AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Designer de Portugal faz workshop sobre processos criativos

Designer de Portugal faz workshop sobre processos criativos
Professor Paulo Uva falará para acadêmicos e egressos do curso de Design (Foto: Divulgação) Mais imagens

A Unesc recebe nesta sexta-feira (19/10) o designer e professor da Universidade de Aveiro, em Portugal, Paulo Uva, para o workshop “Processos Criativos no Design de Produtos”. O convidado conversará com estudantes da oitava fase do curso de Design – ênfase em Projeto de Produtos e designers formados pela Instituição.

A proposta do evento é discutir os processos criativos no âmbito da profissão. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas na coordenação do curso de Design, pelo telefone (48) 3431-2706, das 14 às 22 horas.

O designer português é professor auxiliar convidado na Universidade de Aveiro. Foi vice-diretor fundador do Mestrado de Engenharia e Design de Produto daquela universidade, além de ser doutorando em Design na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa, investigador do ID+ (Instituto de Investigação em Design, Mídia e Cultura) e atuar na Universidade Europeia – Laureate. Desde 1991 é professor de Projeto em Design de Produto, Design Management, Equipamento Urbano, Metodologia, Interface, Inovação pelo Desenho, Design e Tecnologia e Biônica, tendo passado por instituições de países europeus como Portugal e Itália.

É sócio fundador da Almadesign, diretor de ateliê da Novodesign/Brandia, gestor de projetos da Modusdesign e da Blue Grow Design yacht & Leisure, no qual iniciou em 2016. Atua como designer em projetos estratégicos, desde o espaço urbano e edifícios públicos, setor do mobiliário, vidro, cortiça, compósitos, transportes públicos, turismo, ambiente e principalmente embarcações marítimo-turísticas.

Nesta quinta-feira (18/10), às 11 horas, Paulo Uva já estará no Expomais – Encontro Sul Brasileiro de Marketing, Administração, Inovação e Sinergia, que ocorre na sede da Acic (Associação Empresarial de Criciúma), falando sobre “Design, um GPS para novos mercados”. A Unesc é uma das cocriadoras do evento.  

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 17 de outubro de 2018 às 11:22
Compartilhar Comente

Jornada de Fisioterapia reúne estudantes e profissionais da área na Unesc

Jornada de Fisioterapia reúne estudantes e profissionais da área na Unesc
Evento comemora os 20 anos do curso na Instituição (Fotos: Milena Nandi) Mais imagens

A CIF (Classificação Internacional de Funcionalidade), um quadro de referência universal adaptado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para descrever, avaliar e medir a saúde e a incapacidade, seja no nível individual ou da população, foi abordado na manhã desta terça-feira (16/10), na abertura da 20ª Jornada Acadêmica de Fisioterapia da Unesc. O evento, que comemora às duas décadas do curso na Instituição, reúne até esta quarta-feira (17/10), estudantes, professores e profissionais para debater temas relacionados à carreira do fisioterapeuta e as especialidades da área.

A acadêmica da nona fase de Fisioterapia da Unesc, Bianca Scandolara, abriu as apresentações do evento com o resultado da “Avaliação da Aplicabilidade da CIF (Classificação Internacional de Funcionalidade) pelos Acadêmicos das Práticas Fisioterapêuticas V e VI”.

Segundo ela, a CIF faz a identificação das capacidades e limitações específicas de cada sujeito, centrado na funcionalidade e não na patologia, gerando condições adequadas para o planejamento de ações de reabilitação, prevenção e promoção da saúde. “Duas pessoas com a mesma doença podem ter diferentes funcionalidades, como duas pessoas com o mesmo nível de funcionalidade podem não ter a mesma condição de saúde. A CIF vai estabelecer um modelo mais adequado para avaliar a deficiência relacionando o indivíduo também ao contexto social que está inserido. Entender como um todo e avaliar de uma maneira mais profunda para estabelecer a conduta que será adotada”, afirma.

Em seguida, a professora doutora Miriam Guglielmi Balod, falou sobre “Atuação da Fisioterapia nas Apaes” e trouxe a sua experiência como participante da equipe multiprofissional da Apae de Içara.

O evento segue até esta quarta-feira com atividades nos períodos matutino e noturno no Auditório Ruy Hülse e vespertino no Serviço de Fisioterapia das Clínicas Integradas, com temas como “A Importância da Fisioterapia Vestibular na Prevenção de Quedas em Idosos”, “Cuidados e Manuseio Mínimo na UTI Neonatal”, “Fisioterapia Dermatofuncional em Queimaduras” e “Fisioterapia no Parto”.

20 anos de Fisioterapia Unesc  


A coordenadora do curso de Fisioterapia, Ariete Inês Minetto, comenta que ao longo dos 20 anos do curso, 686 fisioterapeutas foram formados pela Unesc. “São profissionais que atuam na região, em outros estados da federação e até no exterior. Nossos egressos estão presentes em hospitais, clínicas, instituições de ensino, Apaes, clubes de futebol, prefeituras e nas mais diversas instituições de saúde. Os fisioterapeutas são formados com espírito humanista e cidadãos com consciência que carinho e atenção são fundamentais para a recuperação do nosso paciente. O curso está consolidado com uma estrutura de ponta, sendo referência no ensino, na pesquisa e na extensão e conta com uma das melhores clínicas escola do Brasil, com laboratórios e equipamentos de última geração, o que proporciona uma formação diferenciada. Que mais anos venham e que o curso possa contribuir sempre para a melhoria da qualidade de vida da comunidade”, afirma.

O delegado do Crefito (Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região) e coordenador do Serviço de Fisioterapia das Clínicas Integradas da Universidade, Lee Gi Fan, comenta que iniciativas como esta promovem atividades que colaboram com a formação de novos fisioterapeutas e com a divulgação da profissão.

O coordenador do Nupac-ST (Núcleo de Promoção e Atenção Clínica a Saúde do Trabalhador), Willians Willians Longen, afirma que o curso de Fisioterapia da Unesc tem um histórico de congregar o debate sobre especialidades e ideias para o desenvolvimento acadêmico. “São momentos importantes para a qualificação do aprendizado e formação de novos fisioterapeutas. São formas de contribuição que alimentam a Fisioterapia também”. 

A abertura do evento teve ainda a presença da representante do CA (Centro Acadêmico) de Fisioterapia, Júlia Fernandes.

Confira a programação completa

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 16 de outubro de 2018 às 13:36
Compartilhar Comente

Jornada de Farmácia reúne profissionais e estudantes na Unesc

Jornada de Farmácia reúne profissionais e estudantes na Unesc
Evento ocorre até esta quinta-feira (Fotos: Milena Nandi) Mais imagens

Profissionais, professores e estudantes participam até esta quinta-feira (16/8) 18ª Jornada Acadêmica de Farmácia que traz debates com tema central “Farmácia Comercial: O ampliar de horizontes da atuação farmacêutica”. A abertura do evento ocorreu na manhã desta terça-feira (14/8), e trouxe quatro momentos com palestras e mesa-redonda.

A palestra “CRF: Conselho Regional de Farmácia e suas atribuições”, ministrada pela farmacêutica pós-graduada em Saúde Pública, inspetora da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e vice-presidente do CRF de Santa Catarina, Hortência Salett Muller Tierling, marcou o início dos debates.

“Principais Legislações Sanitárias aplicadas à Farmácia”, foi a palestra seguinte, ministrada pela graduada em Farmácia e Bioquímica, pós-graduada em Vigilância Sanitária e a fiscal da Vigilância Sanitária Criciúma, Giovana Remi Barbosa, e a pela farmacêutica e bioquímica e fiscal da Vigilância Sanitária de Criciúma, Cecília Citadin.

O primeiro período de atividades da Jornada ainda contou com a palestra “O caminho do proprietário até tornar-se farmacêutico”, com o profissional de Farmácia Mateus Carlos Emerin e com uma roda de conversa com a pró-reitora Acadêmica da Unesc, profissional de Farmácia, e doutora em Ciências da Saúde, Indianara Reynaud Toreti.

Os encontros da Jornada ocorrerão nos períodos matutino (8 horas às 11h50) e noturno (18h50 às 22 horas) e vão abordar assuntos como farmácia comercial, legislação sanitária, marketing, atribuições do CRF (Conselho Regional de Farmácia) e farmácia clínica.

Temas atuais


Segundo a coordenadora do curso de Farmácia, Juliana Lora, a escolha dos assuntos a serem debatidos partiu das necessidades também sentidas pelos estudantes, que participaram ativamente de todo o processo que culminou na Jornada.

“A gente sabe que a profissão farmacêutica tem muitos segmentos, mas a que mais emprega profissionais é a farmácia de dispensação. Em torno de 80% atua nessa área. Só esse número já justifica escolha do tema, mas temos os alunos têm uma preocupação maior. Sabem que as atribuições na farmácia comercial vão muito além da dispensação do medicamento e inclui a parte burocrática, atender as regras da Vigilância Sanitária, da Anvisa, do CRF e que esses serviços precisam ser oferecidos com excelência de qualidade. Por isso chamar profissionais que estejam em conselhos, órgãos como Vigilância Sanitária e que já tenham uma trajetória positiva na área da dispensação. Isso só vem a fortalecer e qualificar o evento”, afirma.

A representante da comissão organizadora da Jornada, Jade Oliveira, agradeceu o empenho dos estudantes na realização do evento. “Aproveitem as palestras e os minicursos. Eles foram feitos pensando em vocês”, comenta a professora.

O presidente do CA (Centro Acadêmico) de Farmácia Alexander Fleming, Higor Teixeira Colombo, agradeceu pela participação dos estudantes na organização da Jornada e falou sobre a importância de eventos como este para a formação profissional.

O vice-presidente do DCE (Diretório Central dos Estudantes), Lucas Gonçalves, reforçou o apoio do DCE em eventos que tenham como objetivo agregar e ampliar o conhecimento.

Mais informações

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 14 de agosto de 2018 às 17:05
Compartilhar Comente

Feminismo indígena é tema de debate na Unesc

Feminismo indígena é tema de debate na Unesc
Semana de Feminismos é promovida pelo CA de História (Fotos: Vitor Netto) Mais imagens

“Metida não. Empoderada!”. É assim que Ana Roberta Uglõ Patté, índia Xokleng, respondia e responde aos seus irmãos quando a chamam, carinhosamente, de metida. Ana é acadêmica de Direito da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e militante do movimento feminista. Nesta quinta-feira (9/8) ela participou de um debate dentro da programação da Semana de Feminismos Marielle Franco, promovido pelo CA (Centro Acadêmico) do curso de História da Unesc. O evento contou com a participação de professores e acadêmicos de diversos cursos de Licenciatura da Universidade.

O objetivo do encontro foi de abordar e desfazer os paradigmas do movimento feminista dentro da cultura do povo indígena. “Desde pequena eu sempre fui metida, no bom sentido. Sempre envolvida com as causas da aldeia, por isso meus irmãos brincam comigo assim”, comenta. Incentivada pela mãe, Ana saiu da aldeia para estudar em Florianópolis e conheceu o movimento feminista. “Quando você sai da aldeia, você começa a ver as diferenças. Nossa realidade de vida é diferente. Hoje eu sei o que é o feminismo”, acrescenta.

De acordo com ela, o seu interesse não é o de retirar os costumes do povo indígena, mas sim de criar uma nova política feminista indígena. “Eu penso de que forma levar o feminismo sem ferir os usos da minha aldeia, pois lá se tem costumes que não serão modificados, pois fazem parte da cultura daquele lugar”, comenta.

Segundo Ana, alguns hábitos que as mulheres da aldeia praticam são parte histórica daquele povo. “As mulheres da aldeia têm uma política diferente. O machismo que hoje existe lá dentro, veio de fora, veio do homem branco da cidade. É por esse machismo que lutamos contra, pois ele fere com os costumes que os homens indígenas praticam dentro da aldeia”.

Espaço de atuação


A professora do curso de Direito da Unesc Mônica Ovinski de Camargo Cortina, produziu um recente trabalho que trata sobre os direitos das mulheres indígenas. De acordo com ela, atualmente o avanço nessa área tem aumentado. “Não compete a nós tomar a fala das mulheres indígenas, mas temos que dar espaço e fala para elas. Porém, isso de nada vai adiantar se não tivermos pessoas para escutá-las”, enfatiza.

Segundo Ana, a luta das mulheres dentro e fora da aldeia é constante. “Nós temos que além de aprender com a Universidade, ensinar e ter espaço de fala”. De acordo com ela, está ocorrendo um aumento da participação indígena na UFSC, o que seria um reflexo da luta de muitas pessoas por espaço ao povo indígena.

Além de Mônica e Ana, o debate teve a participação da professora do curso de História Michele Gonçalves. 

Semana de Feminismos

Iniciada nesta terça-feira (7/8), o evento tem por objetivo promover o debate do tema entre os acadêmicos. “O número de feminicídios cresce e o feminismo pode parecer um tema batido, mas queremos trazer conhecimento e conscientização para dentro da Universidade. O machismo não vai acabar tão cedo, então precisamos debater, pois ele não afeta só as mulheres, ele afeta a sociedade como um todo”, comenta a presidente do CA, Samira Rampinelli.

Em sua abertura, o evento abordou a temática geral do movimento feminista. Na quarta-feira (8/8), foi o dia de debater o Feminismo Negro. Nesta sexta-feira (10/8) o encontro ocorrerá na sala 1 do Bloco O, às 14 horas e vai debater o Transfeminismo.

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

10 de agosto de 2018 às 09:50
Compartilhar Comente

Ampliação da atividade do farmacêutico é tema de Jornada Acadêmica na Unesc

Ampliação da atividade do farmacêutico é tema de Jornada Acadêmica na Unesc
Orientação por meio de consultas farmacêuticas é uma das novidades na área (Foto: Divulgação) Mais imagens

Profissionais, professores e estudantes estarão reunidos na Unesc entre os dias 14 e 16 de agosto para debater assuntos como farmácia comercial, legislação sanitária, marketing, atribuições do CRF (Conselho Regional de Farmácia) e farmácia clínica. O encontro ocorrerá nos períodos matutino (8 horas às 11h50) e noturno (18h50 às 22 horas) durante a 28ª Jornada Acadêmica de Farmácia que terá como tema central “Farmácia Comercial: O ampliar de horizontes da atuação farmacêutica”.

As inscrições para o evento podem ser feitas até o dia da Jornada, na coordenação do curso de Farmácia, localizada na sala 8 do Bloco S. As discussões serão realizadas por profissionais renomados no mercado e na área acadêmica. A abertura do evento na parte da manhã ocorre às 8 horas, e à noite, às 19h20, no Auditório Ruy Hülse, com a palestra “CRF: Conselho Regional de Farmácia e suas atribuições”, ministrada pela presidente do CRF de Santa Catarina, Hortência Salett Muller Tierling.

A Jornada tem a organização do CA (Centro Acadêmico) de Farmácia Alexander Fleming e da coordenação do curso.

Ampliando possibilidades


A formação em Farmácia habilita o profissional para três grandes áreas de atuação: Fármacos e Medicamentos; Alimentos e Análises Clínicas/Toxicológicas. Elas englobam 78 subáreas. Segundo o presidente do CA, Higor Teixeira Colombo, baseada nas possibilidades que o profissional tem, a programação da Jornada foi pensada para ajudar a ampliar o olhar do graduando e dos profissionais farmacêuticos para além da dispensação e devida orientação, mas também para toda a parte de fiscalização e marketing.

“Neste ano o evento irá abordar além da farmácia comercial propriamente dita, os órgãos que a norteiam e a forma como é feito o marketing delas. Vale salientar que a farmácia clínica será também abordada em nossa programação, pois é uma área que vem ganhando cada vez mais espaço, devido à sua grande importância em relação à dispensação de medicamentos, acompanhamento, monitoramento do paciente, além da avaliação do tratamento, sinais e sintomas”, explica Colombo.

Farmácia clínica

A coordenadora do curso de Farmácia da Unesc, Juliana Lora, explica que o atendimento clínico pelo farmacêutico é algo ainda pouco realizado pelos profissionais, mas que vem ganhando espaço há três anos como possibilidade de atuação além das atividades tradicionais como dispensação de medicamentos, gerenciamento da farmácia e controle de estoques e receitas. “O profissional está habilitado para realizar consulta farmacêutica, onde vai analisar a medicação utilizada pela pessoa. Alguns medicamentos não podem ser tomados no mesmo horário, pois vão interferir no tratamento que a pessoa está fazendo para um outro problema, por exemplo. E o farmacêutico tem o conhecimento sobre a ação das substâncias no organismo e vai poder orientar e tirar dúvidas, além de acompanhar o tratamento”, afirma.

Programação e mais informações

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Por: Milena Spilere Nandi 09 de agosto de 2018 às 16:11
Compartilhar Comente