AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

Plano para retomada do Turismo na região é tema de formação online gratuita da Unesc Araranguá

Plano para retomada do Turismo na região é tema de formação online gratuita da Unesc Araranguá
Evento virtual contou com a palestra do presidente do Coditur, Ângelo Sanches Thurler (Foto: Reprodução) Mais imagens

A experiência de Ângelo Sanches Thurler, atual presidente do Conselho dos Dirigentes Regionais de Turismo do Estado do Rio Grande do Sul (Coditur) e membro do Conselho Nacional de Secretários de Turismo do Brasil, foi inspiração para a formação online gratuita da Unesc Araranguá promovida na noite desta quinta-feira (9/7).

A ação, promovida pela Unesc em parceria com a Weber Empreendimentos e a Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (Amesc), teve foco voltado ao incentivo, por meio de experiências positivas, ao setor público e privado no que se refere ao turismo pós-pandemia e integrou a série de eventos liderados pelo grupo em prol do desenvolvimento do Vale.

A transmissão contou com a participação ainda da diretora da Unesc Araranguá, Izabel Regina de Souza, que mediou as perguntas, além do diretor de Turismo de Araranguá, Giovane Rosa, da diretora de Turismo da Amesc, Helen Becker, do professor Diogo Moraes e do Secretário de turismo de Praia Grande, Jorge Duarte Scandolara Jr.

Humanizar é a palavra de ordem

Dentro da preparação feita com todo o ecossistema do turismo em Canela, onde atua, Ângelo destacou aos participantes da transmissão o lançamento do Selo Turismo Seguro. “Mais do que nunca as pessoas vão querer segurança e conforto ao voltar a viajar. Não é só um novo normal, são novos hábitos que surgem e que levarão em consideração, de forma irreversível, a segurança do local em que irá passear e levar sua família. O Selo serve para fortalecer essa ideia e as normas mais rigorosas em todos os sentidos para garanti-lo”, comentou

O aprimoramento das mais diferentes questões dentro dos empreendimentos que buscam a certificação, conforme o presidente, serão refletidos em credibilidade. “Isso para quando o turista chegar em Canela saber e ter confiança na excelência no bem receber e na saúde, que é o principal foco que o turista vai levar em consideração, assim como em Santa Catarina e no Sul, que tem tanto potencial”, salientou. 

A situação imposta pela pandemia, conforme Ângelo, exige não esmorecimento, mas, sim, união de esforços e comprometimento. “É hora de pensar que temos que ser melhores, buscar a perfeição para o agora. Na hora que abrirem as porteiras, quem estiver preparado vai prosperar e quem não estiver melhorando vai ficar para trás nessa fila”, completou. 

Para Izabel, as experiências trazidas pelo palestrante trouxeram novas ideias e questionamentos aos participantes. “Tenho certeza de que todo esse conteúdo deixou, assim como a mim, todos os participantes pensativos e inspirados para aplicar aqui, dentro da realidade da nossa região, novas diretrizes no que diz respeito à excelência no atendimento e, por consequência, nos resultados” destacou a diretora. 

O vídeo completo do evento virtual pode ser acessado no canal da Unesc TV no YouTube. 

Mayara Cardoso - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

09 de julho de 2020 às 21:54
Compartilhar Comente

Unesc Araranguá oferece cursos na área de gestão voltados às demandas de qualificação do mercado

Unesc Araranguá oferece cursos na área de gestão voltados às demandas de qualificação do mercado
Portfólio da Universidade oferece sete cursos na área na modalidade EAD para o Extremo Sul catarinense (Foto: Divulgação) Mais imagens

Gestão é uma das principais áreas no mundo das carreiras. Independente da especialidade, o profissional da área de gestão planeja e trabalha para que as corporações e negócios alcancem os seus objetivos de forma efetiva, eficaz e eficiente. E para os interessados em investir na capacitação profissional para esta área, a Unesc Araranguá tem uma ótima notícia: um portfólio com sete cursos na modalidade de Ensino a Distância (EAD).

Os cursos de graduação Tecnológicos oferecidos pela unidade da Unesc em Araranguá são focados na prática profissional e possuem duração mais curta. São voltados tanto para quem já atua na área e quer aumentar suas possibilidades no mercado quanto para quem quer uma formação de qualidade e precisa da flexibilidade que o EAD oferece.

Os cursos oferecidos em Araranguá foram construídos a partir das necessidades do mercado do Extremo Sul catarinense. Possuem metodologia própria da Unesc, uma instituição com conceito máximo (nota 5) no Ministério da Educação (MEC). Os alunos contarão ainda com todo o suporte e expertise dos professores mestres e doutores da Universidade.

Confira os cursos de Gestão oferecidos pela Unesc Araranguá  


Gestão Ambiental
Gestão Comercial
Gestão de Recursos Humanos
Gestão de Mercado de Capitais
Gestão Financeira
Gestão Hospitalar
Gestão Pública

Matrículas abertas

O mundo está mudando, o que não muda é a força do conhecimento. Mais do que nunca, ter formação de excelência faz toda a diferença. Para viver esta experiência, as matrículas para o segundo semestre já estão abertas na Unesc, por meio do Ingresso sem Vestibular.

Para se matricular em um dos cursos da Unesc, basta entrar em contato com o Setor Comercial, pelo WhatsApp (48) 99915-0433 ou pelo telefone (48) 3431-2500.

Milena Nandi – Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

09 de julho de 2020 às 17:24
Compartilhar Comente

Unesc tem projetos de pesquisa para o enfrentamento da Covid-19 contemplados em edital do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações

Unesc tem projetos de pesquisa para o enfrentamento da Covid-19 contemplados em edital do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
Estudos serão realizados pela Unesc e instituições parceiras nacionais e internacionais (Foto: Divulgação) Mais imagens

A semana tem sido de ótimas notícias para a Unesc e a região. Após figurar entre as melhores universidades da América Latina, na lista da revista inglesa Times Higher Education (THE), a Universidade teve dois projetos de pesquisa para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) e suas consequências contemplados pelo edital do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Em Santa Catarina, a Unesc é a única Universidade Comunitária com projetos de pesquisa aprovados. Os outros quatro projetos pertencem à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC).

Mais de 2.200 projetos foram inscritos no edital lançado em abril pelo CNPq. Destes, 90 foram aprovadas pela chamada pública e receberão R$ 45 milhões em recursos para o desenvolvimento dos estudos que terão duração de dois anos. Cinquenta instituições de ensino e pesquisa foram contempladas. No Sul do país, 11 projetos foram aprovados, sendo seis de Santa Catarina, três do Paraná e dois do Rio Grande do Sul.

Em Santa Catarina, os integrantes dos grupos de pesquisa poderão ainda ser beneficiados com bolsas de pós-doutorado ou mestrado, oferecidas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Santa Catarina (Fapesc), por meio de edital a ser lançado na sequência.

Na Unesc, os projetos de pesquisa liderados pelos professores doutores vinculados ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS), Gislaine Zilli Réus e Felipe Dal Pizzol estão entre os selecionados para receber os recursos para o desenvolvimento de ações que colaborem com o enfrentamento da pandemia. Os estudos são multicêntricos, ou seja, terão a Universidade como principal local, mas ocorrerão em parceria com instituições brasileiras e internacionais. 

A reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta, recebeu a notícia com muito entusiasmo. Ela, que também fará parte da equipe de pesquisadores em um dos estudos, afirma que o resultado do edital confirma a excelência da Unesc também quando o assunto é pesquisa e colabora para reforçar o posicionamento dela como uma instituição inovadora. “A Unesc acabou de completar 52 anos e recebe mais este importante fomento para o desenvolvimento de pesquisas de excelência e cujos resultados contribuirão muito com a vida das pessoas. É fruto de muito trabalho e uma construção coletiva. Neste momento de pandemia, a Instituição assumiu mais uma vez o protagonismo na região, estando ao lado do setor produtivo, do setor público e da comunidade, com diversas ações. Agora, vai colaborar ainda mais, com novas pesquisas para o enfrentamento da Covid-19. O momento é de grandes desafios, mas também de oportunidade de colocar o conhecimento que produzimos, a favor da vida”, afirma.

As propostas aprovadas pelo CNPq contemplam sete linhas de pesquisa: tratamentos; vacina; diagnóstico; patogênese e história natural da doença; carga da doença; atenção à saúde e prevenção e controle.

Dados científicos auxiliarão profissionais de saúde

O projeto “Estudo prospectivo e multicêntrico dos fatores preditivos de mortalidade hospitalar e carga de doença da Síndrome Respiratória Aguda Grave”, liderado pelo professor da Unesc Felipe Dal Pizzol, se enquadra dentro da linha de pesquisa carga da doença, e terá a participação de pesquisadores e profissionais de diversas instituições: Hospital São José e da Unimed, de Criciúma; Hospital Nereu Ramos e Hospital Universitário (HU), de Florianópolis; Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Hospital das Clínicas, de Porto Alegre; Universidade da Região de Joinville (Univille); Hospital Regional de Joiville e Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (Uniarp), de Caçador.

A ideia é, segundo o Dal Pizzol, acompanhar pessoas com Covid-19 tanto durante a internação hospitalar até 1 ano após, avaliar a mortalidade e as consequências da doença, como incapacidade pulmonar, neurocognitiva e conexões do sistema nervoso central. “Vamos analisar informações dos pacientes antes de passaram pela UTI durante o período de internação e fazer um sequenciamento completo do RNA De leucócitos, além de proteínas relacionadas com imunidade e coagulação”, afirma o pesquisador.

O estudo será desenvolvido com um grupo de 300 pacientes internados na UTI – 50 pessoas já estão sendo monitoradas – e os pesquisadores irão calcular também os dias de vida de cada paciente que foram perdidos por conta do vírus. “Além de levantar dados científicos para fins acadêmicos, o projeto irá desenvolver um aplicativo com as informações mais relevantes para o Sistema Único de Saúde (SUS), colaborando assim com o trabalho dos profissionais da saúde pública no enfrentamento da doença”.

A pesquisa ainda irá fazer um comparativo entre pacientes com Sars-CoV-2 e com Síndrome Respiratória Aguda Grave, para verificar semelhanças e diferenças, como o grau de letalidade e sequelas.

Avaliação de transtornos mentais

O estudo que será liderado pela professora Gislaine Zilli Réus “Investigação de marcadores neuroinflamatórios e de dano neuronal e suas relações com transtornos neuropsiquiátricos em sujeitos positivos para Covid-19” está enquadrado na linha de pesquisa carga da doença e irá abordar os transtornos neuropsiquiátricos como depressão causadas pela pandemia. O estudo será realizado pela Unesc em parceria com a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). “Isso só vem a fortalecer o posicionamento da nossa Universidade como protagonista também na produção científica. Estamos muito felizes pelo resultado do edital e por poder colaborar com a saúde da população, especialmente neste período tão difícil. Esse destaque que temos também é fruto do investimento da Instituição em pesquisa. Para mim que estou na Unesc desde a graduação, o gosto é ainda mais especial”.

Gislaine explica que a pesquisa será um caso-controle em que os casos serão pessoas sintomáticas e assintomáticas positivas para Covid-19 e os controles serão indivíduos negativos para o coronavírus. Para isso, serão aplicadas escalas para avaliação da presença de estresse, depressão, ansiedade e transtornos do sono. Além disso, será investigado perifericamente marcadores de dano neuronal, bem como de inflamação, dano mitocondrial e microbiota intestinal, os quais também se relacionam com inflamação. Será correlacionado esses marcadores com a ocorrência dos transtornos psiquiátricos.

A avaliação dos marcadores terá a parceria da MCGill Univesity, de Montreal, no Canadá, The University of Texas Health Science Center at Houston, nos Estados Unidos e McMaster University, do Canadá.

“Os resultados da pesquisa poderão trazer o entendimento de como o vírus afeta o sistema nervoso central, além de identificar a presença de transtornos que já são por si um problema de saúde pública. As correlações entre os escores de transtornos e a expressão de marcadores biológicos serão também relevantes, tanto para subsídio dos serviços de saúde, quanto para elencar novos estudos que apontem para possíveis tratamentos”, explica.

A professora da Unesc conta que o estudo será desenvolvido no Laboratório de Psiquiatria Translacional por uma equipe multiprofissional, formada por estudantes e profissionais das áreas de Biomedicina, Enfermagem, Psiquiatria e Psicologia, todos ligados aos PPGCS e ainda com contribuição dos residentes.

Milena Nandi – Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

09 de julho de 2020 às 11:07
Compartilhar Comente

Direitos humanos e relações trabalhistas pautam evento internacional na Unesc

Direitos humanos e relações trabalhistas pautam evento internacional na Unesc
2º Diálogo Latino Americano Sobre Direitos Humanos e Sociedade foi promovido via Google Meet (Imagem: Reprodução Google Meet) Mais imagens

Os direitos fundamentais trabalhistas foram colocados em evidência na tarde desta quarta-feira (8/7). Com participação de pesquisadores da Argentina, México e Brasil, o 2º Diálogo Latino Americano Sobre Direitos Humanos e Sociedade propôs conversas sobre o tema “direitos humanos e relações laborais”. 

Contribuíram para a discussão o juiz titular do trabalho no TRT (Tribunal Regional do Trabalho), doutor Rodrigo Goldschmidt, que falou em nome da Unesc; o doutor Guillermo Luevano Bustamante, da UASLP (Universidad Autónoma de San Luis de Potosi), e a doutora Beatriz Rajland, da UASLP (Universidad Autónoma de San Luis de Potosi). Conforme o coordenador adjunto do PPGD (Programa de Pós-Graduação em Direito), Reginaldo de Souza Vieira, foram registradas participações de ao menos 10 programas de pós-graduação, além de outros pesquisadores, estudantes, professores e profissionais. 

Para o pesquisador e coordenador do Grupo de Trabalhos CLACSO (Conselho Latinoamericano de Ciencias Sociais), Lucas Machado Fagundes, o cenário apresentado pelo coronavírus torna a discussão ainda mais rica. “É uma temática extremamente relevante, em um contexto agravado pelas circunstâncias da pandemia. Este é o segundo Diálogos, após um primeiro evento bastante frutífero. Considero mais uma importante iniciativa de nosso Programa de Pós-Graduação”, afirmou 

Dentro do contexto mundial, segundo Vieira, fatores como desemprego, desproteção trabalhista e flexibilizações ocasionam inseguranças para o trabalhador, em aspectos de saúde e pertencimento. Potencializando estes elementos, as políticas públicas também contribuem para a depredação das relações de trabalho, tornando encontros como este necessários. “O objetivo é analisar este cenário, principalmente dentro de um ambiente em rede, com diversos programas de pós-graduação contribuindo para o desenvolvimento de pesquisas que possam instrumentar o fortalecimento da protração trabalhistas e das relações existentes neste contexto. É um tema atual para a sociedade e que tem pautado os diálogos dentro de pesquisas do Direito”, explica.

O evento foi promovido em uma parceria do PPGD; CLACSO; Mestrado em Direitos Humanos da UASLP (Universidad Autónoma de San Luis de Potosi), e Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires. Ao longo de 2020, outras atividades já foram desenvolvidas entre as instituições de ensino, e outras serão propostas, com universidades de toda a América Latina. Questões indígenas, de democracia, saúde e natureza estão em estudo.



O coordenador do PPGD, Antônio Carlos Wolkmer, também esteve presente.

Leonardo Ferreira - Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

08 de julho de 2020 às 18:11
Compartilhar Comente

Referência na área de saúde mental participa de live do Mestrado em Saúde Coletiva da Unesc

Referência na área de saúde mental participa de live do Mestrado em Saúde Coletiva da Unesc
Professor doutor Paulo Amarante conversou com estudantes, professores e profissionais nesta terça-feira Mais imagens

O Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Unesc (PPGSCol) da Unesc recebeu o maior nome da saúde mental no Brasil, Paulo Amarante, para uma live, na noite desta terça-feira (7/7). O professor doutor abordou o tema “Saúde Mental em tempos de pandemia: Que lições aprendemos e que mudanças queremos”, em um evento com a participação de estudantes, professores e profissionais da região.

O debate teve a mediação da professora do PPGSCol, Fabiane Fabris e de uma das coordenadoras do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental, Dipaula Minotto. Esta foi o primeiro evento do ciclo de palestras do PPGSCol, com o tema geral “Covid-19: Gestão da informação para a tomada de decisão em tempos de pandemia”.

Amarante é uma das maiores referências nacionais e internacionais da reforma psiquiátrica e maior nome da saúde mental no país. É médico psiquiatra, doutor em Saúde Pública, pesquisador voluntário da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e professor do Mestrado em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).  

Segundo ele, a pandemia mobilizou uma grande quantidade de autores da área da saúde a escrever sobre o tema. “A Covid-19 gerou um movimento novo ao pensamento internacional, às pessoas que pensam a sociedade de maneira crítica. Uma coisa tão pequena que não conseguimos ver a olho nu, mexeu na economia, na vida familiar, nas relações, em tudo”, comenta.

Dentro deste contexto, o pesquisador afirma ser importante que os profissionais da saúde repensem conceitos como saúde mental e da nossa relação com a natureza: nos últimos anos tem aumentado a frequência das epidemias e o ressurgimento de doenças. “O coronavírus é o rei das questões que se coloca agora. Sendo ou não ocasionado por desequilíbrios ecológicos causados pelo homem, o maior dos devastadores da Terra, esse vírus nos traz uma série de reflexões, sobre relações humanas, sobre organização do poder, economia, das hegemonias políticas, de todas as organizações e estruturas que temos na sociedade e a relação com a natureza. É importante estarmos atentos a isso tudo quando falamos em saúde mental da população na atualidade”, salienta.

Milena Nandi – Agência de Comunicação da Unesc

Fonte: AICOM - Assessoria de Imprensa, Comunicação e Marketing

08 de julho de 2020 às 14:17
Compartilhar Comente