de Carvalho, da Unesc. Segundo ela, essa área é uma das suas afinidades, já que adora escrever. “Já tenho uma certa afinidade também com discursos, pois participava de muitas apresentações de trabalhos. Além de me preparar para a Universidade, me dá uma expectativa muito grande. Quero me esforçar bastante e adquirir muito conhecimento”, relatou.

Kamilly enfatizou que já pensou em ser professora, mas ainda são somente ideias. Tanto ela quanto Larissa já postaram seus currículos na plataforma Lattes, conforme preconiza o edital do programa.

O currículo Lattes visa a construção da imagem da vida e trajetória profissional do cadastrado, dando especial ênfase à vida acadêmica deste. Dessa forma, o Lattes é focado nas produções, áreas de atuação e experiência de pesquisa em ciência e tecnologia.

Durante o período de encontros semanais, os professores deverão orientar o bolsista nas distintas fases da atividade, incluindo a elaboração de relatórios e material para apresentação dos resultados em publicações, seminários, entre outros; acompanhar e estimular a apresentação dos resultados parciais e finais pelo bolsista nos eventos de iniciação científica e tecnológica promovidos pela Unesc; avaliar o desempenho do bolsista ao final de sua participação, entre outros.

Inova Jovem

As duas alunas também já fizeram parte do Inova Jovem que é desenvolvido pela Agência de Desenvolvimento, Inovação e Transferência de Tecnologia (Aditt) da Universidade. Nesse projeto, participam adolescentes que estejam cursando o Ensino Médio ou que já tenham encerrado o Terceirão e ainda não tenham ingressado na Universidade.

Além de todo o conhecimento adquirido, a participação no projeto vale para os estudantes a possibilidade de garantir prêmios e bolsas de estudos na Universidade.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

10 de novembro de 2021 às 08:20
Compartilhar Comente

Em uma atividade, Colégio Unesc ensina Inglês, Artes e história de museus

Uma detetive que permite mesclar lições de Artes e de Inglês, conferindo aprendizado multidisciplinar e cativando a curiosidade das crianças. Essa é a síntese de mais uma atividade que faz a diferença para os estudantes das séries iniciais do Ensino Fundamental do Colégio Unesc. Na última semana, a visita da detetive Tarsila encheu a meninada de boas lições, muitas dicas e aguçou a veia investigativa dos alunos. A atividade fez parte de uma conexão das aulas de Artes e Inglês do colégio com o apoio da Sala Edi Balod, espaço de exposições de arte e cultura da Universidade.

No fim das contas, a motivação inicial da abordagem foi alcançada: permitir aos estudantes reconhecer e compreender a importância dos museus para a história, em especial a história da arte. Além dos pequenos conhecerem o museu da Casa Candido Portinari e do Louvre de forma virtual, eles ainda foram desafiados a usar a criatividade e imaginar como seria uma exposição montada por eles em um museu, colocando objetivos por meio de desenhos.

A atividade foi proposta pela professora Sinara Tomazia Cardoso, responsável pelas aulas de Artes das turmas do 1º e 2º ano. “E partiu de toda uma contextualização sobre a importância da história dos museus. Para isso, as crianças assistiram ao vídeo sobre a reflexão dessa questão e, na sequência, visitaram os museus de forma virtual”, explicou a professora Wânia Inácio da Silva Ramos, coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental do Colégio Unesc.

Detetive Tarsila

Como parte da programação, a professora Sinara, caracterizada como detetive Tarsila, entregou binóculos para os pequenos verem uma exposição para preparar conteúdo sobre os museus. Para isso, ela colocou pistas em diversos locais do colégio.

Essas pistas tiveram a contribuição da professora Caroline Almeida que inseriu o bilinguismo à prática, trabalhando as pistas em inglês. “Com o auxílio da teacher e da detetive, os alunos conseguiram encontrar as pistas que estavam espalhadas em vários pontos do colégio”, referiu a professora Wânia. Depois de encontradas as pistas, os alunos interagiam com a professora Daniele Zacarão, curadora da Sala Edi Balod.

Em um bate papo bem descontraído, os pequenos tiraram muitas dúvidas sobre os museus. “A atividade foi muito significativa, pois na prática as crianças aprenderam que existem museus em todos os lugares e de diferentes segmentos”, enfatizou a professora Wânia.

A professora Sinara mencionou que a intenção, com a atividade, foi aproximar os alunos desses espaços expositivos, além de valorizar as exposições na Universidade, na cidade e no mundo. “Foi muito significativo, e o aluno se tornou protagonista porque a detetive veio fazer a mediação junto com a professora. Eles tiveram que ir em busca, decifrar as pistas, além de tirarem as suas dúvidas”, comentou.

Haverá uma próxima etapa da programação, na qual os alunos organizaram uma exposição. “Cada um recebeu um binóculo feito de papel. Na lente, eles vão poder desenhar o que eles mais gostaram de ver e como seria feita uma exposição, na visão deles”, destacou Sinara.

Os museus referência

A atividade no Colégio Unesc elegeu como referência dois museus de relevância internacional. O Museu Casa de Portinari, instituição da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, representa a forte ligação do artista com sua terra natal, origens e laços familiares. É o local onde ele realizou suas experiências com pinturas murais e se aprofundou na técnica ao passar dos anos.

O Louvre, localizado na França, é o maior museu de arte do mundo. Nele estão inúmeras obras-primas de pintores, escultores, e artistas importantes de todas as épocas, como a pintura famosa de Leonardo da Vinci, a Mona Lisa.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

03 de novembro de 2021 às 17:32
Compartilhar Comente

Emoção e muitas surpresas marcam o último dia de aula do Terceirão 2021 do Colégio Unesc

Emoção e muitas surpresas marcam o último dia de aula do Terceirão 2021 do Colégio Unesc
Alunos receberam uma caixa de memórias e não esconderam o choro (Foto: Daniela Savi/AgeCom) Mais imagens

Um lindo dia para dizer “sextou”, e desta vez um sextou com S de saudades para os alunos do terceirão 2021 do Colégio Unesc, que tiveram seu último dia de aula. Para marcar a data, a equipe do Colégio preparou mais uma grande surpresa para os alunos da instituição, que foram recebidos com muito carinho no Auditório Ruy Hulse, na Unesc, nesta sexta-feira (29/10).

Para acolhê-los de forma carinhosa como merecem, o ambiente foi todo preparado e decorado com balões. Nas poltronas estavam caixas de memórias que foram organizadas pelos seus familiares, recheadas de fotos, cartas, desenhos, brinquedos, uniformes antigos, e objetos simbolizando a caminhada deles no colégio.

Enquanto a estudante Ana Catarina Dutra Nobre segurava e cheirava a sua cobertinha que estava dentro da caixa, os seus pais, Luiz Filipe Nobre e Jacineia, surgiam de trás do palco. Ela não escondeu o choro e muito menos os seus pais.

“Eu coloquei o ‘cheiro’ como denominamos porque era o que ela mais usava e andava pela casa. Nunca queria lavar. Esse momento foi uma volta no tempo, uma nostalgia grande. É tanta coisa que passa na cabeça da gente. É uma grande emoção”, disse a mãe, que não segurou o choro.

“Quando vi meu cobertor foi emocionante, além dos meus livrinhos, meus diários, a minha boneca da mulher maravilha e as fotos”, comentou a estudante que compartilhou, ao lado dos colegas, muitos sorrisos, abraços, lágrimas, lembranças e afeto.

Kayane Cândido Francisco Teixeira, estava com a mãe Lisandra Helena Medeiros e com a irmã. Ela estuda desde o primeiro ano do Ensino Fundamental no Colégio Unesc e a mãe guardava todas as lembranças de cada atividade que ela realizava no colégio. Na caixa, a sapatilha quando fazia balé, o primeiro maiô, a roupa da festa de inverno, CD, fotos e muitas recordações. Cada objeto vinha com um com recadinho. Em um deles e bem especial, o seu primeiro maiô, o recadinho já dizia: todo peixinho tem sua capa. Você era um neném e essa era a sua. “Eu consegui relembrar vários momentos da minha vida”, rememorou ela que ainda não escolheu seu curso, mas pretende fazer Biomedicina ou Direito. “Na hora de fazer a caixa, a gente chorou e vê que o tempo passa rápido”, contou a irmã.

A escola ainda preparou um vídeo de homenagem com os momentos vividos neste ano, e mensagens deixadas pelos professores. Ao longo da semana eles ainda tiveram muitas atividades, como banho de piscina, festa das cores, café especial, além dos momentos significativos de escuta e partilha com a equipe de psicólogos do Acolher.

Trajetória dentro da Universidade

Reviver esse momento é muito especial para que eles se preparem para a próxima jornada que vem a seguir. Para a diretora Giselle dos Passos Vieira, a última semana no Terceirão é muito marcante “tanto para eles quanto para a gente porque começamos a lembrar de toda a trajetória conosco, e assim como no primeiro ano do Ensino Fundamental quando fizemos toda aquela adaptação com as famílias no primeiro dia de aula, não é diferente no Terceirão. A acolhida, e o resgate de toda a trajetória deles da Educação Básica é muito importante para entenderem que a construção de todo esse processo auxiliará no ingresso à graduação de forma tranquila e em um espaço que eles já conhecem”, frisou.

“A gente alinha com os pais e, normalmente, eles guardam todas as atividades, como os primeiros desenhos, brinquedos, medalhas dos jogos e montam a caixa e, nesse dia, revivem essa trajetória formativa para que eles ressignifiquem e verifiquem que ao longo desse processo construíram muitos sonhos e realizações com apoio da escola e dos pais”, disse a coordenadora pedagógica do Ensino Médio do Colégio Unesc, Mainara Cascaes Figueiredo, afirmando que esse encerramento de ciclo é um grande marco e que foi pensando com muito carinho.

Segundo ela, estudar em um Colégio que está dentro de uma Universidade traz grandes conquistas. “ “Aqui se sentem muito à vontade porque, literalmente, eles conhecem todos os espaços da Universidade que é muito familiar porque já estão aqui há muito tempo. Encerrar esse ciclo e abrir as portas para a Universidade os deixa muito seguros e felizes por terem construído esse processo aqui com a gente”, resumiu Mainara.

Troca de experiências

Na tarde de quarta-feira (27/10) os estudantes do Terceirão tiveram ainda um momento de compartilhamento de experiências com profissionais das áreas nas quais têm interesse em iniciar. Acadêmicos e egressos da Universidade, alguns também ex-alunos do Colégio Unesc, se dispuseram a contar suas vivências enquanto acadêmicos, as peculiaridades da Universidade e das áreas de atuação, colaborando com o processo de escolha daqueles que no próximo ano darão o primeiro passo da vida acadêmica.

O convite do Colégio Unesc foi feito a partir da identificação dos cursos que estão entre as preferências dos alunos do Terceirão como forma de dar ainda mais base à escolha de cada um. Entre os cursos elencados estiveram Biomedicina, Educação Física, Medicina, Ciências Contábeis, Administração, Biologia e História.

A dinâmica da tarde foi comandada pelas psicólogas e residentes no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Atenção Psicossocial da Unesc, Lauriane Pizzoni e Beatriz Dieke. Conforme as profissionais, o fato de estarem diante de jovens acadêmicos ou recém-formados cria uma identificação aos estudantes do Ensino Médio, o que colabora no processo de entendimento entre eles.

A acadêmica do curso de Educação Física e estagiária no Colégio Unesc Mariane Schardosim da Rosa esteve entre os convidados dispostos a compartilhar vivências na roda de conversa. Orgulhosa pela graduação e pela Universidade que escolheu, Mariane falou empolgada sobre as oportunidades abertas na Universidade e suas perspectivas para o futuro. “Falo com muito orgulho da Educação Física. Costumamos dizer que esse é o melhor curso e a melhor Universidade do Sul do mundo. Se depender das informações que pudemos trocar, o Terceirão encerrará esse ciclo ainda mais empolgado com a fase que está por vir nos próximos anos”, pontuou.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

29 de outubro de 2021 às 18:03
Compartilhar Comente

Colégio Unesc promove ação 'Vamos fazer uma criança feliz'

Colégio Unesc promove ação 'Vamos fazer uma criança feliz'
Alunos do primeiro ano do ensino fundamental do Colégio Unesc arrecadam brinquedos e entregam na Casa da Infância (Foto: Daniela Savi) Mais imagens

Na Unesc, as ações comunitárias fazem parte de nosso DNA. Nos tempos atuais, exemplos de amor ao próximo e solidariedade se revestem de mais valor. Uma mão se une a outra e com gestos transformam vidas. E foi trabalhando as datas comemorativas, durante as aulas de História, que os alunos do primeiro ano do ensino fundamental do Colégio Unesc tiveram a ideia de uma grande ação e criaram a campanha “Vamos fazer uma criança feliz”.

A professora Patrícia Stanger Cardoso conta que as datas são muito importantes, pois conectam os estudantes à essência e a história por trás de uma celebração. “Como na semana da criança, dentro do colégio, fizemos jogos e brincadeiras, surgiu a ideia de fazer a arrecadação de brinquedos para as crianças carentes. Eles que tiveram a iniciativa, após uma reflexão de que muitas têm dificuldades e não podem ter um brinquedo em casa”, contou.

Para divulgar a campanha, eles foram nas demais turmas do Colégio Unesc e fizeram até cartazes. Os brinquedos arrecadados, entre livros, quebra-cabeças, bonecas, carrinhos, ursos de pelúcia, e jogos da memória, estavam dentro de duas caixas embrulhadas nas cores vermelho e outra azul, e foram entregues na tarde de terça-feira (26/10) para crianças atendidas na Casa da Infância, no Bairro Fábio Silva. Lá, eles conheceram o espaço e ainda puderam participar de umas das oficinais, cantando com o professor de música. E a canção "O Sol", de Vitor Kley foi a escolhida para abrilhantar a tarde dos pequenos alunos do colégio, que cantarolavam enquanto as crianças da Casa da Infância acompanhavam ao violão. Após a cantoria, a equipe da Casa da Infância preparou um delicioso lanche para os pequenos visitantes.

A diretora Giselle dos Passos Vieira que também acompanhou a entrega, ressaltou a importância desse trabalho dentro da instituição, desde as primeiras séries, já que é uma forma de estarem conectados com o universo de possibilidades que a Unesc oferta. “Temos outras iniciativas dentro da Universidade que faz com que estejamos conectados. Quando surgiu esse projeto, pensamos nesse espaço como forma de contribuir, unindo a solidariedade, o cuidado com o outro, o consumo consciente, contribuindo e compartilhando, sempre que possível, aquilo que temos”, comentou, lembrando, ainda, que essa foi uma sementinha plantada e que vai ser levada para a vida toda.

Casa da Infância

A entidade beneficiada com a ação foi fundada em 2018 e atende crianças, adolescentes e seus familiares, em vulnerabilidade social. É uma organização beneficente e filantrópica. Dentre as oficinas atendidas estão artes, circo, convivência, piano, esporte e lazer, educação inclusiva digital, música, entre outras.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

27 de outubro de 2021 às 10:22
Compartilhar Comente

Atletas representarão o Colégio Unesc nos Jogos Escolares Brasileiros

Atletas representarão o Colégio Unesc nos Jogos Escolares Brasileiros
Alunas do Colégio estão na expectativa dessa grande competição (Foto: Daniela Savi) Mais imagens

O ano de 2021 foi marcado pela volta dos Jogos Escolares Brasileiros, os JEBs, uma tradicional competição estudantil que visa estimular a prática esportiva nas escolas, contribuindo para a boa formação do estudante e o surgimento de novas gerações de atletas olímpicos e paraolímpicos.

E por falar em talento, o Colégio Unesc terá duas representações nos JEBs, que acontecerão de 29 de outubro a 5 de novembro no Parque Olímpico, no Rio de Janeiro. A atleta e estudante do sexto ano, Tayná Miguel Rodrigues, de 11 anos, já está contando nos dedos o dia da sua disputa, e não poupa nos treinos. Quem também está ansiosa para a competição e treinando muito é a aluna da oitava série, Letícia de Oliveira Savi, 14 anos.

“Estou muito animada e vou dar o meu melhor. Estrou treinando muito”, contou Tayná, que disputará na modalidade lançamento de dardo, uma das disciplinas do atletismo. Para um melhor desempenho ela acredita que são fundamentais a força e a técnica.

E a expectativa é bem grande de, possivelmente, conseguir uma boa colocação na competição. É o que conta a técnica Mirelli Bianco Montegutti Berti. “Lá, estarão competindo os melhores de cada estado e país, mas as duas estão treinando regularmente e estão bem dedicadas ao treino para dar o melhor na competição”, argumentou.

De acordo com ela, Tayná entrou para os treinos de atletismo há pouco tempo, mas tem muito potencial, não só a nível, nacional, mas mundial, bem como a Letícia. “Além da força e técnica, o atletismo exige dedicação e comprometimento com os treinos, e elas estão muito dedicadas”, enfatizou a técnica Mirelli, acrescentando ainda que essa vai ser a primeira participação da Tayná no Brasileiro representado o Estado e o Colégio Unesc.

Letícia vai representar o colégio na modalidade salto em distância e 80m com barreiras e já está há mais tempo nas competições.

Orgulho

É o que conta Bruna Alamini de Oliveira Savi, mãe da Leticia. Ela treina há muitos anos e vem mostrando bons resultados nas competições que participa, se dedica muito aos treinos junto com o seu técnico Roberto Bortolotto. “O sentimento que temos é de muito orgulho por ela estar participando de uma competição tão importante que são os JEBs”, disse.

Segundo ela, Leticia se empenha muito para ter os melhores resultados sempre. “Estamos com muitas expectativas nessa competição e esperamos que ela volte com uma medalha”, adiantou.

Tayná Miguel Rodrigues, está há apenas cinco meses no atletismo, mas já conquista muitas medalhas, o que deixa os pais ainda mais orgulhosos. “Já são nove medalhas, entre municipal, regional e estadual. Cada medalha, expressa muita alegria, orgulho e emoção. Queremos que se dedique cada vez mais. Se é isso que ela quer realmente, que voe muito”, almeja a mãe da atleta, Sinara Antunes Miguel.

Sinara reforçou o desejo dos pais. “Todo pai e mãe quer que o filho cresça forte, seja determinado e feliz com o que faz. Enquanto mãe, fico torcendo para que o desenvolvimento dela seja sempre positivo. Ela está comprometida e dedicada ao atletismo”, enalteceu.

A competição deverá envolver mais de 4,8 mil atletas, 772 treinadores, 400 árbitros, 520 pessoas no comitê organizador, além de duas mil medalhas, 70 mil refeições e 180 horas de transmissão por streaming, em 17 modalidades: modalidades individuais: atletismo, atletismo adaptado, badminton, ciclismo, ginástica artística, judô, karatê, natação, taekwondo, tênis de mesa, wrestling e xadrez nos naipes feminino e masculino e, ginástica rítmica, no naipe feminino; Modalidades coletivas: basquetebol, futsal, handebol, voleibol e vôlei de praia nos naipes feminino e masculino.

Os JEBs servirão como seletiva para os Jogos Sul-Americanos Escolares, que foram adiados para dezembro de 2022 em virtude da pandemia de Covid-19. O evento é realizado pela Confederação Brasileira do Desporto Escolar (CBDE) em parceria com o Governo Federal, por meio do Ministério da Cidadania, Secretaria Especial do Esporte, Governo Estadual do Rio de Janeiro e a Prefeitura do Rio de Janeiro.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

23 de outubro de 2021 às 18:18
Compartilhar Comente