AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Professor da Unesc recebe Título de Cidadania Honorária de Criciúma

Professor da Unesc recebe Título de Cidadania Honorária de Criciúma
João Carlos Medeiros recebeu a honraria da Câmara de Vereadores (Foto: Vitor Netto) Mais imagens

O coordenador do curso de Direito e procurador jurídico da Unesc, João Carlos Medeiros Rodrigues Junior, recebeu na noite desta quarta-feira (13/12), o Título de Cidadania Honorária de Criciúma. A deferência foi entregue pela Câmara de Vereadores em sessão solene na Sociedade Recreativa Mampituba. No mesmo evento, o Legislativo entregou ainda Títulos Honoríficos de Cidadão Benemérito e Diploma de Mérito, honrarias direcionadas para as pessoas que prestaram serviços relevantes ao município.

Rodrigues recebeu o Título das mãos do vereador suplente e acadêmico de Direito Marcos Meller. A homenagem é entregue para pessoas que não nasceram em Criciúma. “O professor João tem uma grande história na Unesc e na cidade. Apesar de ele não ser da cidade, ele construiu uma história aqui, acumulou diversos cargos e sempre está disposto para pratica-los, principalmente para ajudar os alunos”, explica Meller, que indicou o professor da Unesc para ser agraciado com a Cidadania Honorária.

“É um reconhecimento fabuloso para quem contribui tanto para o desenvolvimento da cidade. O João é um profissional que tem se dedicado tanto na vida acadêmica quanto na formação de novos advogados, bacharéis em Direito e também tem cuidado muito da nossa Universidade, por isso é muito merecido esse reconhecimento”, afirma a reitora da Unesc, Luciane Ceretta.

Rodrigues nasceu em São Lourenço do Sul, mas cresceu em Pelotas e formou-se em Direito em Porto Alegre. “Um sentimento de gratidão ao povo de Criciúma, estou aqui há 17 anos e a cidade me proporcionou uma série de experiências, uma série de pessoas que eu conheci, que hoje tenho uma forte amizade. Então eu vejo isso como um reconhecimento da cidade pelo trabalho que eu fiz, mas também um reconhecimento que eu tenho com todas as pessoas que me deram oportunidade aqui em Criciúma”, afirma o homenageado. 

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Por: Assessoria de imprensa 14 de dezembro de 2017 às 13:02
Compartilhar Comente

Unesc auxilia no desenvolvimento de aplicativo inédito na região

Unesc auxilia no desenvolvimento de aplicativo inédito na região
Idealizadores do Close to Me receberam orientações no Programa Mentoring (Foto: Arquivo) Mais imagens

Você já pensou em ter acesso a profissionais de saúde por meio de seu celular? Pois participantes do Programa Mentoring da Unesc, sim. O Close to Me, uma plataforma de agendamento para atendimento de profissionais da saúde, deve ser lançado em abril de 2018 e já foi reconhecido no Estado. O projeto está entre os classificados para a segunda fase do Sinapse da Inovação, um programa de incentivo ao empreendedorismo que visa transformar ideias inovadoras geradas por estudantes, professores, pesquisadores e profissionais de diferentes setores em negócios de sucesso.

A ideia da solução para smartphone – Android e IOS – surgiu com Alessander Gonçalves José, que trabalha na área da saúde. Segundo ele, o Close To Me é uma plataforma para gestão de agenda de profissionais da área da saúde, na qual eles vão disponibilizar seus horários livres aos pacientes. “Isso vai permitir mais agilidade para consultas, e ainda possibilitando o chamado ‘Home Care’. Irá humanizar atendimentos para pessoas que possuem limitações para deslocamento, como os deficientes físicos, mães com filhos pequenos, idosos, cadeirantes, acamados, já que é difícil encontrar profissionais que atendam em casa. Para o profissional, é ter uma vasta carteira de clientes em potencial na sua região, podendo também cobrir ‘furos’ que ficam com as faltas de seus pacientes, podendo buscar outros na lista de espera”, afirma.

O parceiro de Gonçalves no projeto, Dreyer Zanotto, conta que foi detectada essa necessidade e a partir daí realizados estudos em outras plataformas sobre esse tipo de serviço fora do Brasil e alguns oferecidos em São Paulo e Brasília, além de ser levantada a necessidade do Sul catarinense. “A plataforma é inédita na região e está sendo desenvolvida para ser usada em qualquer parte do Brasil. Fizemos o levantamento dos requisitos chaves através do canvas, validamos a ideia e montamos o plano de negócios que foi o diferencial para inscrevermos o projeto no concurso. Temos várias ideias para lançar na solução, inclusive, fazer parcerias com Farmácias, Clínicas e convênio com planos de saúde”, comenta Zanotto.

Segundo ele, participar do prêmio foi uma forma do projeto ser desafiado. “Como estamos trabalhando apenas com recursos próprios, a primeira versão da plataforma terá todas as funcionalidades descritas pelo Alessander. Mas temos várias inovações que queremos agregar à plataforma, tornando ainda mais fácil o serviço entre profissionais da saúde e seus clientes. A classificação para o Sinapse foi fantástica. Como participamos da mentoria na Unesc, trabalhamos no projeto há um bom tempo, para que ele ficasse bem ‘redondinho’ para participar do Sinapse”.

Além de Gonçalves e Zanotto, a solução está sendo desenvolvido por Anderson Rodrigo Farias, que é egresso da primeira turma do curso de Ciência da Computação da Unesc e é pós-graduado em Gerenciamento de Banco de Dados pela Universidade.

Farias comenta que antes de iniciar o desenvolvimento da solução, foi realizado estudos de usabilidade e arquitetura da informação. “Tivemos uma preocupação extra com esta área para podermos entregar um serviço de qualidade aos nossos dos públicos: profissionais da área da saúde e seus clientes. Estamos usando tecnologias de mercado, seguindo tendências já validadas e usadas em projetos mais atuais. Mesmo sendo um MVP (Minimum Viable Product – Produto Mínimo Viável), tomamos cuidado com a arquitetura de software, de modo que tenha boa escalabilidade, prevendo um crescimento rápido no uso da plataforma”.

Unesc no Sinapse


A sexta edição do Sinapse da Inovação vai selecionar até 100 projetos em Santa Catarina, e cada um ganhará até R$ 60 mil em subvenção da Fapesc (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina) para desenvolver seu negócio; Até R$ 42 mil em bolsas de auxílio da Fapesc e capacitações e suporte durante seis meses para alavancar a empresa.

Ele é considerado o maior programa de empreendedorismo do Brasil. Em cada edição regional, recebe mais de mil ideias inovadoras. É realizado pela Fundação Certi e promovido pela Fapesc e pelo Governo do Estado de Santa Catarina com o apoio do Sebrae e a parceria da Unesc e do Núcleo de Empreendedorismo da Universidade.

Nesta edição, além da plataforma, outros três projetos ligados à Unesc foram selecionados para a segunda etapa do concurso: “Biocoating - Revestimento de sementes com matéria orgânica ativa”, representado pela acadêmica Andrieli Bonfante; “Remediação de solos contaminados por processos oxidativos avançados”, representado pelo estudante de graduação Willian Acordi Cardoso; e “Sistema Automatizado de Elaboração de Planta de Valores Genéricos”, representado pelo egresso de pós-graduação, Fabiano Luiz Neris.

Segundo a reitoria da Unesc, Luciane Ceretta, é um orgulho para a Universidade incentivar e colaborar com o desenvolvimento de ideias inovadoras. “Ter projetos relacionados à Unesc selecionados no Sinapse, reflete o investimento intenso em inovação e pesquisas que a Instituição tem feito. A Unesc, como uma Universidade Comunitária fortemente ligada à região, promove cotidianamente novas possibilidades de prospecção e inovação para a população, que se qualificam na forma de estudo dos alunos e promovem o desenvolvimento regional da sociedade”, considera a reitora.

Mentoring

O Close to Me participou da segunda edição do Programa Mentoring, que auxilia empreendedores de Criciúma e região a concretizarem seus projetos. A iniciativa está vinculada ao Núcleo de Empreendedorismo da Universidade.

A primeira etapa do processo, que durou cerca de 90 dias, os mentorados elaboraram toda a parte estratégica do negócio, usando ferramentas como a árvore dos problemas para identificar soluções. A segunda etapa é a pré-incubação na Itec-In, incubadora tecnológica da Unesc, durante seis meses. Em todas as etapas os mentorados são acompanhados por professores e acadêmicos da Universidade.

Mais informações sobre o aplicativo Close to Me

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Por: Milena Spilere Nandi 13 de dezembro de 2017 às 11:31
Compartilhar Comente

Gênero e violência contra as mulheres em debate na Universidade

Gênero e violência contra as mulheres em debate na Universidade
Encontro ocorreu nesta terça-feira (Fotos: Mayra Lima) Mais imagens

A tarde desta terça-feira (12/12) reuniu mulheres da região de Criciúma para debater lutas diárias. O encontro “Gênero e Violência contra as mulheres”, contou com diversos depoimentos que contribuíram para uma análise de aspectos teóricos e práticos na realidade das demandas atuais do município e ao redor dele.

A presidente do Conselho Municipal de Direitos das Mulheres, Maria Estela Costa Silva, ressaltou o sonho e possibilidades que podem nascer a partir do desenvolvimento de uma vida melhor para as mulheres. “Muitas são vítimas diariamente, e o conselho está aí para dar esse suporte a todas”, comentou.

O encontro também contou com a participação de professores e extensionistas do projeto Amora, além de trazer, por meio da professora Monica Ovinski, o resultado de uma pesquisa desenvolvida pela Unesc, que analisou mulheres que foram até o Poder Judiciário para obter a proteção da Lei Maria da Penha, entre julho e novembro de 2017. Os dados foram resultados do projeto "Violência de gênero e a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006): a construção de indicadores de violência contra as mulheres na Comarca de Criciúma/SC". O projeto de pesquisa está vinculado ao DIDH (Programa Diversidades, Inclusão e Direitos Humanos) com financiamento do CER (Centro Especializado em Reabilitação).

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Por: Mayra Antonio De Lima 12 de dezembro de 2017 às 22:03
Compartilhar Comente

Você sabe o que é Alienação Parental?

Você sabe o que é Alienação Parental?
Unesc auxilia famílias a não desvincularem laços entre pais e filhos (Foto: Divulgação) Mais imagens

A ausência do pai ou da mãe no crescimento de crianças compõe um cenário comum em diversas famílias. Entretanto, se o afastamento ocorre por meio de uma pressão psicológica, promovida pelos próprios pais em seus filhos, com o intuito de “difamar” a imagem um do outro, o caso vira um abuso moral. E com o intuito de contribuir para a efetivação do direito de convivência familiar sadia para as crianças e adolescentes, a Unesc promove o projeto “Prevenção e Erradicação da Síndrome da Alienação Parental”, que desde 2013 já beneficiou, direta ou indiretamente, mais de 800 pessoas.

As atividades são realizadas nas Casas da Cidadania do Rio Maina, da Próspera e na Unesc. Os atendimentos são feitos pelos acadêmicos de Direito matriculados na nona e décima fase do curso, mediante estágio de prática jurídica, sob a orientação dos professores advogados. Há também a participação de estudantes do curso de Psicologia nos casos de mediação. A Alienação Parental começa a ocorrer, na maioria das vezes, nesse ambiente de separação e disputa pela guarda da criança.

“Há um diálogo com os casais que estão buscando a dissolução do vínculo conjugal, e nessa conversa nós explicamos para eles o que é Alienação Parental, se eles reconhecem atitudes que já foram feitas. São dados exemplos, com vídeos e documentários, além de explicar a lei da alienação e suas penalidades”, comentou Sheila Martignago Saleh, coordenadora do projeto.
 
Segundo ela, essa conversa facilita a conciliação no momento da audiência. “Muito acontece de as mães não deixarem os pais, que não pagam pensão alimentícia, visitarem seus filhos. Então o filho passa a ser uma moeda de barganha para receber o valor da pensão. Só que nós mostramos que a criança precisa muito mais do que o dinheiro, ela tem o direito de uma convivência familiar sadia, e o fato de interromper essa ligação e convivência causa transtornos psicológicos e problemas sérios”, ressaltou.

Síndrome da Alienação Parental

Uma pesquisa divulgada pelo IBGE em 2012 registrou no Brasil a maior taxa de divórcios desde o ano de 1984, num crescimento de 45,6%. “Esses dados repercutem em inúmeros efeitos jurídicos aos filhos, cabe destacar o regime de guarda, diretamente relacionado ao direito de visitas. Assim, é justamente dentro deste contexto que se insere a SAP (Síndrome da Alienação Parental) um transtorno psicológico desenvolvido por filhos de pais alienadores, os quais geralmente enfrentam ou enfrentaram a dissolução de um vínculo conjugal e agem de forma a impedir ou obstar o direito-dever do outro genitor em visitar o filho”, comentou Sheila.

A SAP adquiriu conceito nos anos 80 pelo psiquiatra norte-americano Richard Gardner. No Brasil, a partir do ano de 2003, quando apareceram as primeiras decisões judiciais sobre o tema, houve a divulgação da Síndrome da Alienação Parental, a qual passou a ter uma maior atenção por parte do Poder Judiciário.  Segundo o art. 2º. da Lei 12.318 de 26 de agosto de 2010, a alienação parental é considerada uma interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente.

Guarda compartilhada

Quando ocorre o fim do casamento, ou da união estável, com a decretação da guarda, o pai, ou a mãe, que ficou apenas com o direito de convivência com o filho, acaba se distanciando, já que não poderá mais participar da rotina da criança com a mesma intensidade. Dentro desse contexto, a guarda compartilhada serve para minimizar os efeitos da separação.

Sheila aponta esta medida como sendo a mais eficaz, já que o casal deverá manter o diálogo, mesmo que tenham constituído nova vida familiar. “Esta é uma forma de os filhos, que estão sob a guarda compartilhada, manterem os mesmos hábitos, as mesmas divisões de tarefas e as regras de educação que vinham sendo ensinadas pelos pais”, afirmou.

Resultados

Uma análise dos resultados das conciliações das duas Casas de Cidadania em 2015, é possível perceber que os números de acordos celebrados nos dias em que os acadêmicos de Direito estavam presentes foi superior aos dias em que houve as audiências sem a realização do projeto.

“Em uma análise comparativa dos dois períodos (com o projeto e sem), foi possível verificar que 62,50% dos acordos celebrados na Casa do Rio Maina foram realizados nos dias em que os acadêmicos estavam presentes, realizando as oficinas do projeto, com relação à Casa do Centro, 45% dos acordos foram celebrados nos dias em o projeto estava sendo realizado”, comentou Sheila. 

O projeto se controi junto à professora Renise Melillo Zaniboni, com apoio dos bolsistas Joao Batista Costa e Jessica Macedo.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Por: Mayra Antonio De Lima 12 de dezembro de 2017 às 16:51
Compartilhar Comente

Ciências Contábeis e Shakhtar D’Unesc na final do Intercursos de futsal masculino

Ciências Contábeis e Shakhtar D’Unesc na final do Intercursos de futsal masculino
Partida ocorre nesta quinta, às 20h30, no Ginásio José Antônio Carrilho (Foto: Divulgação) Mais imagens

As equipes Ciências Contábeis e Shakhtar D’Unesc (Engenharia Civil) vão entrar em quadra para disputar o 9º Campeonato Intercursos de Futsal Masculino Unesc/DCE. A final vai ser disputada nesta quinta-feira (14/12), a partir das 20h30, no Ginásio José Antônio Carrilho.

Em busca da artilharia

A partida vai contar também com um tempero especial na briga pela artilharia do campeonato. Keidy Carneiro, de Ciências Contábeis, e Roberto Búrigo, d Shakhtar D’Unesc, somam nove gols cada e lideram os marcadores.

Para chegar à final Ciências Contábeis venceu In Dubio Pro Torrone (Direito) por 5 a 2. Pelo mesmo placar, Shakhtar D’Unesc passou pela equipe Biomedicina Esporte Clube e garantiu a outra vaga para a final.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada

Por: Assessoria de imprensa 12 de dezembro de 2017 às 14:47
Compartilhar Comente