AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Unesc entrega estudo técnico que vai contribuir com a redução dos problemas causados pela chuva no norte do Rio Grande do Sul

Unesc entrega estudo técnico que vai contribuir com a redução dos problemas causados pela chuva no norte do Rio Grande do Sul
Análise foi conduzida por profissionais pesquisadores do Iparque, com uso de softwares de geoprocessamento e de modelagem hidrodinâmica (Foto: Assessoria de Mampituba) Mais imagens

Os recorrentes alagamentos e as prejudiciais inundações na região de Mampituba, no Rio Grande do Sul, estão mais próximos do fim. Isso porque profissionais pesquisadores do Iparque (Parque Científico e Tecnológico) da Unesc entregaram, nesta terça-feira (30/30), um estudo técnico para a “Avaliação Hidrológica e Hidrodinâmica da Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba”, divisa dos estados catarinense e gaúcho.

A demanda, conforme o coordenador do Centro de Pesquisa e Estudos Ambientais (CPEA), Sérgio Luciano Galatto, foi solicitada pelo poder público do município de Mampituba. Além dos problemas naturais causados pelas fortes chuvas, existem construções e propriedades localizadas nas porções de  cheias dos rios. “É onde naturalmente as águas acabam extravasando para fora da sua calha natural, em eventos de fortes chuvas, podendo trazer prejuízo econômico e risco de vida à população local”, explicou.

Os resultados obtidos permitiram à Universidade entregar uma avaliação técnica considerada pelo profissional como robusta, com proposição de medidas para minimizar os problemas gerados com as inundações.

O contexto histórico da região também foi considerado e uma análise multitemporal, por meio da fotointerpretação de imagens e fotografias datadas de 1957, 1978, 2000, 2010, 2013 e 2020, permitiu compreender a dinâmica fluvial dos rios Mampituba e Canoas. “O estudo apresentado é de grande importância, pois provou que a contenção é fundamental bem como é necessária a sua manutenção, tendo como principal objetivo garantir e preservar vidas. Ele servirá de base para, quem sabe, evitar futuras tragédias. Foi um trabalho muito bem elaborado e apresentado pelos profissionais Ives Fiegenbaum e Sérgio Galatto. Esperamos poder fazer novas parcerias para futuros trabalhos”, destacou o Secretário de Meio Ambiente, Sérgio Pereira da Conceição.

Para entregar uma resposta assertiva ao poder público, os pesquisadores da Universidade simularam três cenários com manchas de inundação, empregando modelo hidrodinâmico. O modelo do estudo considerou eventos de chuva de 24 horas, dentro dos períodos de 5, 10, 15, 20, 25, 50 e 100 anos, detalhou o profissional. “Trabalhamos em uma área de 1.211,97 km², inserida na bacia Hidrográfica do Rio Mampituba, que adentra os dois estados”, pontuou Galatto.

O estudo faz ressalva também quanto à importância do papel das Defesas Civis destes municípios, em terem seus Planos de Emergência e de Contingência instituídos, já que é uma região de superávit de inundações. 

Além de Galatto, o trabalho contou com a coordenação do engenheiro ambiental Ives Fiegenbaum; engenheiro agrimensor Jori Ramos Pereira e geólogo Gustavo Simão. Os técnicos colaboradores Marina Refatti Fagundes, Mariluci Pereira, Alan Sezara de Souza e o acadêmico Fabiano Cardoso de Souza também contribuíram com o projeto.

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

31 de março de 2021 às 18:31
Compartilhar Comente

Unesc realiza agenda para fortalecer laços entre Universidade e municípios

Unesc realiza agenda para fortalecer laços entre Universidade e municípios
Visitas contemplarão todo o Sul e Extremo Sul de Santa Catarina (Fotos: Divulgação) Mais imagens

A Sala dos Municípios da Unesc, representada pelo coordenador Dorvanil Vieira, segue trabalhando para consolidar ainda mais os laços entre a Universidade e os municípios da região. De quinta a quarta-feira (25 a 31/3), em nome da reitora, Luciane Bisognin Ceretta, Dorvanil esteve em agenda nos municípios de Morro da Fumaça, Forquilhinha, Siderópolis, Urussanga, Nova Veneza, Cocal do Sul, Içara e Rincão. 

O representante da Unesc foi recepcionado por prefeitos e vices, para um diálogo sobre a Instituição, os municípios e trabalhos em conjunto. “Reafirmamos que a Universidade e a Sala dos Municípios estão à disposição para contribuir com o desenvolvimento e a entrega de soluções sociais, principalmente neste momento em que vivemos. A Universidade oferta uma vasta possibilidade de parcerias que podem gerar impactos positivos para à socieade”, enalteceu Dorvanil. 

A agenda se estenderá aos municípios da Amrec (Associação dos Municípios da Região Carbonífera) e Amesc (Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense), com o objetivo de fortalecer os laços e prospectar iniciativas para o desenvolvimento social e econômico do Sul. 

A Sala tem foco nos municípios da Amrec, Amesc e Amurel (Associação dos Municípios da Região de Laguna). Sua criação tem o propósito de fomentar a inovação, captação de recursos, implementação de iniciativas e monitoramento de projetos. O resultado da atuação é percebido em avanços no desenvolvimento local e regional.




Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

31 de março de 2021 às 17:39
Compartilhar Comente

Pacientes de toda a Amrec podem receber atendimento no Ambulatório de Feridas da Unesc

Pacientes de toda a Amrec podem receber atendimento no Ambulatório de Feridas da Unesc
Clínicas Integradas contam agora com convênio com o Consórcio Intermunicipal de Saúde da região (Fotos: Divulgação) Mais imagens

As portas do Ambulatório de Feridas, das Clínicas Integradas da Unesc, estão abertas para pacientes de todas as cidades que integram a Associação de Municípios da Região Carbonífera (Amrec). Ao longo dos últimos dias, em nome da coordenação das clínicas, as professoras Mágada Tessmann e Maria Madalena Santiago visitaram cada um dos municípios com foco na confirmação da parceria por meio do Consórcio Intermunicipal de Saúde da região e orientações acerca dos encaminhamentos necessários para o acolhimento dos munícipes.

Conforme Mágada, todos os pacientes que apresentarem ferida de elevado grau de gravidade poderão ser encaminhados das suas Unidades Básicas de Saúde para o Ambulatório da Unesc. “Esses pacientes irão agendar seus atendimentos, serão avaliados e acompanhados até que a ferida já esteja em estágio no qual possa ser novamente tratada na Unidade Básica, neste caso sob orientação também da equipe da Unesc, que dará todas as diretrizes no encaminhamento”, explica.

Esse serviço é importante, de acordo com Mágada, para o tratamento efetivo de complexas, crônicas ou agudas de difícil cicatrização. “Por meio dos protocolos específicos adotados no serviço da Universidade temos uma efetividade muito grande nestes tratamentos, muitas vezes conseguindo curar feridas que vinham sendo motivo de dor e sofrimento ao longo de anos”, completa.

Anos de experiência e serviços prestados à comunidade

Inaugurado em julho de 2016, o Ambulatório de Feridas é fruto de uma parceria entre a Universidade e a prefeitura de Criciúma, agora estendida aos demais municípios da Amrec.  No local são atendidas pessoas com lesões agudas ou crônicas, simples ou complexas. O Ambulatório funciona nas Clínicas Integradas da Unesc e realiza em média dez atendimentos ao dia. Até 2019, foram 210 pacientes com alta.

A equipe interdisciplinar do Ambulatório conta com enfermeiros e profissionais especializados em estomaterapia.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

31 de março de 2021 às 16:26
Compartilhar Comente

Colégio Unesc ganha “Jardim da Gratidão” feito de modo colaborativo entre os alunos

Colégio Unesc ganha “Jardim da Gratidão” feito de modo colaborativo entre os alunos
Projeto conta com árvore de ovos pintados à mão e cheios de significado (Fotos: Mayara Cardoso) Mais imagens

Quem chega no Colégio Unesc já percebe uma recepção diferente. Logo na entrada da escola está a “Árvore de Páscoa” ou Osterbaum, tradição de origem alemã adotada como forma de celebração da data, mas com muitos outros significados criados na escola. Cheia de ovinhos coloridos e até mensagens espalhadas entre os galhos secos, a árvore está sendo montada no chamado Jardim da Gratidão, projeto realizado de forma colaborativa entre todos os alunos e alunas.

Direção, coordenações, equipe pedagógica e os professores da disciplina de Artes do Colégio Unesc, Gabriel Valga e Juliana Pereira Guimarães trouxeram a proposta de montar uma árvore. Conforme Gabriel, a dupla se uniu para idealizar um projeto que trouxesse significado aos alunos. “A partir de uma chuva de ideias buscamos promover uma ação que reverberasse em todas as turmas e que pudesse dialogar com as outras disciplinas. Foi aí que surgiu a ideia de destacar a partilha da data, o recomeço que significa”, explica.

Com os alunos de Ensino Fundamental Anos Iniciais, a Árvore de Páscoa foi abordada a partir de uma história lúdica que envolvia um coelho que tinha o sonho de, mais que levar ovos como os outros faziam, levar arte e cor para o mundo. Todo o contexto trabalhado com os alunos em sala de aula, de acordo com a professora Juliana, fez com que as turmas mergulhassem no projeto.

"O retorno para o Colégio representa um novo ciclo para as crianças. É visível o entusiasmo e o brilho do olhar dos pequenos no espaço escolar. A proposta com o tema ‘Jardim da Gratidão’ provocou discussões com as crianças sobre o verdadeiro sentido da vida, e do ovo como símbolo de renovação”, acrescenta.

A pequena Julia Ficher Costa, do quarto ano, deixou também sua marca na árvore especial. Ela, que chegou em 2021 no Colégio Unesc, se mostrou empolgada com o projeto proposto e deu o seu melhor na pintura para que contribuísse na missão de levar mais cor à ação e ao mundo ao lado dos novos amigos que já fez.

Conforme a professora da turma de Julia, Daiane Niquele, foi lindo ver como cada um colocou suas características na pintura e contribuiu com a vivência diferente sobre a Páscoa. "Alguns mais delicados, outros fazem mais rápido, enquanto ainda alguns pedem para pintar outro e caprichar mais, ou seja, é uma forma lúdica e com a qual eles também se divertem aprendendo", acrescentou.

Além dos ovos pintados à mão na sala de aula ou em casa, no caso dos alunos que estão assistindo as aulas de forma remota, o chão em torno da árvore está sendo decorado em giz com palavras escolhidas pelos alunos após uma dinâmica. “Eles vendaram os olhos e ouviram uma música inspiradora, prestando atenção na letra e na melodia, e depois apontaram palavras que lhes chamaram a atenção. A partir disso foi proposto que eles pensassem em o que gostariam de plantar no nosso Jardim da Gratidão. E assim surgiram novas reflexões”, explica.

Os alunos e alunas do Integral com imersão bilíngue também puderam participar, criando plaquinhas para pendurar na árvore, com os seus desejos de partilha, na língua inglesa.

Conforme a coordenadora do Ensino Fundamental do Colégio Unesc, Wânia Inácio da Silva Ramos, escola é lugar de construção, de transformação, espaço de vida, de partilha, de vivências e sentimentos e, embalados por esse entendimento, os professores propuseram aos estudantes momentos de reflexões. “Isso tem fortalecido a união de todos em torno da esperança, do respeito, do carinho, do zelo, do amor ao próximo, da compreensão, da gentileza, da paz, da gratidão e da partilha. Por meio dessas reflexões os desejos de cada um foram registrados no nosso ‘Jardim da Gratidão’, completa.

A proposta em questão, de acordo com Wânia, segue com seu significado após a passagem da Páscoa. “Seguimos nosso 2021 com força, coragem, humildade e perseverança, que nosso jardim continue florescendo a cada dia, celebrando e valorizando a vida”, acrescenta.

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

30 de março de 2021 às 21:21
Compartilhar Comente

Comunidade acadêmica se reúne em mais uma homenagem à memória de João Carlos Medeiros Rodrigues Júnior

Comunidade acadêmica se reúne em mais uma homenagem à memória de João Carlos Medeiros Rodrigues Júnior
Mais de quatro mil pessoas prestigiaram cerimônia virtual de reconhecimento ao profissional e amigo que faleceu vítima da Covid-19 (Fotos: Mayara Cardoso / Reprodução) Mais imagens

Esta segunda-feira (29/3) foi de um silêncio incômodo na Unesc. Este foi o primeiro dia em que a vida nos corredores da Universidade precisou ser oficialmente retomada sem a presença do já saudoso procurador jurídico, coordenador do curso de Direito, professor e grande amigo da comunidade acadêmica, João Carlos Medeiros Rodrigues Júnior, falecido na última quinta-feira (25/3) em decorrência de complicações pela Covid-19. A pandemia, que já vinha há um ano mudando drasticamente a rotina no campus, mais uma vez roubou sorrisos e palavras com a partida de um dos membros especiais da família Unesc. O entardecer, sem muitas cores e com uma chuva fina que cismava em permanecer, foi marcado pela transmissão oficial de homenagem à memória de João Carlos, assistida por mais de quatro mil pessoas.

Sem abraços presenciais calorosos que ajudariam a completar as lacunas que nem todas as palavras podem mensurar no momento de despedida, a transmissão realizada pela Unesc TV no Youtube em nome da reitoria da Universidade foi regada a música, reflexões, agradecimentos e muito reconhecimento por parte de alunos, colegas, gestores e familiares.

Em pouco menos de duas horas de homenagens puderam compartilhar suas mensagens de gratidão ao mestre os acadêmicos Jefferson Gonçalves Martins e Natana Daminelli, em nome do Centro Acadêmico de Direito Benedito Narciso da Rocha; o acadêmico representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Douglas Leffa; a coordenadora-adjunta do curso de Direito, Márcia Piazza; a professora Morgana Caldas, representando a equipe da Procuradoria Jurídica da Unesc; o representante do Núcleo de Estudos Étnico-raciais, Afro-brasileiros e Indígenas (Neab), Denis Vieira Moraes; o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção Criciúma, Rafael Búrigo Serafim; o ex-reitor da Universidade, Gildo Volpato; além dos familiares Clésio de Oliveira, cunhado, e da irmã Roberta Medeiros Rodrigues, antecedidos pelas palavras da reitora da Unesc e amiga pessoal de João Carlos, Luciane Bisognin Ceretta.

“Amigo, guardião e protetor”

Tantas palavras lindas proferidas sob diferentes óticas, para Luciane, demonstram um pouco do que foi seu amigo João Carlos Medeiros Rodrigues Júnior. “Ainda assim, todas as homenagens que pudéssemos fazer não seriam suficientes para descrever esta alma tão nobre. Amigo, guardião e protetor daqueles que trabalhavam diariamente.  Sua ausência nos toca profundamente. A Unesc de ontem não é mais a Universidade de hoje. Perdeu o brilho do andar do homem sorridente de terno e gravata que cumprimentava todos igualmente”, descreveu.

Muito além das competências no mundo acadêmico e jurídico, para Luciane, o valor do colega estava ainda em sua humanidade, humildade e generosidade. “Sua competência profissional já está posta, mas eu diria mais do que isso. Esse mundo era pequeno demais para ele. Nada do que dissermos se aproximará do seu tamanho. As melhores palavras não conseguiriam imprimir o sentimento de profunda gratidão e saudade, precedida por esta perda e sua ausência”, pontuou emocionada.

Da mesma forma, para a colega Morgana, com quem João dividia a rotina junto da equipe da Procuradoria, as lições deixadas são preciosas e superam qualquer aprendizado acadêmico. “O professor João nos deixa um legado que vai muito além da técnica jurídica. Embora ele tenha lecionado para todos os advogados da Procuradoria, algumas das maiores lições não são sobre direito, são sobre humildade, generosidade e comprometimento. O mundo precisa de mais ‘Joãos’, pessoas íntegras, honestas e leais. Mestre em lealdade, o professor João era uma pessoa pautada em bons princípios. Amava a Unesc. O trabalho não era condição para a sua vida, mas a sua vida era colocar-se a serviço”, destacou na transmissão.

Ainda com o sentimento de incredulidade que se mistura ao sofrimento da perda, conforme Morgana, cabe à equipe recordar ensinamentos deixados até nas entrelinhas. “Nossa despedida é cheia de dor e ainda não conseguimos acreditar, mas fica a memória das suas gargalhadas, reflexões e frases mais clássicas carregadas de tanta experiência e significado, como quando dizia ‘precisamos entender melhor isso’. E é isso mesmo, hoje trago essa sua reflexão e vejo que realmente precisamos ‘entender melhor’ a vida e seus ciclos”, acrescentou.

Em nome da família de João Carlos, o cunhado Clésio de Oliveira reforçou o papel desempenhado por João Carlos não só enquanto profissional, mas também como pai, esposo, padrinho, filho e tantas funções entre a família, que tinha como preciosidade. “Sempre muito envolvido com a Unesc, ele não tinha muito tempo livre, mas o que tinha era muito bem aproveitado. Sentava no chão da sala de paletó, terno e gravata, passava horas brincando do quer que fosse com a filha ou os sobrinhos que tanto amava”, recorda, acrescentando ainda as características de cuidado e carinho com a mãe e as irmãs, já que o pai já é falecido e ele ocupava a função de único filho homem.

As mensagens afetuosas de reconhecimento à vida de João Carlos, conforme o cunhado, chegam de todos os cantos e surpreendem até mesmo quem conhecia suas características mais íntimas. “Nós sabíamos que ele era amado, mas a comoção tem sido muito maior do que imaginávamos. Na verdade, entendo o motivo disso. É porque ele só plantou e fez o bem e assim ele recebe”, acrescentou.

Também emocionada, a irmã Roberta fez questão de deixar sua mensagem na transmissão da Universidade. “João Carlos, nosso mano. Foi um pai, um marido, um filho, um irmão, um tio e até um cunhado muito presente, carinhoso e extremamente amigo. Sempre com palhaçadas, sempre debochando, com uma gargalhada inconfundível. Fica o exemplo de competência, de caráter, de honestidade, de integridade e, acima de tudo, de hombridade. Fica todo um legado de amizade, companheirismo e de amor e fica a certeza de que um dia vamos nos reencontrar”, declarou.

Toda a cerimônia, assim como o vídeo produzido pela Unesc em homenagem à João e o vídeo compartilhado pelo professor João Batanolli, coordenador do projeto Âmago, em seu momento de reflexão, pode ser assistida no YouTube no canal da Unesc TV:

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

29 de março de 2021 às 21:09
Compartilhar Comente